Pa­ra sem­pre Inezita

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Jo­ta­bê Me­dei­ros Agên­cia Es­ta­do

Fa­le­ci­da aos 90 anos no do­min­go, Inezita Bar­ro­so foi um bun­ker cul­tu­ral, uma casamata de re­sis­tên­cia

A vi­o­la emu­de­ceu. Aos 90 anos, mor­reu na noi­te des­te do­min­go, 8, a can­to­ra e apre­sen­ta­do­ra de TV Inezita Bar­ro­so. Ela es­ta­va in­ter­na­da desde o dia 19 de fe­ve­rei­ro no Hos­pi­tal Sí­rio Li­ba­nês, em São Pau­lo. Inezita Bar­ro­so, a Da­ma Cai­pi­ra, era uma es­pé­cie de abri­go, um re­fú­gio de ex­pres­sões cul­tu­rais que eram de­po­si­tá­ri­as pri­vi­le­gi­a­das da iden­ti­da­de do País. A ela re­cor­ri­am for­mas em vi­as de de­sa­pa­ri­ção, du­plas e can­to­res e ar­qui­vos vi­vos que so­bre­vi­ve­ram à blitz­kri­eg mo­der­ni­za­do­ra de di­ver­sas dé­ca­das. Ul­ti­ma­men­te, em sua ca­sa em São Pau­lo, com seus 22 pas­sa­ri­nhos de gai­o­la (ates­ta­do de sua fi­de­li­da­de pa­ra com o ideá­rio cai­pi­ra), ela ain­da gra­va­va par­ti­ci­pa­ções no pro­gra­ma “Vi­o­la Mi­nha Vi­o­la” (o mais lon­ge­vo do País), co­mo se sua exis­tên­cia re­pre­sen­tas­se um bun­ker con­tra a pas­teu­ri­za­ção, o ni­ve­la­men­to cul­tu­ral. En­ci­clo­pé­dia vi­va­deu­maé­po­ca.

Opu­nha-seà­pre­sen­ça­de­te­cla­dis­tas em seu pro­gra­ma, além de al­fi­ne­tar os con­glo­me­ra­dos cul­tu­rais. “É ri­dí­cu­lo ver um per­so­na­gem do cam­po fa­lan­do com so­ta­que ca­ri­o­ca”, ela dis­se, há 5 anos. Era con­for­ta­dor vê-la ali re­sis­tin­do, pro­cu­ra­do­ra de uma éti­ca de­sa­pa­re­ci­da, co­mo uma Pal­mi­ri­nha da mú­si­ca cai­pi­ra, uma­dou­to­ra­da­ro­ça.

Ain­da as­sim, Inezita não era uma­en­tu­si­as­ta­da­re­pe­ti­ção­pas­si­va das for­mas tra­di­ci­o­nais; seu ros­to se ilu­mi­na­va quan­do se de­pa­ra­va com um ar­tis­ta que, an­co­ra­do nas for­mas ar­cai­cas, trans­cen­dia seu in­vó­lu­cro e se pro­je­ta­va pa­ra a fren­te. Sua pró­pria car­rei­ra co­mo can­to­ra se va­leu des­sa di­a­lé­ti­ca trans­for­ma­do­ra: ela se des­ta­cou can­tan­do “Ron­da”, de Pau­lo Van­zo­li­ni, além de Noel Ro­sa e Ary Bar­ro­so. Sa­bia que o pro­ble­ma da afir­ma­ção na­ci­o­nal não era de fron­tei­ra,mas­de­au­ten­ti­ci­da­de

Nas­ci­da na Bar­ra Fun­da, an­ti­go bair­ro fa­bril de São Pau­lo, ela ti­nha, con­tu­do, al­ma de in­te­ri­or, ti­nha um des­ti­no de cam­po e ma­to. Tam­bém atriz e for­ma­da em bi­bli­o­te­co­no­mia, cres­ceu ar­tis­ti­ca­men­te com a pro­fis­si­o­na­li­za­ção do rá­dio e da TV no Bra­sil. E so­nha­va com o dia em que or­ques­tras de mo­da de vi­o­la in­va­dis­sem to­das as ci­da­des do País. Co­mo can­to­ra, ex­pe­ri­men­tou o su­ces­so, mas sem­pre o pre­te­riu à con­di­ção de di­vul­ga­do­ra cul­tu­ral, le­van­do ge­ra­ções a co­nhe­ce­rem as obras de Cas­ca­ti­nha e Inha­na, As Ir­mãs Gal­vão, Pe­dro Ben­to e Zé da Es­tra­da, Mi­li­o­ná­rio e Jo­sé Ri­co, To­ni­co e Ti­no­co, en­tre ou­tros.

Mas não era oní­vo­ra, cer­tas coi­sas ela não en­go­lia. “Es­sa mú­si­ca mo­der­ni­nha de ho­je, que cha­mam de ser­ta­ne­ja, não tem va­lor. É sem­pre a mes­ma coi­sa, com a mu­lher que aban­do­nou o ma­ri­do. Com o agra­van­te que só a to­cam no mes­mo rit­mo, pa­re­ce um re­a­le­jo”, dis­se ao repórter Lu­casNo­bi­le.

Em sua bi­o­gra­fia, es­cri­ta por Car­los Edu­ar­do Oli­vei­ra e pu­bli­ca­da no ano pas­sa­do, Inezita con­tou co­mo se de­ci­diu pe­la vi­da ar­tís­ti­ca após as­sis­tir a um show de Car­mem Mi­ran­da e re­ve­la que te­ve de en­fren­tar a re­sis­tên­cia dos pais­con­ser­va­do­res.Vi­nha­da­clas­se mé­dia al­ta, e sua dis­po­si­ção de le­va­ra­vi­da­com­ca­be­los­cur­tos,vi­o­lão no bra­ço e em ro­das de vi­o­la com tra­ba­lha­do­res ru­rais cho­cou a fa­mí­lia. Nas fa­zen­das de fa­mi­li­a­res, co­lhia os rit­mos (ca­ti­ra, ca­te­re­tê, cha­ma­mé) e as can­ções que gra­va­va e ce­le­bri­za­va (ou sim­ples­men­te in­tro­je­ta­va na men­te pa­ra uso fu­tu­ro), co­mo “Mo­da da Pin­ga”(“AMar­va­daPin­ga”).

O cu­ra­dor Tei­xei­ra Co­e­lho, em uma de­fi­ni­ção con­cei­tu­al de cul­tu­ra, afir­mou o se­guin­te: “O me­lhor re­su­mo da ideia de cul­tu­ra, e que pou­cas po­lí­ti­cas cul­tu­rais se dis­põem a acei­tar, é aque­la que apre­sen­ta a cul­tu­ra co­mo uma lon­ga con­ver­sa. Uma lon­ga con­ver­sa en­tre tu­do o que é cul­tu­ra, en­tre to­dos que mo­vem a cul­tu­ra. Uma lon­ga e fran­ca con­ver­sa. A me­lhor ideia de li­ber­da­de é es­sa ideia de con­ver­sa. Es­sa, na ver­da­de, é a me­lhor ideia de li­ber­da­de”. Em sua con­ver­sa de uma vi­da, Inezita cum­priu es­sa ideia à per­fei­ção.

—FO­TO: JO­SÉ LUIS DA CON­CEI­ÇÃO/AE

ELA. Inezita Bar­ro­so: can­to­ra, apre­sen­ta­do­ra de TV e pro­fes­so­ra de fol­clo­re re­pre­sen­ta­va a re­sis­tên­cia mú­si­ca cai­pi­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.