Adeus, mundo cru­el

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

A mor­te é um as­sun­to incô­mo­do. Sem­pre que pos­sí­vel, evi­ta­mos pen­sar ne­la. Evi­ta­mos fa­lar ou es­cre­ver so­bre ela. In­ge­nu­a­men­te, te­mos a im­pres­são de que, ao man­tê-la afas­ta­da da nos­sa re­a­li­da­de, con­se­gui­re­mos fu­gir das su­as gar­ras. E is­so, é cla­ro, é pu­ra ilu­são. Fa­zen­do as con­tas, um dia a mais é um dia me­nos. To­da­via, por mais que o fim da nos­sa his­tó­ria se­ja a úni­ca cer­te­za que te­mos, é bem me­lhor pen­sar na vi­da. É me­lhor fa­lar ou es­cre­ver so­bre a vi­da. Mas, se a vi­da é tão boa, se a mor­te nos as­sus­ta, por que tan­tos ain­da ve­em no sui­cí­dio a so­lu­ção pa­ra seus pro­ble­mas? Pen­sei so­bre es­se te­ma ao to­mar co­nhe­ci­men­to de dois ca­sos re­cen­tes aqui em Ma­rin­gá. As ví­ti­mas eram jo­vens e pas­sa­vam por cri­ses de de­pres­são. Uma mo­ça e um ra­paz com seus vin­te e pou­cos anos. Bo­ni­tos, ini­ci­an­do uma car­rei­ra, com saú­de e ami­gos. Aliás, cer­ta­men­te hou­ve mais de dois ca­sos nos úl­ti­mos me­ses, mas nem sem­pre fi­ca­mos sa­ben­do, a não ser que al­guém re­sol­va pu­lar de um pré­dio. É que mui­tas his­tó­ri­as en­vol­ven­do ar­mas, re­mé­di­os e cor­das, mais co­muns do que se ima­gi­na, não vi­ram no­tí­cia. Por is­so acre­di­to ser im­por­tan­te dis­cu­tir com cri­an­ças e ado­les­cen­tes ques­tões li­ga­das às do­res da al­ma. A pre­o­cu­pa­ção com as do­res fí­si­cas pro­ce­de, mas aqui­lo que os olhos não ve­em o co­ra­ção sen­te sim. Qu­an­tas ve­zes, por não en­xer­gar no ou­tro si­nais fí­si­cos do seu so­fri­men­to, ig­no­ra­mos a sua dor. Pa­re­ce que, se não hou­ver san­gue, fe­ri­das ou man­chas pe­lo cor­po, não há com que se pre­o­cu­par. Mas há quem vi­va ca­la­do o seu cal­vá­rio. Quem sa­be com um sor­ri­so, pa­ra dis­far­çar. E aí, se não há por per­to al­guém com sen­si­bi­li­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra per­ce­ber es­sa tris­te­za, es­sa pes­soa mer­gu­lha­rá ca­da vez mais fun­do no universo da de­pres­são. Quem já pas­sou por uma cri­se ner­vo­sa e pre­ci­sou de aten­di­men­to hos­pi­ta­lar sa­be bem o que é is­so. Aos olhos e ou­vi­dos de mui­tos, in­clu­si­ve de pro­fis­si­o­nais da saú­de, as do­res emo­ci­o­nais não pas­sam de fres­cu­ra. Pa­re­ce que só as fe­ri­das do cor­po são tra­ta­das com aten­ção. As da al­ma são ne­gli­gen­ci­a­das. É tris­te sa­ber que is­so ain­da acon­te­ce, ape­sar de to­da a in­for­ma­ção que se tem so­bre a de­pres­são e a sín­dro­me do pâ­ni­co, por exem­plo. Quan­do o des­ca­so vem de al­guém que es­tu­dou pa­ra cui­dar da saú­de das pes­so­as, a ques­tão tor­na­se mais gra­ve. No pas­sa­do, mui­tos pa­de­ce­ram des­sas do­en­ças e cer­ta­men­te não ti­ve­ram, nem da fa­mí­lia nem dos mé­di­cos, o res­pei­to ne­ces­sá­rio ao seu dra­ma. Ho­je a si­tu­a­ção é di­fe­ren­te, até por­que exis­tem di­ver­sos tratamentos pa­ra com­ba­ter es­ses ma­les, mas ain­da per­ce­bo cer­to des­dém quan­do o as­sun­to são os pro­ble­mas emo­ci­o­nais. E de­vo con­fes­sar que as do­res da al­ma me as­sus­tam mais, tal­vez por­que se­jam mais di­fí­ceis de ser di­ag­nos­ti­ca­das. Aliás, pa­ra que o di­ag­nós­ti­co acon­te­ça, é pre­ci­so bus­car aju­da e há quem ain­da sin­ta cer­to cons­tran­gi­men­to em, por exem­plo, mar­car uma con­sul­ta com um psi­qui­a­tra ou ad­mi­tir que ne­ces­si­ta de um re­mé­dio tar­ja pre­ta. Pen­so que em to­da fa­mí­lia exis­ta pe­lo me­nos um ca­so de al­guém que vi­va a ex­pe­ri­ên­cia de ter um cor­po sau­dá­vel, mas uma al­ma do­en­te. O pri­mei­ro pas­so é re­co­nhe­cer que a aju­da é ne­ces­sá­ria e o se­gun­do é bus­cá-la, se­ja na re­li­gião, na me­di­ci­na, nas re­la­ções afe­ti­vas, no tra­ba­lho, nas ati­vi­da­des fí­si­cas. É mui­to tris­te ima­gi­nar que al­guém che­gue a um ní­vel de tris­te­za ex­tre­mo que mor­rer lhe pa­re­ça mais con­vi­da­ti­vo que vi­ver.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.