9 mil trai­ções e co­ça­das

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Wi­la­me Pra­do wi­la­me@odi­a­rio.com

Com 9 mil apre­sen­ta­ções em 29 anos, “Trair E Co­çar É Só Co­me­çar” vol­ta à ci­da­de pe­la quar­ta vez Co­mé­dia de Mar­cos Ca­ru­so, já vis­ta por pú­bli­co de 6 mi­lhões, é atra­ção no Calil Had­dad ho­je e sá­ba­do

A co­mé­dia te­a­tral “Trair E Co­çar ÉSóCo­me­çar”, de Mar­cos Ca­ru­so, deu tão cer­to que es­tá em car­taz há 29 anos (ba­ten­do re­cor­des re­co­nhe­ci­dos pe­lo Guin­ness Bo­ok) e ex­tra­po­lou os pal­cos de te­a­tro, in­do pa­rar tam­bém no ci­ne­ma, na te­le­vi­são e na li­te­ra­tu­ra.

“Trair e Co­çar” deu tão cer­to que en­tra em car­taz pe­la quar­ta ve­zemMa­rin­gáa­par­tir­deho­je.

Com a atriz Anas­tá­cia Custódio pro­ta­go­ni­zan­do o es­pe­tá­cu­lo e dan­do vi­da à em­pre­ga­da Olím­pia, a mon­ta­gem fi­ca em car­taz nes­ta sex­ta-fei­ra e no sá­ba­do, às 21 ho­ras, no Te­a­tro Calil Had­dad. A di­re­ção é de Jo­sé Sca­va­zi­ni e com­põem o elen­co, além de Anas­tá­cia, os ato­res Car­los Ma­ri­a­no, Ma­rio Pre­ti­ni, Tâ­nia Cas­tel­lo, Car­la Pa­ga­ni, Mi­guel Bre­tas, Ri­car­do Ci­ci­li­a­no, Si­o­ma­ra Schrö­de­reI­van­deAl­mei­da.

Fi­gu­ra im­por­tan­te da te­le­vi­são bra­si­lei­ra, Mar­cos Ca­ru­so é mais co­nhe­ci­do pe­lo seu tra­ba­lho co­mo ator, em in­ter­mi­ten­tes no­ve­las glo­bais. Mes­mo as­sim, o pau­lis­ta de 63 anos co­le­ci­o­na vá­ri­os tí­tu­los no te­a­tro, no ci­ne­ma e na­te­le­vi­são­tam­bém­co­mo­au­tor. Seu “ca­se de su­ces­so” é mes­mo “Trair e Co­çar”, hu­mo­rís­ti­co que já­te­vein­crí­veis­no­ve­mi­la­pre­sen­ta­ções, mais de seis mi­lhões de es­pec­ta­do­res e a par­ti­ci­pa­ção de mais­de100a­to­res.

Faz 36 anos que Ca­ru­so es­cre­veu a pe­ça, mas amar­gou um bom pe­río­do de re­jei­ção até fi­nal­men­te ver o seu tex­to mon­ta­do pe­la pri­mei­ra vez em agos­to de 1989,emSãoPau­lo.Ele­ti­nha­a­pe­nas 27 anos quan­do ima­gi­nou e co­lo­cou no pa­pel uma his­tó­ria ins­pi­ra­da no cha­ma­do vau­de­vil­le – co­mé­dia li­gei­ra com mui­ta de in­tri­ga, sur­pre­sas e cor­re­ri­as –, co­man­da­da­po­ru­ma­em­pre­ga­da cheia de es­pe­cu­la­ções acer­ca de su­pos­tos ca­sos amo­ro­sos do pa­trão­e­da­pa­troa.

Éu­ma­sequên­ci­a­de­mal-en­ten­di­dos(co­mé­di­a­de­er­ros)que­pro­duz gar­ga­lha­das, ten­do co­mo pre­mis­sa o ve­lho co­ti­di­a­no da clas­se mé­dia de um ca­sal que es­tá pres­tes a com­ple­tar 16 anos de ca­sa­men­to.

Mas, afi­nal, por que deu tão cer­to “Trair e Co­çar”? Na opi­nião da atriz Anas­tá­cia Custódio, por uma sé­rie de fa­to­res, mas prin­ci- pal­men­te­pe­laha­bi­li­da­de­queCa­ru­so te­ve ao cri­ar um tex­to atem­po­ra­le­di­ver­ti­do. “Fo­ra­o­bri­lhan­tis­mo dra­ma­túr­gi­co, a de­di­ca­ção de­le­na­mon­ta­gem­tam­bém­com­pro­va que é pre­ci­so não ape­nas in­te­li­gên­cia, mas tam­bém mui­to tra­ba­lho pa­ra se ob­ter su­ces­so no te­a­tro. Ca­ru­so, sem­pre que po­de, faz ques­tão de ver o es­pe­tá­cu­lo e, ao fi­nal, é de pra­xe su­as con­si­de­ra­ções e crí­ti­cas, que são sem dú­vi­da mui­to re­le­van­tes”, diz Anas­tá­cia.

Pa­ra a atriz, o fa­to de ho­je “Trair e Co­çar” con­tar com um pú­bli­co fi­el é fru­to de um hu­mor fei­to com res­pei­to aci­ma de tu­do. “Acho que as pes­so­as se iden­ti­fi­cam com a his­tó­ria. É uma co­mé­dia in­gê­nua, no me­lhor dos sen­ti- dos, sem pa­la­vrões ou ce­nas ape­la­ti­vas.Eháu­ma­tra­di­çãoin­te­res­san­te no ‘Trair e Co­çar’: as pes­so­as que as­sis­tem que­rem apre­sen­tar o es­pe­tá­cu­lo pa­ra os ami­gos,en­tão,aca­bam­vol­tan­do­vá­ri­as­ve­zes.”

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

GRA­ÇA. Ce­na de “Trair e Co­çar” com qua­se to­do o elen­co; atriz Anas­tá­cia Custódio é a fa­mo­sa em­pre­ga­da Olím­pia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.