Be­bê quei­ma­do por su­pos­to pai dei­xa o hos­pi­tal em Lon­dri­na

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Ca­sal, com um fi­lho de 2 anos, es­tá com a guar­da pro­vi­só­ria do ga­ro­to que fi­cou 69 di­as in­ter­na­do Me­ni­no de 10 me­ses pas­sou por qua­tro ci­rur­gi­as no HU e te­ve os de­dos de um pé am­pu­ta­dos

Vo­zes en­tre­cor­ta­das e lá­gri­mas mar­ca­ra­mo­mo­men­to­da­che­ga­da,aoCon­se­lhoTu­te­lar­deSa­ran­di, do be­bê que, no iní­cio de ja­nei­ro des­te ano, foi quei­ma­do pe­lo su­pos­to pai. Com quei­ma­du­ras de ter­cei­ro grau – o mais gra­ve – em 40% do cor­po, ele pas­sou por qua­tro ci­rur­gi­as pa­ra en­xer­to de pe­le e uma pa­ra am­pu­ta­ção de de­dos do pé, mas sur­pre­en­deu os mé­di­cos ao dei­xar o hos­pi­tal após 69 di­as. A pre­vi­são dos mé­di­cos era de que ele pas­sa­ria 6 me­se­sin­ter­na­do.

Além dos con­se­lhei­ros e as­sis­ten­tes so­ci­ais da pre­fei­tu­ra, o ga­ro­ti­nho foi re­ce­bi­do pe­lo ca­sal que con­se­guiu o di­rei­to à guar­da pro­vi­só­ria e lu­ta pa­ra con­cre­ti­zar a ado­ção. O fi­lho do ca­sal, de 2 anos, fez fes­ta ao co­nhe­cer o me­ni­no que ele cha­mou de ir­mão­zi­nho. “Co­mo con­se­lhei­ros tu­te­la­res, tra­ba­lhos com si­tu­a­ções de so­fri­men­to to­dos os di­as, mas es­te foi um ca­so que sen­si­bi­li­zou to­dos nós. So­fre­mos com ele e ago­ra fi­ca­mos fe­li­zes com o des­fe­cho”, dis­se a con­se­lhei­ra Il­da Bernardino,que­a­ten­deu­o­ca­so.

O be­bê ti­nha 7 me­ses quan- do­foi­quei­ma­do­pro­po­si­tal­men­te por seu su­pos­to pai, na noi­te do dia 3 de ja­nei­ro, no Jar­dim In­de­pen­dên­cia, em Sa­ran­di. O pai e a mãe bri­ga­vam, quan­do o ho­mem es­pa­lhou tíner no col­chão em que a cri­an­ça dor­mia e ateou fo­go. O ca­sal con­ti­nu­ou bri­gan­do e a cri­an­ça aca­bou sen­do sal­va por um vi­zi­nho que “in­va­diu” a ca­sa, ti­rou-a do fo­go e ale­vou­pa­raumhos­pi­tal.

De­pois do pri­mei­ro aten­di­men­to no Hos­pi­tal Me­tro­po­li­ta­no, o be­bê foi en­ca­mi­nha­do pa­ra o Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio e no dia se­guin­te foi le­va­do pa­ra o Cen­tro de Tra­ta­men­to de Qu­ei­ma­dos doHos­pi­talU­ni­ver­si­tá­ri­o­deLon­dri­na. Os pró­pri­os mé­di­cos acre­di­ta­vam que eram pe­que­nas as pos­si­bi­li­da­des­de­so­bre­vi­vên­cia.

No­va­fa­mí­lia

O ga­ro­ti­nho pas­sou por qua­tro ci­rur­gi­as pa­ra en­xer­to de pe­le nas per­nas, bra­ços e ros­to. Por úl­ti­mo, te­ve de­dos do pé am­pu­ta­dos. Por de­ter­mi­na­ção do juiz da Va­ra da In­fân­cia, to­dos os di­as o se­tor de Pro­te­ção Es­pe­ci­al da Se­cre­ta­ria de As­sis­tên­cia Social de Sa­ran­di en­vi­a­va uma fun­ci­o­ná­ria pa­ra fi­car ao la­do do pa­ci­en­te, no hos­pi­tal em Lon­dri­na, mas nas úl­ti­mas du­as se­ma­nas ele foi cui­da­do por uma mu­lher que en­trou na Jus­ti­ça com o pe­di­do de guar­da pro­vi­só­ria. Após con­se­gui­ra­guar­da,amu­lher­dei­xou o em­pre­go pa­ra po­der cui­dar da cri­an­ça. E já es­tá em aná­li­se­naJus­ti­ça­o­pe­di­do­de­a­do­ção.

A mãe bi­o­ló­gi­ca, uma mu­lher com pro­ble­ma com as dro­gas, tem se­te fi­lhos e já ti­nha per­di­do a guar­da dos seis pri­mei­ros, que vi­vem em um abri­go pa­ra cri­an­ças em si­tu­a­ção de ris­co. O su­pos­to pai – ele afir­ma não ter cer­te­za da pa­ter­ni­da­de – es­tá pre­so desde o dia em que in­cen­di­ou o quar­to en­quan­to a cri­an­ça dor­mia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.