PT re­ce­beu de US$ 150 mi a US$ 200 mi, diz Ba­rus­co

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM - Da­ni­el Car­va­lho, Dai­e­ne Car­do­so e Pe­dro Ven­ces­lau Agên­cia Es­ta­do

De­la­tor afir­mou on­tem, à CPI da Petrobras na Câ­ma­ra, que o par­ti­do ti­nha re­ser­va da pro­pi­na Ex-ge­ren­te afir­mou tam­bém que cor­rup­ção ‘ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da’ na es­ta­tal co­me­çou em 2004

O ex-ge­ren­te-exe­cu­ti­vo da Petrobras, Pe­dro Ba­rus­co, dis­se on­tem, em de­poi­men­to à CPI cri­a­da na Câ­ma­ra Fe­de­ral pa­ra in­ves­ti­gar o es­que­ma de cor­rup­ção na es­ta­tal, que ha­via re­ser­va des­ti­na­da ao PT no va­lor que re­ce­bia de pro­pi­na de em­prei­tei­ras. “Exis­tia uma re­ser­va pa­ra o PT re­ce­ber. Não sei co­mo o Vac­ca­ri re­ce­beu”, afir­mou Ba­rus­co, men­ci­o­nan­do João Vac­ca­ri Neto, te­sou­rei­ro do PT, e afir­man­do não sa­ber pa­ra quem no par­ti­do­a­ver­ba­e­ra­re­pas­sa­da.

Ba­rus­co es­ti­ma que o PT te­nha re­ce­bi­do de US$ 150 mi­lhões a US$ 200 mi­lhões. Ques­ti­o­na­do se se­ria o “pai” da pro­pi­na na Petrobras, o ex-ge­ren­te riu e ne­gou. O ex-ge­ren­te tam­bém afir­mou que as em­pre­sas já apre­sen­ta­ram pre­ços al­tos no pri­mei­ro mo­men­to. “Sen­ti­mos a ação for­te de car­tel”, afir­mou. “Na mi­nha ava­li­a­ção não hou­ve su­per­fa­tu­ra­men­to no Com­perj. O que te­ve foi pre­ço ele­va­do.”

Con­tu­do, Ba­rus­co isen­tou a di­re­to­ria exe­cu­ti­va da es­ta­tal de ter co­nhe­ci­men­to do es­que­ma de cor­rup­ção “ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da” que co­me­çou a fun­ci­o­nar em 2004. Ques­ti­o­na­do pe­lo de­pu­ta­do Car­los Sam­paio, lí­der do PSDB, se o pre­si­den­te da Pe- tro­bras à épo­ca, Jo­sé Edu­ar­do Du­tra, e os de­mais di­re­to­res ti­nham co­nhe­ci­men­to da dis­tri­bui­ção de pro­pi­na, o de­la­tor afir­mou que “era im­pos­sí­vel o pre­si­den­te sa­ber se ti­nha ou não es­que­ma­em­to­do­sos­con­tra­tos”.

Pro­pi­na

Ba­rus­co afir­mou que nun­ca te­ve in­di­ca­ção po­lí­ti­ca pa­ra ocu­par car­gos na es­ta­tal, e, sim, téc­ni­ca. Em­bo­ra te­nha di­to que es­tá ali pa­ra co­la­bo­rar e es­cla­re­cer to­dos os fa­tos, ele evi­tou en­trar em de­ta­lhes so­bre o es­que­ma de cor­rup­ção e dis­se que ape­nas rei­te­ra­va de­poi­men­to da­do à Jus­ti­ça Fe­de­ral. Ele con­fir­mou que re­ce­beu pro­pi­nas desde 1997 e 1998, ain­da du- ran­te o go­ver­no do tu­ca­no Fer­nan­doHen­ri­queCar­do­so.

Con­tu­do, o re­la­tor da CPI da Petrobras, Luiz Sér­gio (PT-RJ) ques­ti­o­nou o ex-ge­ren­te so­bre o iní­cio des­se es­que­ma de pa­ga­men­to de pro­pi­na e in­sis­tiu pa­ra que des­se de­ta­lhes de co­mo ele ocor­ria ain­da na dé­ca­da de 1990, du­ran­te o go­ver­no do tu­ca­no Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so. “Co­me­cei a re­ce­ber pro­pi­na em 1997, 1998. Foi uma ini­ci­a­ti­va pes­so­al, mi­nha, com um re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al da em­pre­sa”, afir­mou. “De for­ma mais am­pla, em con­ta­to com ou­tras pes­so­as da Petrobras, de for­ma mais ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da, foi a par­tir de 2003, 2004.”

Suí­ça

O ex-ge­ren­te ga­ran­tiu que não ti­nha ou­tras con­tas no ex­te­ri­or pa­ra re­ce­ber a pro­pi­na ar­re­ca­da­da no es­que­ma de cor­rup­ção. “Tu­do o que ti­nha na Suí­ça eu de­vol­vi”, afir­mou, re­fe­rin­do-se aos US$ 97 mi­lhões que se com­pro­me­teu a de­vol­ver em seu acor­do de­de­la­ção­pre­mi­a­da.

Em di­ver­sas oca­siões, Ba­rus­co rei­te­rou que a di­vi­são da pro­pi­na era pa­ra o PT (por meio do ex-di­re­tor de Ser­vi­ços, Re­na­to Du­que) e o di­nhei­ro pa­ra PP e PMDB era ge­ren­ci­a­do pe­lo ex-di­re­tor de Abas­te­ci­men­to Pau­lo Roberto Cos­ta. Se­gun­do ele, o con­tro­le da pro­pi­na era fei­to em pla­ni­lha e de­pois o “acer­to de con­ta” era fei­to­co­mo­so­pe­ra­do­res.

—FO­TO: ED FER­REI­RA/AE

DE­POI­MEN­TO. Ba­rus­co é ou­vi­do pe­la CPI da Petrobras. Ele cum­pre pri­são do­mi­ci­li­ar de­pois de ter fei­to de­la­ção pre­mi­a­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.