Atos por de­mo­cra­cia e di­rei­tos tra­ba­lhis­tas ocor­rem em 22 Es­ta­dos

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Es­ta­do re­da­cao@odi­a­rio.com

Ape­sar de co­bran­ças ao go­ver­no e de­fe­sa da Petrobras, gru­po con­de­na pe­di­do de im­pe­a­ch­ment Or­ga­ni­za­do­res di­zem que ma­ni­fes­ta­ções reu­ni­ram 148 mil pes­so­as; au­to­ri­da­des fa­lam em 32 mil

Ma­ni­fes­tan­tes li­ga­dos a cen­trais sin­di­cais e mo­vi­men­tos po­pu­la­res pro­mo­ve­ram atos nas ru­as de 22 Es­ta­dos e o Dis­tri­to Fe­de­ral, on­tem. Os gru­pos fi­ze­ram co­bran­ças ao go­ver­no fe­de­ral por ga­ran­ti­as de di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, mas con­de­na­ram pe­di­dos de im­pe­a­ch­ment. Até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção, os atos eram pa­cí­fi­cos e não hou­ve re­gis­tros de con­fu­são. Em São Pau­lo, a Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT), con­cen­trou­se na Ave­ni­da Pau­lis­ta, mes­ma re­gião on­de um gru­po de­fen­sor do afastamento da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff reu­niu se­ten­ta­ma­ni­fes­tan­tes­no­fim­do­dia.

Os atos fo­ram or­ga­ni­za­dos pe­la CUT, que re­fu­ta a ideia de que os pro­tes­tos se­jam em de­fe­sa do go­ver­no, em­bo­ra se de­cla­rem cla­ra­men­te con­trá­ri­os ao im­pe­a­ch­ment. Em al­gu­mas ca­pi­tais, as ma­ni­fes­ta­ções con­tam com o apoio de par­ti­dos co­mo dos Tra­ba­lha­do­res (PT), Co­mu­nis­ta do Bra­sil (PC do B) e So­ci­a­lis­mo e Li­ber­da­de (PSOL), além de in­te­gran­tes do Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Ru­rais Sem Ter­ra (MST) e de ou­tros sin­di­ca­to­se­mo­vi­men­tos­so­ci­ais.

Na ca­pi­tal pau­lis­ta, ape­sar de a li­de­ran­ça do pro­tes­to di­zer que a ma­ni­fes­ta­ção não é a fa­vor do go­ver­no e da pre­si­den­te, ha­via en­tre os ma­ni­fes­tan­tes mui­tos com ca­mi­se­tas do PT, broches e ade­si­vos da cam­pa­nha de Dil­ma. No mo­vi­men­to, tam­bém ha­via pes­so­as com pla­cas con­tra o Par­ti­do da Social De­mo­cra­cia Bra­si­lei­ra (PSDB), o pre­si­den­te na­ci­o­nal do par­ti­do, se­na­dor Aé­cio Neves (MG), e o go­ver­na­dor de São Pau­lo, Ge­ral­doAlck­min(PSDB).

Se­gun­do um in­te­gran­te que não quis se iden­ti­fi­car, o PT con­vo­cou a mi­li­tân­cia pa­ra par­ti­ci­par do pro­tes­to e apoi­ar a CUT nas cau­sas em de­fe­sa da Pe­tro­bra­se­do­go­ver­no.

No Rio de Ja­nei­ro, Sal­va­dor, Mi­nas Ge­rais e no Pa­ra­ná, en­tre ou­tros Es­ta­dos, pe­tro­lei­ros e mi­li­tan­tes pro­mo­ve­ram atos em “de­fe­sa da Petrobras”, es­ta­tal atin­gi­da pe­las in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to. No Rio, cer­ca de 1,5 mil pes­so­as, se­gun­do a Po­lí­cia Mi­li­tar, par­ti­ci­pa­ram do ato que saiu em pas­se­a­ta até a se­de da es­ta­tal e vol­tou à Ci­ne­lân­dia. Um dos po­lí­ti­cos pre­sen­tes foi o ex-pre­si­den­te do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Brasileiro (PSB), Roberto Amaral, que de­fen­deu o go­ver­no. “Não ha­ve­rá um no­vo 64, por­que es­ta­mos nas ru­as. A Petrobras não per­ten­ce ao go­ver­no, per­ten­ce ao po­vo. Nin­guém vai ti­rar um dia do man­da­to da pre­si­den­te Dil­ma”, dis­se, de ci­ma do car­ro de som, re­fe­rin­do­se ao gol­pe mi­li­tar de 1964.

Em Sal­va­dor, o ex-pre­si­den­te da es­ta­tal, Jo­sé Sér­gio Ga­bri­el­li, par­ti­ci­pou­da­ma­ni­fes­ta­ção.

Pla­nal­to

O Pa­lá­cio do Pla­nal­to co­me­mo­rou, on­tem à noi­te, o tom pa­cí­fi­co das ma­ni­fes­ta­ções pro­mo­vi­das pe­la CUT no País. O go­ver­no con­si­de­rou a jor­na­da “na mais per­fei­ta tran­qui­li­da­de, sem qual­quer ti­po de con­fron­to”. A pre­si­den­te foi in­for­ma­da so­bre o de­sen­ro­lar das ma­ni­fes­ta­ções du­ran­te to­do o dia, no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da. Se­gun­do au­xi­li­a­res, es­ta­va “sa­tis­fei­ta” e “ali­vi­a­da”com o re­sul­ta­do. Ao mes­mo tem­po em que acom­pa­nha­va os acon­te­ci­men­tos, na ex­pec­ta­ti­va de que tu­do per­ma­ne­ces­se cal­mo, Dil­ma se reu­niu com vá­ri­os mi­nis­tros pa­ra ten­tar fi­na­li­za­ro­pa­co­te­an­ti­cor­rup­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.