Li­ber­da­de

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Não sei di­zer exa­ta­men­te qual a ex­ten­são da nos­sa li­ber­da­de. Em úl­ti­ma ins­tân­cia me pa­re­ce que so­mos obri­ga­dos a vi­ver, for­ça­dos a amar e fa­ze­mos tu­do is­so an­co­ra­dos no sub­ter­fú­gio da fe­li­ci­da­de. Sim, até mes­mo amar é uma obri­ga­ção pa­ra nós. Uma vez que nas­ce­mos, não nos res­ta op­ção: há que amar e ser fe­liz. Mas, se to­das as coi­sas são as­sim, até que pon­to so­mos li­vres? Gos­ta­mos de as­sis­tir fil­mes que fa­lam so­bre a li­ber­da­de, que mos­tram lin­das pai­sa­gens on­de se po­de ad­mi­rar o ho­ri­zon­te mais dis­tan­te, co­mo me­tá­fo­ra má­gi­ca das coi­sas que po­de­mos vi­ver. Exis­tem pin­tu­ras de ca­va­los tro­tan­do em ver­des pla­ní­ci­es, lan­çan­do seus olha­res in­ten­sos pa­ra um lo­cal qual­quer no além, pro­van­do-nos que seus for­tes cor­pos po­dem sus­ten­tar as mais am­plas jor­na­das. Acre­di­ta­mos na ideia de li­ber­da­de, e mes­mo as­sim vi­ve­mos vi­das re­pe­ti­ti­vas, ali­nha­das com aqui­lo que há de mais opor­tu­no. De to­dos os se­res que exis­tem so­bre o mundo, nós so­mos aque­les que mais pen­sa­mos e mais de­se­ja­mos a li­ber­da­de. Con­tu­do, vi­ve­mos uma ro­ti­na de or­dem, se­pa­ra­mos os ta­lhe­res na ga­ve­ta e os or­de­na­mos, co­mo que na in­ten­ção de tê-los ao al­can­ce em ca­so de vi­da ou mor­te. Um pen­sa­dor cer­ta vez es­cre­veu que quem ama a li­ber­da­de de­ve tam­bém amar a so­li­dão. Sem­pre que cri­a­mos la­ços, que es­ta­be­le­ce­mos con­ta­to com al­guém, nos mul­ti­pli­ca­mos e tam­bém nos di­vi­di­mos. Nos di­vi­di­mos mui­to mais do que nos mul­ti­pli­ca­mos. Amar é acei­tar ser livre em con­jun­to, é abrir mão do ser livre por con­ta pró­pria e per­mi­tir que o que­rer do ou­tro se­ja tam­bém o seu que­rer. Eu pen­so que a pes­soa mais livre que exis­te é aque­la que de­ci­de ti­rar sua pró­pria vi­da e não en­con­tra nin­guém que pos­sa lhe im­pe­dir. Mas me pa­re­ce que não é es­ta li­ber­da­de que qu­e­re­mos. Qu­e­re­mos li­ber­da­de pa­ra amar, vi­a­jar, jo­gar, cor­rer, dor­mir, co­mer, tran­sar e vol­tar a dor­mir. No fun­do, qu­e­re­mos ape­nas a sen­sa­ção de li­ber­da­de. So­mos ido­sos que sentem sau­da­de da co­mi­da de quan­do eram cri­an­ça, mas sem nem mes­mo se lem­brar o quan­to aque­la co­mi­da era de­sa­gra­dá­vel nos tem­pos idos. Qu­e­re­mos blu­sa em tem­po de frio só pa­ra po­der­mos sair ao ven­to e sen­tir o to­que abra­san­te da po­tên­cia da vi­da. Qu­e­re­mos cho­co­la­te quen­te pa­ra aque­cer o in­te­ri­or, mes­mo sem per­ce­ber que lá den­tro es­tá tu­do va­zio, e os bo­los de fe­no ro­lam co­mo ce­ná­rio de fa­ro­es­te. Olhar pa­ra den­tro de si é o exer­cí­cio de ou­vir a al­tu­ra do eco que se faz no si­lên­cio do va­zio de nos­sas vi­das. Não exis­te uma coi­sa se­quer nes­se mundo que não se­ja po­ten­ci­al­men­te boa e má ao mes­mís­si­mo tem­po. Por­tan­to, não se as­sus­te ao per­ce­ber que a con­sequên­cia da li­ber­da­de é a so­li­dão, que for­ja­mos um jei­to de vi­ver em que cons­truí­mos ni­nhos, em que jo­ga­mos ân­co­ras por on­de quer que pas­sa­mos. Por mais li­vres que quei­ra­mos ser, no fun­do qu­e­re­mos mes­mo o con­for­to ao vi­ver, um con­for­to tão in­ten­so que a pró­pria vi­da não nos dá. Quem quer ser livre pa­ra amar de­ve as­su­mir a in­ten­sa pos­si­bi­li­da­de de tam­bém ser livre pa­ra so­frer. As­sim se dá a li­ber­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.