Da edu­ca­ção tec­no­ló­gi­ca

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Tra­ba­lho na Fa­cul­da­de de En­ge­nha­ria Quí­mi­ca da Unicamp. Sou pro­fes­sor – há vin­te e oi­to anos – de um cur­so com ba­se ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca, as­sim co­mo al­guém pre­o­cu­pa­do com a for­ma­ção de pes­so­as que pos­si­bi­li­tem um país me­lhor. No iní­cio des­te mi­lê­nio em que o seu nas­ci­men­to de­cor­re da mi­sé­ria de mui­tos e da ri­que­za (in­clu­si­ve tec­no­ló­gi­ca) de pou­cas na­ções, ca­be ao pro­fis­si­o­nal de tec­no­lo­gia cri­ar, acom­pa­nhar, ade­quar tec­no­lo­gi­as que vão ra­pi­da­men­te da praticidade ao de­su­so. Sob es­te as­pec­to e con­si­de­ran­do-se a vo­la­ti­li­da­de da eco­no­mia mun­di­al, paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to cor­rem o ris­co de ter uma po­pu­la­ção de pro­fis­si­o­nais co­lo­ni­za­dos in­te­lec­tu­al­men­te pe­lo sim­ples fa­to de a sua cul­tu­ra tec­no­ló­gi­ca, ou par­te con­si­de­rá­vel de­la, ser im­por­ta­da. Aqui, tor­na-se vá­li­do o cha­vão “cor­re-se o ris­co de im­por­tar er­ros”. Além do atra­so tec­no­ló­gi­co, sur­ge o pe­ri­go do en­fra­que­ci­men­to econô­mi­co de tais paí­ses, de­vi­do à aqui­si­ção de em­pre­sas lo­cais por aque­las di­tas es­tran­gei­ras, pro­vo­can­do a re­mes­sa de lu­cros e di­vi­den­dos pa­ra fo­ra, em vez de fi­car no pró­prio país. Tal efei­to re­sul­ta, além da pos­si­bi­li­da­de da de­sin­dus­tri­a­li­za­ção, na fal­ta de re­cur­sos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­ter­no de no­vos pro­du­tos e pro­ces­sos, além de di­mi­nuir o investimento na for­ma­ção de mão de obra mais es­pe­ci­a­li­za­da e com­pro­me­ti­da com a so­ci­e­da­de. Por ou­tro la­do, à me­di­da que se vi­sa uma edu­ca­ção que al­me­ja so­men­te os bens tec­no­ló­gi­co e econô­mi­co, con­tri­bui-se pa­ra a for­ma­ção de pro­fis­si­o­nais com di­fi­cul­da­des pa­ra pen­sar no co­le­ti­vo e, por­tan­to, em um dos pi­la­res es­sen­ci­ais do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, que é o as­pec­to social. O ad­ven­to da in­dus­tri­a­li­za­ção em mas­sa, oriun­do da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, afe­tou as re­la­ções de tra­ba­lho, al­te­ran­do com­por­ta­men­tos por meio do dis­tan­ci­a­men­to en­tre pes­so­as, va­lo­ri­zan­do o co­nhe­ci­men­to que apri­mo­re e pri­o­ri­ze a pro­du­ção, dei­xan­do o ser hu­ma­no co­mo ele­men­to e de­je­to da pró­pria pro­du­ção. O de­sen­vol­vi­men­to ci­en­tí­fi­co e tec­no­ló­gi­co são fon­tes pre­ci­o­sas e ne­ces­sá­ri­as pa­ra qual­quer país, po­rém não exis­te de­sen­vol­vi­men­to sem edu­ca­ção, pois es­ta de­sa­fia in­te­lec­tu­al­men­te o in­di­ví­duo, des­co­bre ha­bi­li­da­des e ta­len­tos la­ten­tes, in­cre­men­tan­do o pen­sa­men­to e a ação. Mais do que nun­ca, es­ses pro­fis­si­o­nais ca­re­cem de uma for­ma­ção que lhes per­mi­ta se­rem há­beis pa­ra pen­sar, ana­li­sar, abs­trair, pro­por idei­as e pô-las em prá­ti­ca. A edu­ca­ção, nes­se con­tex­to, ocu­pa um es­pa­ço no­bre, por­que lhe com­pe­te for­mar, con­ti­nu­a­men­te, ci­da­dãos ca­pa­zes de pro­du­zir co­nhe­ci­men­tos, apri­mo­rar e de­sen­vol­ver tec­no- lo­gi­as pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de uma na­ção e pa­ra pre­ve­nir da­nos que a cer­cam: desde o meio-am­bi­en­te a to­dos os am­bi­en­tes. Não se po­de con­ce­ber uma edu­ca­ção me­ra­men­te tec­no­cra­ta; ur­ge in­cen­ti­var pen­sa­do­res com­pro­me­ti­dos e cri­a­ti­vos, mo­ti­van­do-os pa­ra que te­nham a no­ção cla­ra e res­pon­sá­vel da uti­li­za­ção de seu co­nhe­ci­men­to, pois de­le de­pen­de a vi­da de mui­tos. Não se tra­ta de hu­ma­ni­zar o téc­ni­co ou vi­ce-ver­sa, mas mol­dar o es­pí­ri­to das pes­so­as pa­ra a re­a­li­da­de que não se can­sa de nos as­som­brar com ra­pi­dez e di­ver­si­da­de, le­van­do-nos pa­ra um fu­tu­ro na­da pre­vi­sí­vel, con­tu­do pos­sí­vel de man­ter o pla­ne­ta vi­vo pa­ra as fu­tu­ras ge­ra­ções. Pa­ra tan­to, é cru­ci­al ter em con­ta que a edu­ca­ção é a ba­se pa­ra a res­pon­sa­bi­li­da­de social e pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel de qual­quer país. Sim, sou pro­fes­sor e al­guém pre­o­cu­pa­do com a for­ma­ção de pro­fis­si­o­nais res­pon­sá­veis, to­da­via ca­be a es­sas pes­so­as a es­co­lha de seu fu­tu­ro e as es­co­lhas que fa­rão quan­do ocu­pa­rem car­gos de de­ci­são. De­ci­sões que afe­ta­rão desde o co­ti­di­a­no de um tra­ba­lha­dor de chão de fá­bri­ca, pas­san­do pe­la des­con­ta­mi­na­ção do len­çol freá­ti­co de Ma­con­do, até os ban­cos na Suí­ça. En­tão, es­ta­re­mos nas mãos da Éti­ca e o com­pro­mis­so de exem­plo de­ve e de­ve­rá ser de to­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.