A vi­o­la não sai de mo­da. Va­leu, Inezita

A MO­DA É VI­O­LA

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Wi­la­me Pra­do wi­la­me@odi­a­rio.com

TV Cul­tu­ra de­ve­rá exi­bi­ri em bre­ve o do­cu­men­tá­rio “A Mo­da É Vi­o­la”, do di­re­tor Rei­nal­do Vol­pa­to Fil­me uti­li­za ma­te­ri­al do “Vi­o­la, Mi­nha Vi­o­la”, pro­gra­ma que Inezita Bar­ro­so eter­ni­zou na TV Cul­tu­ra

“Inezita Bar­ro­so foi a pri­mei­ra, a mais for­te e a mais de­di­ca­da de­fen­so­ra da mú­si­ca de ori­gem ru­ral bra­si­lei­ra, que é a mo­da de vi­o­la,avi­o­la­cai­pi­ra,aca­ti­ra,o ca­te­re­tê. Se­rá eter­na­men­te a nos­sa he­roí­na e nos­sa mu­sa”, co­men­tou o di­re­tor de fic­ção (”Abra­sa­sas”) e do­cu­men­ta­ris­ta Rei­nal­do Vol­pa­to,du­ran­te­o­ve­ló­ri­o­da­que­la que apre­sen­tou por qua­se 35 anos o pro­gra­ma “Vi­o­la, Mi­nha Vi­o­la”, da TV Cul­tu­ra, e que mor­reu no úl­ti­mo do­min­go, aos 90 anos,emSãoPau­lo.

Além de ami­go de Inezita e di­re­tor do pro­gra­ma “Vi­o­la, Mi­nha Vi­o­la” no ano 2000, Vol­pa­to é au­tor do do­cu­men­tá­rio “A Mo­da ÉVi­o­la”(105mi­nu­tos,2013),ba­se­a­do­no­li­vro“AMo­daÉVi­o­la–En­sai­o­doCan­tarCai­pi­ra”,deRo­mil­do Sant’An­na. O fil­me, que es­ta­va pre­vis­to pa­ra ter uma es­treia em re­de na­ci­o­nal pe­la TV Cul­tu­ra ain­da es­te ano, de­ve­rá ago­ra en­trar­mais­ra­pi­da­men­te­na­pro­gra­ma­ção da emis­so­ra co­mo for­ma deho­me­na­ge­maI­ne­zi­ta.

Já dis­po­ní­vel em DVD, “A Mo­daÉVi­o­la”éso­bre­a­mo­da­cai­pi­ra, a ver­da­dei­ra mú­si­ca ser­ta­ne­ja do su­des­te e cen­tro-oes­te do País,so­bre­su­a­es­té­ti­ca­e­o­con­tex­to so­ci­o­cul­tu­ral em que o gê­ne­ro se in­se­re. O do­cu­men­tá­rio ex­plo­ra,co­ma­a­pre­sen­ta­ção­do­pró­prio Romildo Sant´An­na, as ori­gens da mú­si­ca e do ins­tru­men­to, os can­ta­do­res e po­e­tas e prin­ci­pal­men­te a mo­da cai­pi­ra co­mo ma­ni­fes­ta­ção oral-po­pu­lar e sua re­a­li­da­de­en­quan­to­ex­pres­são­et­no­cul­tu­ral. “Amo­da­de­vi­o­la­e­xis­te na me­mó­ria de to­dos os bra­si­lei­ros. Vi­ve­mos num país de tra­di­ção agro­pas­to­ril. Meu li­vro de­mons­tra, se­gun­do o IBGE, que em 1940 éra­mos 68,8% vi­ven­do no am­bi­en­te ru­ral. No ano 2000, 81,2% da po­pu­la­ção vi­ve nas ci­da­des. So­mos uma cul­tu­ra im­preg­na­da do tra­di­ci­o­na­lis­mo cam­po­nês e nem o êxo­do ru­ral con­se­guiu nos de­sen­rai­zar. Fi­cou evi­den­te que a pla­teia do ci­ne­ma e os lei­to­res do meu li­vro li­dam com a tra­di­ção cai­pi­ra e su­as mú­si­cas co­mo um re­li­cá­rio e uma cha­ma que não se apa­gou. Por is­to,se­e­mo­ci­o­na­co­mo­fil­me”,re­la­taSant´An­na.

