Tra­ços de fa­mí­lia

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Vic­tor Du­ar­te Fa­ria vic­tor­du­ar­te@odi­a­rio.com

De­se­nhis­ta Ân­ge­la Fa­kir ex­põe seus de­se­nhos a par­tir de ho­je no Pa­ço Mu­ni­ci­pal, com aber­tu­ra às 14h ”Som­bras e Lu­zes do Fe­mi­ni­no” traz tra­ços com car­ga de for­te sub­je­ti­vi­da­de e ex­pe­ri­ên­ci­as da ar­tis­ta

Mãos firmes, tra­ço for­te, co­ra­gem e sub­je­ti­vi­da­de. É as­sim que Ân­ge­la Fa­kir, 36, trans­for­ma ex­pe­ri­ên­ci­as de dor em de­se­nhos. Ân­ge­la de­se­nha desde que se co­nhe­ce por gen­te, e re­a­li­za ho­je o so­nho de fa­zer uma ex­po­si­ção de su­as obras.“Som­bras e Lu­zes do Fe­mi­ni­no”, com de­se­nhos fei­tos a lá­pis e ma­te­ri­al de ma­qui­a­gem, se­rá aber­ta ao pú­bli­co ho­je, às 14 ho­ras, no Pa­ço Mu­ni­ci­pal.

A ar­tis­ta, que co­me­çou a di­vul­gar o seu tra­ba­lho por meio do blog “Ris­cos e Ra­bis­cos”, ex­põe no tra­ço a dor, a su­pe­ra­ção e um to­que de ero­tis­mo – al­guns fa­to­res evi­den­tes em su­as obras. Lá­pis pre­to, aqua­re­la­do e pro­du­tos de ma­qui­a­gem fa­zem par­te do ar­se­nal da de­se­nhis­ta. Ine­vi­tá­vel não per­ce­ber, den­tro dos de­se­nhos, a for­te va­lo­ri­za­ção de mem­bros co­mo os pés e as mãos. “De­se­nho os pés e as mãos de ma­nei­ra mais avan­ta­ja­da pois acre­di­to que são par- tes do cor­po que re­pre­sen­tam a ação”, diz Ân­ge­la, en­quan­to fo­lheia uma pas­ta com al­guns de seus de­se­nhos.

A his­tó­ria de Ân­ge­la jus­ti­fi­ca a enor­me car­ga emo­ci­o­nal por trás de seus de­se­nhos. A gu­er­ra con­tra o cân­cer, na fa­mí­lia, se deu em três ba­ta­lhas. Na pri­mei­ra de­las, foi sua mãe, Jo­a­na da Silva, 60, que ven­ceu o cân­cer de ma­ma há se­te anos. Al­gum tem­po de­pois, a do­en­ça se ma­ni­fes­tou no­va­men­te em sua ir­mã mais ve­lha, Cín­tia Soares, de 39 anos. En­quan­to Ân­ge­la se pre­pa­ra­va pa­ra ir a Curitiba ver sua ir­mã re­a­li­zar a ope­ra­ção nas ma­mas, em ja­nei­ro do ano pas­sa­do, per­ce­beu tam­bém um nó­du­lo na ma­ma e foi di­ag­nos­ti­ca­da com cân­cer. A de­se­nhis­ta ope­rou no dia 23 de de­zem­bro do ano pas­sa­do, e faz sua úl­ti­ma ra­di­o­te­ra­pia no dia 25 des­te mês.

Vai­da­de à par­te

No dia em que a re­por­ta­gem vi­si­tou a ca­sa da de­se­nhis­ta, Do­na Jo­a­na co­men­tou que a fi­lha sem­pre foi mui­to vai­do­sa. Con­tu­do, foi ra­pi­da­men­te in­ter­rom­pi­da por Ân­ge­la: “Sin­to mais fal­ta dos meus alu­nos do que do meu ca­be­lo”, dis­se a de­se­nhis­ta, que tam­bém le­ci­o­na au­las pa­ra cri­an­ças, em um pro­je­to de ini­ci­a­ção à lei­tu­ra.

Mãe e fi­lhas não se dei­xa­ram aba­ter com as do­en­ças e con­ver­sam sem­pre com um sor­ri­so no ros­to. Do­na Jo­a­na con­ta que, ape­sar das do­en­ças, nun­ca cho­rou. “Ne­nhu­ma lá­gri­ma foi der­ra­ma­da por cau­sa de saú­de”. Ân­ge­la com­ple­ta fa­zen­do um ba­lan­ço: “O ano de 2014 não foi um ano ruim, te­ve a do­en­ça, mas re­al­men­te não foi um ano ruim.”

Ao ser in­da­ga­da so­bre o que mu­dou após a do­en­ça, Ân­ge­la res­pon­deu com um su­til sor­ri­so no ros­to: “So­brou mais tem­po pa­ra de­se­nhar”.

Es­te ano, a ar­tis­ta acre­di­ta ter co­me­ça­do com o pé di­rei­to, pois sua ex­po­si­ção re­ce­be apoio da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Cul­tu­ra e da Se­cre­ta­ria da Mu­lher. Su­as obras fi­ca­rão ex­pos­tas até o dia 31 des­te mês, no tér­reo do Pa­ço Mu­ni­ci­pal.

FO­TO: MARIANA KA­TEI­VAS

BE­LE­ZA NA DOR. “Ima­gem no Es­pe­lho II”, de Ân­ge­la Fa­kir: ar­tis­ta re­tra­ta a si mes­ma em mo­men­to di­fí­cil da vi­da –

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.