Dil­ma é vai­a­da du­ran­te even­to em São Pau­lo

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM -

Os es­cân­da­los de cor­rup­ção na Petrobras es­tão en­tre os prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­la que­da de po­pu­la­ri­da­de da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. Pes­qui­sa Da­ta­fo­lha di­vul­ga­da em 8 de fe­ve­rei­ro, mos­tra que a po­pu­la­ri­da­de de­la des­pen­cou 21 pon­tos por­cen­tu­ais­no­súl­ti­mos­dois­me­ses

Dil­ma foi in­sis­ten­te­men­te vai­a­da du­ran­te um cur­to pe­río­do de tem­po em que vi­si­tou on­tem, os es­tan­des do 21º Sa­lão In­ter­na­ci­o­nal da Cons­tru­ção. Ain­da fe­cha­do ao pú­bli­co ge­ral, o even­to, que ocor­re no pa­vi­lhão de ex­po­si­ções do Anhem­bi, era ocu­pa­do so­men­te por em­pre­sá­ri­os e fun­ci­o­ná­ri­os do seg­men­to de cons­tru­ção ci­vil.

A pre­si­den­te che­gou ao lo­cal de he­li­cóp­te­ro, mas aden­trou o pa­vi­lhão de car­ro. Os cor­re­do­res da ex­po­si­ção fo­ram iso­la­dos pe­la se­gu­ran­ça com fi­tas que ga­ran­ti­am dis­tân­cia en­tre a co­mi­ti­va pre­si­den­ci­al e os de­mais pre­sen­tes. En­tre os acom­pa­nhan­tes de Dil­ma es­ta­vam o mi­nis­tro das Ci­da­des, Gil­ber­to Kas­sab, o Se­cre­ta­rio de Comunicação Social da Pre­si­dên­cia, mi­nis­tro Tho­mas Trau­mann, e o pre­fei­to de São Pau­lo, Fer­nan­do Had­dad(PT).

Di­an­te da re­a­ção do pú­bli­co, que gri­tou pa­la­vras de or­dem co­mo “fo­ra Dil­ma, a pre­si­den­te per­cor­reu ape­nas uma pe­que­na par­te da ex­po­si­ção e, mos­tran­do des­con­for­to, vol­tou ao car­ro. Dil­ma foi con­du­zi­da ao au­di­tó­rio Elis Re­gi­na on­de par­ti­ci­pou da so­le­ni­da­de ofi­ci­al de aber- tu­ra do 21º Sa­lão In­ter­na­ci­o­nal da Cons­tru­ção. Com ca­pa­ci­da­de pa­ra 799 pes­so­as, o lo­cal não ti­nha­me­ta­de­da­lo­ta­ção.

Ao ini­ci­ar seu dis­cur­so, de­pois da fa­la do pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ma­te­ri­ais de Cons­tru­ção (Abra­mat), Wal­ter Co­ven, an­fi­trião do even­to, Dil­ma dis­se que re­co­nhe­cia o mo­men­to di­fí­cil pe­lo qual pas­sa a eco­no­mia bra­si­lei­ra e os im­pac­tos so­bre o se­tor. “Te­nho tra­ba­lha­do pa­ra su­pe­rar­mos a de­sa­ce­le­ra­ção pe­la qual pas­sa a cons­tru­ção ci­vil.” A pre­si­den­te acres­cen­tou que es­tão to­man­do im­por­tan­tes e ne­ces­sá­ri­as me­di­das de cor­re­ção, mas res­sal­tou em mais de um mo­men­to, que a cri­se é con­jun­tu­ral. “Os fun­da­men­tos são só­li­dos”, dis­se, es­ti­man­do que até o fi­nal do ano, re­sul­ta­dos po­si­ti­vos de­ve­rão apa­re­cer­na­e­co­no­mi­a­doPaís.

Di­ri­gin­do-se di­re­ta­men­te ao em­pre­sa­ri­a­do, a pre­si­den­te pe­diu que “não dei­xem as in­cer­te­zas con­jun­tu­rais de­ter­mi­na­rem a sua vi­são de fu­tu­ro”. Se­gun­do a pre­si­den­te, sem a aju­da do em­pre­sa­ri­a­do, o go­ver­no não con­se­gui­rá avan­çar nas su­as pro­pos­tas. Dil­ma dis­se ain­da que o se­tor de cons­tru­ção ci­vil é um exem­plo bem-su­ce­di­do de par­ce­ria en­tre os go­ver­nos fe­de­ral, es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais com a ini­ci­a­ti­va pri­va­da. “De­se­jo mui­to su­ces­so e po­dem con­tar que nós ire­mos jun­tos su­pe­rar de­sa­fi­os que te­mos pe­la fren­te”, en­cer­rou a pre­si­den­te.

Im­pe­a­ch­ment

O vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer, des­qua­li­fi­cou as pro­pos­tas de im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te Dil­ma. “Nem fa­lo nis­so. Is­so não exis­te. Is­so não de­ve exis­tir na ca­be­ça de nin­guém”, afir­mou o vi­ce, ao dei­xar o ga­bi­ne­te do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Edu­ar­do Cu­nha (PMDBRJ). Te­mer vi­si­tou on­tem os gabinetes de Cu­nha e do pre­si­den­te do Se­na­do, Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB-AL), no pa­pel de bom­bei­ro e de ne­go­ci­a­dor das me­di­das do ajus­te fis­cal e da cor­re­ção da ta­be­la do Im­pos­to de Ren­da da Pes­soa Fí­si­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.