Pa­ra Dil­ma, ‘3º tur­no’ é ir con­tra a de­mo­cra­cia

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Es­ta­do re­da­cao@odi­a­rio.com

Pre­si­den­te diz que pro­tes­tos, den­tro da or­dem, são le­gí­ti­mos Ela, no en­tan­to, res­sal­ta que elei­ções aca­ba­ram em ou­tu­bro

Às vés­pe­ras da re­a­li­za­ção de uma sé­rie de ma­ni­fes­ta­ções próim­pe­a­ch­ment em di­ver­sas ci­da­des bra­si­lei­ras, mar­ca­das pa­ra o pró­xi­mo do­min­go, a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff dis­se, on­tem, que a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra es­tá ama­du­re­ci­da e não vai acei­tar “rup­tu­ras de­mo­crá­ti­cas”. Ela, no en­tan­to, afir­mou que os pa­ne­la­ços pro­mo­vi­dos por bra­si­lei­ros nes­se do­min­go, du­ran­te a exi­bi­ção do pro­nun­ci­a­men­to de­la em re­de na­ci­o­nal de rá­dio e TV, são fa­to “da re­gra de­mo­crá­ti­ca”.

“Eu acho que há de ca­rac­te­ri­zar ra­zões pa­ra o im­pe­a­ch­ment, e não o ter­cei­ro tur­no das elei­ções. O que não é pos­sí­vel no Bra­sil é a gen­te tam­bém não acei­tar a re­gra do jo­go de­mo­crá­ti­co. A elei­ção aca­bou, hou­ve o pri­mei­ro e o se­gun­do tur­no”, des­ta­cou a jor­na­lis­tas, de­pois de par­ti­ci­par de so­le­ni­da­de no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, on­de san­ci­o­nou lei que ti­pi­fi­ca o cri­me do fe­mi­ni­cí­dio.

Ques­ti­o­na­da se as ma­ni­fes­ta­ções pró-im­pe­a­ch­ment se­ri­am le­gí­ti­mas, res­pon­deu: “Quem con­vo­car, con­vo­que do jei­to que qui­ser, nin­guém con­tro­la quem con­vo­ca. A ma­ni­fes­ta­ção vai ter as ca­rac­te­rís­ti­cas que ti­ver os con­vo­ca­do­res. Ela em si não re­pre­sen­ta nem a le­ga­li­da­de nem a le­gi­ti­mi­da­de de pe­di­dos que rom­pe­ma­de­mo­cra­cia.”

So­bre a ma­ni­fes­ta­ção de bra­si­lei­ros com pa­ne­la­ços e vai­as du- ran­te a trans­mis­são do pro­nun­ci­a­men­to em re­de na­ci­o­nal de rá­dio e te­le­vi­são, Dil­ma dis­se que na de­mo­cra­cia é pre­ci­so “con­vi­ver­co­ma­di­fe­ren­ça”.

“O Bra­sil tem uma ca­rac­te­rís­ti­ca que eu jul­go mui­to im­por­tan­te e que to­dos nós te­mos de va­lo­ri­zar, que é o fa­to de que aqui as pes­so­as po­dem se ma­ni­fes­tar, e têm es­pa­ço pa­ra is­so, e têm di­rei­to a is­so. Eu sou de uma épo­ca que, se a gen­te se ma­ni­fes­tas­se, fi­zes­se al­gu­ma coi­sa, aca­ba­va na ca­deia, po­dia ser tor­tu­ra­do ou mor­to. O fa­to de o Bra­sil evo­luir, pas­sar pe­la Cons­ti­tuin­te de 1988, pas­sar por pro­ces­sos de­mo­crá­ti­cos e ga­ran­tir o di­rei­to de ma­ni­fes­ta­ção é al­go ab­so­lu­ta­men­te va­lo­ri­za­do por to­dos nós, que che­ga­mos à de­mo­cra­cia e te­mos de con­vi­ver com a di­fe­ren­ça”, acres­cen­tou.

“O que nós não po­de­mos acei­tar é a vi­o­lên­cia, qual­quer for­ma de vi­o­lên­cia, mas ma­ni­fes­ta­ção pa­cí­fi­ca elas são da re­gra de­mo­crá­ti­ca”, afir­mou.

PMDB­re­be­la­do

Em con­fli­to di­re­to com o go­ver­no desde que foi in­cluí­do en­tre os in­ves­ti­ga­dos da Ope­ra­ção La­va Ja­to, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Edu­ar­do Cu­nha (PMDBRJ), dis­se que a ali­an­ça do par­ti­do de­le com o PT não de­ve­rá se re­pe­tir nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2018. “Che­ga­mos em um mo­men­to on­de as di­ver­gên­ci­as são mai­o­res que as con­ver­gên­ci­as”, de­cla­rou.

Pa­ra o de­pu­ta­do, hou­ve “qu­e­bra de con­fi­an­ça” na re­la­ção en­tre Con­gres­so e go­ver­no. Ape­sar dis­so, pro­me­teu pôr em vo­ta­ção pro­je­tos de in­te­res­se do Exe­cu­ti­vo, in­clu­si­ve, me­di­das do ajus­te fis­cal. So­bre o pa­ne­la­ço, dis­se que o mo­vi­men­to “não pa­re­ceu or­ques­tra­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.