Vol­pa­to­de­di­cou­o­fil­me­es­pe­ci­al­men­te a Inezita Bar­ro­so e tam­bém ao pro­gra­ma “Vi­o­la, Mi­nha Vi­o­la”. E ex­pli­ca o porquê: “São em­ble­mas des­sa cul­tu­ra ex­po­nen­ci­al. É ine­gá­vel o va­lor da Inezita co­mo agen­te de uma po­lí­ti­ca­cul­tu­ra­lin­de­pen­den­te­e­a­tu­an- Di­re­tor: Rei­nal­do Vol­pa­to Gê­ne­ro: do­cu­men­tá­rio Ano: 2013 Clas­si­fi­ca­ção: livre Du­ra­ção: 105 mi­nu­tos In­for­ma­ções pa­ra ad­qui­rir o DVD, no blog: amo­da­e­vi­o­la.blogs­pot.com.br te. E seu pro­gra­ma é tes­te­mu­nha ocu­lar des­ta his­tó­ria, além de ser cri­a­dor de­la pró­pria. To­do ar­tis­ta do meio ser­ta­ne­jo tem gran­de apre­ço por es­ses dois mo­nu­men­tos vi­vos. E de­di­car o fil­me a eles foium­ges­to­de­a­mo­re­ca­ri­nho,de con­si­de­ra­ção e res­pei­to, de cons­ci­ên­cia e va­lo­ri­za­ção des­se tra­ba- lho sis­temá­tico de va­lo­ri­za­ção da cul­tu­ra­cai­pi­ra.”

Bem ao mo­do de Inezita Bar­ro­so, o do­cu­men­tá­rio é tam­bém uma es­pé­cie de mu­si­cal. Mais do que sín­te­ses in­for­ma­ti­vas, ilus­tra­ções mu­si­cais de pro­e­mi­nen­tes in­tér­pre­tes (re­gis­tra­das em de­sem­pe­nhos es­pe­ci­ais pa­ra o do­cu­men­tá­rio e fon­tes de ar­qui­vos) e ce­nas do co­ti­di­a­no que per­mei­am a exis­tên­cia ru­ral cai­pi­ra e sua pro­je­ção no mundo ur­ba­no, o do­cu­men­tá­rio apre­sen­ta qua­se 100 mo­das de vi­o­la. “Ti­ve­mos aces­so ao acer­vo da TV Cul­tu­ra, co-pro­du­to­ra do fil­me: vá­ri­os­pro­gra­mas,mas­prin­ci­pal­men­te do ‘Vi­o­la, Mi­nha Vi­o­la’, que de­tém um arquivo vi­vo do que se pro­du­ziu nos úl­ti­mos 33 anos.Ou­tra­ou­sa­di­a­cai­pi­ra,ca­pi­ta­ne­a­da­pe­la­gi­gan­te­e­ma­ra­vi­lho­sa Inezita Bar­ro­so. Pen­so que foi uma uti­li­za­ção in­te­res­san­te des­ses ar­qui­vos, por­que pu­de­mos dar um ca­rá­ter nar­ra­ti­vo às can­ções, mais do que des­cri­ti­vo. São apre­sen­ta­das 93 mo­das, a mai­o­ria tre­chos, mas al­gu­mas in­tei­ras co­mo as be­lís­si­mas ‘Ca­bo­cla Te­re­za’e‘Tris­teBer­ran­te’.”

Se­gun­da-fei­ra­tris­te

Se ho­je a vi­o­la cho­ra ain­da mais doí­da na al­ma dos aman­tes da boa e ve­lha mú­si­ca cai­pi­ra de­vi- do à per­da de Inezita, res­tam os dis­cos, o ci­ne­ma, a TV e o You­tu­be­pa­ra­se­a­pren­de­rum­pou­co­do que é o fol­clo­re brasileiro gra­ças ao le­ga­do gran­de da­ma da mú­si­ca­de­raiz.“Mui­tos­can­to­res,mui­tas du­plas e mui­tos com­po­si­to­res pu­de­ram es­pe­lhar na Ine­zi- ta a for­ça, o po­der e a be­le­za in­trín­se­ca da pro­du­ção da mo­da de vi­o­la e da mú­si­ca de ori­gem ru­ral ”, dis­se Vol­pa­to, du­ran­te o ve­ló­rio de Inezita, en­ter­ra­da no ce­mi­té­rio Gethsêmani, na zo­na sul de São Pau­lo, no fim da tar­de deu­ma­se­gun­da-fei­ra­tris­te.

—FO­TO: JO­SE PA­TRI­CIO/AE

DE­DI­CA­TÓ­RIA. Inezita Bar­ro­so: do­cu­men­tá­rio de Rei­nal­do Vol­pa­to é de­di­ca­do à da­ma da mú­si­ca cai­pi­ra e ao pro­gra­ma “Vi­o­la, Mi­nha Vi­o­la”.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

FI­LHOS DA VI­O­LA. Rei­nal­do Vol­pa­to e Romildo Sant´An­na: ci­ne­ma e li­te­ra­tu­ra em prol da mú­si­ca cai­pi­ra bra­si­lei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.