Pro­pos­ta pre­vê cor­re­ção do IR por fai­xas de ren­da

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Da Re­da­ção, com Agên­ci­as

Re­nan Ca­lhei­ros pro­põe ajus­tes na ta­be­la de 6,5%, 6%, 5% e 4,5% Mi­nis­tro Levy diz que ideia é quem ga­nha me­nos ter cor­re­ção mai­or

A ten­dên­cia do go­ver­no fe­de­ral é ado­tar a cor­re­ção da ta­be­la do Im­pos­to de Ren­da Pes­soa Fí­si­ca por fai­xas de ren­da. A in­for­ma­ção é do mi­nis­tro da Fa­zen­da, Jo­a­quim Levy, e foi da­da na saí­da de uma reu­nião que ele te­ve com o pre­si­den­te do Se­na­do, Re­nan Ca­lhei­ros (PMDBAL). A ideia é fa­zer com que os con­tri­buin­tes que ga­nham me­nos se­jam be­ne­fi­ci­a­dos com o mai­or ín­di­ce de cor­re­ção que po­de­rá che­gar a 6,5%.

“Há al­gu­mas pos­si­bi­li­da­des, mas o con­cei­to, evi­den­te­men­te, é dar um ajus­te mais sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra as fai­xas de me­nor ren­da de tal ma­nei­ra que os te­tos des­sas fai­xas te­nham um au­men­to um pou­co mai­or do que ti­nha se pen­sa­do ori­gi­nal­men­te, de 4,5%. A gen­te es­tu­da, den­tro do qua­dro de ajus­te fis­cal, se nós po­de­mos fo­car pa­ra dar al­go um pou­co mai­or na li­nha que o Con­gres­so tem su­ge­ri­do pa­ra as fai­xas de me­nor ren­da”, adi­an­tou Levy que tam­bém se en­con­trou com o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Edu­ar­do Cu­nha(PMDB-RJ).

Três fa­ti­as

De acor­do com Ca­lhei­ros, no en­con­tro com Levy, ele apre­sen­tou co­mo “cons­tru­ção do Par­la­men­to” uma pro­pos­ta pa­ra re­sol­ver o im­pas­se po­lí­ti­co en­vol­ven­do a cor­re­ção da ta­be­la do Im­pos­to de Ren­da (IR). O pro­je­to apro­va­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, que foi ve­ta­do pe­la pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, pre­via a cor­re­ção da ta­be­la em 6,5%. O ve­to de­ve ser le­va­do a vo­ta­ção, ho­je, em ses­são do Con­gres­so Na­ci­o­nal e de­ve ser der­ru­ba­do.

Ca­lhei­ros su­ge­riu a cri­a­ção de três fai­xas de cor­re­ção do IR. De 6,5% pa­ra fai­xa de ren­da até R$ 2.840,06; de 6% pa­ra ren­di­men­to até R$ 3.751,06; de 5% É a de­fa­sa­gem acu­mu­la­da na cor­re­ção da ta­be­la desde 1996 na com­pa­ra­ção com o ín­di­ce ofi­ci­al da in­fla­ção. até R$ 4.664,68; de 4,5% pa­ra ga­nhos men­sais aci­ma de R$ 4.664,68. “Se for o ca­so e se a ne­go­ci­a­ção evo­luir a par­tir da pro­pos­ta do Con­gres­so Na­ci­o­nal, o go­ver­no de­ve­rá edi­tar uma Me­di­da Pro­vi­só­ria co­mo con­sequên­cia des­sa ne­go­ci­a­ção. Eu acho que is­so é mui­to bom pa­ra o País. Is­so (pro­pos­ta) é de co­mum acor­do com a Câ­ma­ra. O fun­da­men­tal que de­ve ser co­me­mo­ra­do é que é uma pro­pos­ta do Par­la­men­to pa­ra re­sol­ver um gran­de pro­ble­ma”, des­ta­cou. A par­ce­la de de­du­ção men­sal, de acor­do com as fai­xas de ren­da, pas­sa do mí­ni­mo de R$ 134,08 pa­ra R$ 144,81, e o má­xi­mo pas­sa de R$ 826,15 pa­ra R$ 881,53.

Ca­lhei­ros anun­ci­ou a me­di­da co­bran­do mais par­ti­ci­pa­ção do Con­gres­so na ela­bo­ra­ção da po­lí­ti­ca econô­mi­ca do go­ver­no da pre­si­den­te Dil­ma. “Acho que o ajus­te e es­sa ques­tão econô­mi­ca co­mo um to­do, ela tem que ser dis­cu­ti­da con­jun- ta­men­te. Não po­de­mos fa­tiá­la, dis­cu­tir Im­pos­to de Ren­da, sem dis­cu­tir tu­do is­so de acor­do com uma agen­da. Mas es­sa ques­tão da ta­be­la do IR é uma emer­gên­cia que tem de ser ver­da­dei­ra­men­te re­sol­vi­da ho­je (on­tem)”, res­sal­tou.

Ao anun­ci­ar a no­va fai­xa de cor­re­ção do IR, o pre­si­den­te dis­se que a su­ges­tão ela­bo­ra­da com lí­de­res par­ti­dá­ri­os era pa­ra re­sol­ver “par­te des­ses pro­ble­mas que se ar­ras­tam” e su­pe­ra­va ou­tras du­as pro­pos­tas do go­ver­no que cir­cu­la­vam no Con­gres­so.

Ele acres­cen­tou que a opo­si­ção vai dis­cu­tir a me­di­da ela­bo­ra­da pe­la ba­se ali­a­da. “O PSDB e o DEM vão ava­li­ar nas ban­ca­das, mas, desde já, nós va­mos em no­me das li­de­ran­ças co­lo­car es­sa ter­cei­ra pro­pos­ta co­mo uma cons­tru­ção do Par­la­men­to, uma co­la­bo­ra­ção com uma saí­da pa­ra um pro­ble­ma que se ar­ras­ta no nos­so dia a dia”, afir­mou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.