Fe­li­zes, ape­sar da sau­da­de

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM -

A sau­da­de da fa­mí­lia ain­da é o que mais in­co­mo­da, mas unidos eles su­pe­ram. Em uma ca­sa em Sa­ran­di, três mé­di­cos cu­ba­nos que es­tão na ci­da­de há um ano e meio, se sentem sa­tis­fei­tos com o tra­ba­lho que exe­cu­tam no mu­ni­cí­pio. “No co­me­ço, a adap­ta­ção ao idi­o­ma não foi mui­to fá­cil, mas as pes­so­as nos aju­da­vam e is­so foi mui­to bom. Ho­je, ape­sar de sen­tir fal­ta dos pais e da fa­mí­lia, es­ta­mos fe­li­zes aqui”, dis­se Car­los De Di­os, de 33 anos, o mais­jo­ve­me­fa­lan­te­da­ca­sa.

Mais re­ser­va­do, Lá­za­ro Pe­rez, 49, tam­bém é ou­tro que se diz fe­liz no Bra­sil. “Nos adap­ta­mos bem e fo­mos bem re­ce­bi­dos e is­so nos aju­dou no co­me­ço”, des­cre­veu o mé­di­co, que já tem mais de 20 anos de ex­pe­ri­ên­cia. Os mé­di­cos vi­e­ram ao Bra­sil após pas­sa­rem­po­ra­va­li­a­ções­de­co­nhe­ci­men­tos da lín­gua por­tu­gue­sa, um dos mais di­fí­ceis, se­gun­do eles.“O prin­ci­pal de­sa­fi­ou foi adap­tar ter­mos mé­di­cos que apren­de­mos em Cu­ba com os usa­dos aqui no Bra­sil. Is­so foi um pou­co di­fí­cil. Mes­mo com uma ex­pe­ri­ên­cia de27a­nos­na­me­di­ci­na,con­fes­so­que­foi­al­go­bas­tan­te­com­pli­ca­do”,dis­se Car­los Di­di­et, 52.

Apro­va­dos

Den­tre os mo­ra­do­res de Sa­ran­di, a ava­li­a­ção dos cu­ba­nos é po­si­ti­va. “Eles são aten­ci­o­sos e aten­dem mui­to bem”, dis­se a ven­de­do­ra Su­e­li Cris­ti­no. “Não te­nho que re­cla­mar. Quan­do pre­ci­sei, fui bem aten­di­do”, com­ple­tou o re­po­si­tor Mar­cos Mo­rei­ra. Os pro­fis­si­o­nais atu­am em uni­da­des bá­si­cas­de­saú­de­de­bair­ros­di­fe­ren­te­semSa­ran­di.

—FO­TO: J.C. FRA­GO­SO

LON­GE. Lá­za­ro Pe­rez, Car­los Di­di­et e Car­los De Di­os vi­e­ram de Cu­ba pa­ra Sa­ran­di.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.