‘Ali­ce’ é pa­ra ja­mais es­que­cer Ju­li­a­ne Mo­o­re

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Wi­la­me Pra­do wi­la­me@odi­a­rio.com

Per­so­na­gen­sa­co­me­ti­dos­por­do­en­ças dão tra­ba­lho em do­bro pa­ra os ato­res. Mas, quan­do bem com­pos­tos,ge­ral­men­te­são­re­co­nhe­ci­do­se­re­com­pen­sa­dos.

Além de Ed­die Redmayne – pre­mi­a­do ao fa­zer o ci­en­tis­ta Stephen Hawking em “A Te­o­ria de Tu­do” – a be­la Ju­li­a­ne Mo­o­re ga­nhou, pe­la pri­mei­ra vez, o Os­car de Me­lhor Atriz pe­lo pa­pel da lin­guis­ta Ali­ce Ho­wland, no fil­me “Pa­ra Sem­pre Ali­ce” (Ri­chard Glat­zer e Wash West­mo­re­land, 1h39­min.), em car­taz a par­tir de ho­je em Ma­rin­gá. O de­sa­fio foi in­ter­pre­tar uma mu­lher que pas­sa a so­frer do Mal de Alzhei­mer pre­co­ce­men­te, já aos 50 anos de ida­de. Pe­lo fei­to, foi re­co­nhe­ci­da tam­bém no Glo­bo de Ou­ro­e­naBaf­ta.

O pe­so da con­tra­di­ção é um dos pon­tos al­tos do fil­me. Lo­go a Dra. Ho­wland, co­nhe­ci­da pe­la in­te­li­gên­cia e pers­pi­cá­cia na pes­qui­sa na área da lin­guís­ti­ca, vê­se sur­pre­en­di­da por re­pen­ti­nos gol­pes de es­que­ci­men­tos, a co­me­çar de ma­nei­ra mais cor­ri­quei­ra, em meio a uma pa­les­tra ou se per­den­do pe­las ru­as de Ma­nhat­tan, e se agra­van­do quan­do es­que­ce atos co­ti­di­a­nos que aca­bam de acon­te­cer, co­mo quan­do é apre­sen­ta­da à sua mais no­va no­ra na co­zi­nha e, já na me­sa do jan­tar, de­mons­tra nun­ca ter vis­to a mo­ça. Até mes­mo aque­la re­cei­ta pre­di­le­ta, até en­tão mui­to bem guar­da­da na me­mó­ria da pro­ta­go­nis­ta, de­ve ser re­vis­ta na in­ter­net pa­ra, as­sim, evi­tar cons­tran­gi­men­tos cu­li­ná­ri­os.

Os con­fli­tos fa­mi­li­a­res são fa­tal­men­te jo­ga­dos em pri­mei­ro pla­no em “Pa­ra Sem­pre Ali­ce”. Mãe de três fi­lhos adul­tos e com um ca­sa­men­to apa­ren­te­men­te em or­dem, Ali­ce vi­ra pivô de re­la­ções ex­tre­ma­men­te em­ba­ra­ço­sas. No elen­co, des­ta­que tam­bém pa­ra o tra­ba­lho de Alec Baldwin co­mo o Dr. John Ho­wland, o ma­ri­do de Ali­ce; e tam­bém pa­ra a jovem Kris­ten Stewart, que vi­ve Ly­dia Ho­wland, fi­lha ca­çu­la do ca­sal e pe­ça cha­ve do lon­ga-me­tra­gem já que re­pre­sen­ta a fi­gu­ra re­bel­de que aca­ba ce­den­do aos ca­pri­chos e de­se­jos por con­ta de di­le­mas fa­mi­li­a­res.

No­dra­ma,aro­ti­na­fa­mi­li­ar­pre­ci­sa ser re­vis­ta. E no pla­no pro­fis­si­o­nal, o que res­ta pa­ra a dou­to­ra é a apo­sen­ta­do­ria pre­co­ce. As pes­so­as ao re­dor vi­vem si­tu­a­ções de­li­mi­tan­tes en­tre a von­ta­de de aju­dar,ode­ses­pe­ro­a­o­ve­ros­rom­pan­tes de uma am­né­sia in­gra­ta e gra­du­al­men­te au­men­ta­da e a con­se­quen­te lás­ti­ma por ver um ser adul­to bri­lhan­te e exem­plar se tor­nar, aos pou­cos, uma sim­ples­cri­an­ça­de­pen­den­te,es­que­ci­da, mui­tas ve­zes, até mes­mo de que de­ve se lem­brar de se­gu­rar a von­ta­de­deu­ri­nar.

Ju­li­a­ne Mo­o­re es­pe­rou tan­to pe­la es­ta­tu­e­ta dou­ra­da – che­gou per­to em “Bo­o­gie Nights – Pra­zer sem Li­mi­tes” (1998) e em “Fim de Ca­so” (2000) – mas fez va­ler a pe­na ao dar vi­da a um fil­me du­ro, ten­so e que, co­mo pou­cos, re­tra­ta a for­ça que as pes­so­as aca­bam por en­con­trar so­men­te na fa­mí­lia. Ao ven­cer o Os­car, a atriz de­di­cou a es­ta­tu­e­ta aos por­ta­do­res da do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va. Na­da­mai­sa­pro­pri­a­do.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

VA­LEU. Ju­li­a­ne Mo­o­re, em “Pa­ra Sem­pre Ali­ce”: Os­car de­mo­rou mas che­gou pa­ra co­ro­ar gran­de atu­a­ção da car­rei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.