Mos­tra evi­den­cia Le­mins­ki múl­ti­plo

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Gui­lher­me So­bo­ta Agên­cia Es­ta­do

Po­e­ta cu­ri­ti­ba­no mor­to em 89 aos 44 tem ex­po­si­ção em Sam­pa

Ob­je­tos pes­so­ais, ca­der­nos, e iné­di­tos fa­zem par­te da mos­tra

Em­bo­ra a li­ga­ção ur­ba­na mais cla­ra­dePau­lo Le­mins­ki se­ja, ob­vi­a­men­te, Curitiba – bas­ta ou­vir uma gra­va­ção com a voz do Po­la­co pa­ra per­ce­ber que ele não po­de ser de ou­tro lu­gar – o po­e­ta múl­ti­plo tam­bém dei­xou su­as pegadas pe­la me­tró­po­le pau­lis­ta: es­sa é ape­nas uma das fa­ce­tas que pre­ten­de ex­plo­rar a mon­ta­gem da ex­po­si­ção “Múl­ti­plo Le­mins­ki” aber­ta na Cai­xa Cul­tu­ral, na Pra­ça da Sé, até o dia 3 de maio.

De­pois de ar­re­ba­nhar 330 mil pes­so­as em cin­co ci­da­des – a mos­tra co­me­çou em Curitiba em 2012 – e acom­pa­nhar a con­ta­mi­na­ção da lis­ta de best-sel­lers por po­e­sia (as no­vas edi­ções da Com­pa­nhia das Le­tras já ven­de­ram 150 mil exem­pla­res), a ex­po­si­ção,que­reú­ne­ob­je­tos­pes­so­ais, ca­der­nos, po­e­mas iné­di­tos, edi­ções ori­gi­nais e uma ce­no­gra­fia as­si­na­da por Mi­guel Pa­la­di­no che­ga a São Pau­lo com a mis­são de jo­gar luz so­bre a re­la­ção de Le­mins­ki­co­ma­ci­da­de.

“Múl­ti­plo Le­mins­ki” ocu­pa uma ga­le­ria e uma sa­la da Cai­xa Cul­tu­ral em SP – um es­pa­ço mui­to me­nor do que o ‘olho’ do Mu­seuOs­carNi­e­meyer­deCu­ri­ti­ba, lo­cal ori­gi­nal da ex­po­si­ção, o pró­prio es­pa­ço uma obra de ar­te. Po­ra­qui,po­rém,al­gu­mas­no­vi­da­des fa­zem a vi­si­ta va­ler mes­mo pa­ra quem já viu a mos­tra: uma es­cri­va­ni­nha de tra­ba­lho ori­gi­nal, com mui­tos de seus li­vros em vá­ri­as lín­guas, e al­guns po­e­mas iné­di­tos – ano­ta­dos em ca­der­nos ou pe­da­ços de pa­pel – dão con­ta de fa­zer da ex­po­si­ção uma bo­ni­ta ho­me­na­ge­ma­o­po­e­ta,mor­to­pre­co­ce­men­te­em1989a­os44a­nos.

A ideia de co­lo­car po­e­mas iné­di­tos até ho­je, ex­pli­ca Au­rea Le­mins­ki – fi­lha do po­e­ta e uma das cu­ra­do­ras da mos­tra, ao la­do da ir­mã Es­tre­la Le­mins­ki e de Ali­ce Ruiz, ex-mu­lher do po­e­ta –, é dar um­jei­to­de­mos­tra­ro­pro­ces­so­de com­po­si­ção do au­tor. “Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas da obra de­le é a sen­sa­ção de ser al­go es­pon­tâ­neo, co­mo se a ideia sur­gis­se pron­ta”, co­men­ta Au­rea – o fa­to é que não é bem as­sim. “Na­da do que ele fez foi num rom­pan­te, to­do o tra­ba­lho é uma ár­dua cons­tru­ção”, ex­pli­ca a fi­lha – fa­tor que fi­ca ain­da mais cla­ro quan­do se ana­li­sa de per­to a par­te da bi­bli­o­te­ca de Le­mins­ki que es­tá ex­pos­ta: li­vros de his­tó­ria gre­co-ro­ma­na di­vi­dem as­pra­te­lei­ras­com­li­te­ra­tu­ra­clás- si­ca e mo­der­na e com vo­lu­mes so­breBobDy­lan.

Foi a bus­ca por es­sa eru­di­ção que trou­xe Le­mins­ki a São Pau­lo: as re­fe­rên­ci­as e a bi­bli­o­te­ca do Mos­tei­roSãoBen­toins­pi­ra­ra­mo cu­ri­ti­ba­no de 13 anos a se ins­cre­ver por con­ta pró­pria no tra­di­ci­o­nal in­ter­na­to. Se­gun­do Au­rea, o as­pec­to eru­di­to era mais im­por­tan­te do que o re­li­gi­o­so (que ele res­pei­ta­va, cla­ro” – um ano e meio de­pois, foi acon­se­lha­do a dei­xar a ins­ti­tui­ção quan­do os mon­ges en­con­tra­ram um exem­plar­deu­ma­re­vis­ta­com­fo­tos­sen­su­ais­deB­ri­git­teBar­dot.

O con­ta­to se­guin­te com a ci­da­de co­me­çou, na ver­da­de, no Pri­mei­ro En­con­tro da Po­e­sia de Van­guar­da, em Be­lo Ho­ri­zon­te, em 1963. Lá, co­nhe­ceu os ir­mãos Cam­pos e Décio Pig­na­ta­ri, o iní­cio de uma ami­za­de e de uma tro­cain­te­lec­tu­al,quein­cluíam­vi­si­tas cons­tan­tes a SP e que du­rou atéa­mor­te­do­po­e­ta.

Tal o tí­tu­lo da ex­po­si­ção – “Múl­ti­plo” – ou­tra re­la­ção que Le­mins­ki de­sen­vol­veu com São Pau­lo foi por meio da mú­si­ca. Com­po­si­tor agu­do e vi­o­lei­ro des­trei­na­do, foi na Pau­li­ceia que ele es­trei­tou re­la­ções com os lon­dri­nen­ses Ar­ri­goBar­na­béeI­ta­marAs­sump­çãoe tam­bém­comJo­séMi­guelWis­nik.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.