Au­men­to da cri­mi­na­li­da­de mo­bi­li­za po­pu­la­ção de Pai­çan­du

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Nes­te ano, já fo­ram re­gis­tra­dos se­te ho­mi­cí­di­os; on­da de as­sal­tos as­sus­ta mo­ra­do­res da ci­da­de Re­a­ti­va­ção do Con­seg, que es­ta­va pa­ra­do ha­via dois anos, é uma es­tra­té­gia pa­ra con­ter vi­o­lên­cia

Nes­te ano, Pai­çan­du re­gis­tra, em mé­dia, um ho­mi­cí­dio a ca­da dez di­as. Até o iní­cio da noi­te de sex­ta-fei­ra, se­te pes­so­as ha­vi­am si­do as­sas­si­na­das no mu­ni­cí­pio. O nú­me­ro é bem di­fe­ren­te do ve­ri­fi­ca­do, por exem­plo, em 2009, quan­do hou­ve cin­co cri­mes do gê­ne­ro, du­ran­te o ano in­tei­ro.

A es­ca­la­da da vi­o­lên­cia tam­bém é sen­ti­da nas ocor­rên­ci­as de fur­tos, rou­bos, por­te de ar­mas e trá­fi­co de dro­gas. A on­da de cri­mi­na­li­da­de cria um cli­ma de me­do na po­pu­la­ção, prin­ci­pal­men­te, nos co­mer­ci­an­tes que têm os es­ta­be­le­ci­men­tos de­les, as­sal­ta­dos ou ar­rom­ba­dos.

“Che­ga­mos a pen­sar em fe­char ou ven­der a pa­da­ria”, dis­se o pro­pri­e­tá­rio de uma das mais cen­trais e an­ti­gas pa­ni­fi­ca­do­ras e con­fei­ta­ri­as da ci­da­de, de­pois de dois as­sal­tos à mão ar­ma­da em me­nos de 15 di­as. Em um de­les, um dos só­ci­os da em­pre­sa, que es­ta­va no cai­xa, foi obri­ga­do a dei­tar no chão, en­quan­to um ho­mem en­cos­ta­va o ca­no de uma­pis­to­la­na­ca­be­ça­de­le.

“Além da sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça, es­ta on­da de as­sal­tos cus­ta ca­ro pa­ra os co­mer­ci­an­tes”, diz o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al, João Ca­ra­ça­to. Ele pró­prio equi­pou o es­ta­be­le­ci­men­to de­le com câ­me­ras de se­gu­ran­ça e con­tra­tou um vi­gia, de­pois de so­frer vá­ri­os fur­tos e dois as­sal­tos à mão ar­ma­da, re­cen­te­men­te.

Nas pro­xi­mi­da­des do Ce­mi­té­rio Mu­ni­ci­pal, um su­per­mer­ca­do so­freu dois as­sal­tos, em um mês, e tam­bém te­ve que in­ves­tir em sis­te­ma de se­gu­ran­ça. “O pi­or é que os fun­ci­o­ná­ri­os tra­ba­lham as­sus­ta­dos e de­pois que es­cu­re­ce tam­bém os fre­gue­ses fi­cam­re­ce­o­sos­de­che­gar”,des­ta­ca Ca­ra­ça­to.

Os co­mer­ci­an­tes di­zem que a cri­mi­na­li­da­de cres­ceu, em Pai­çan­du, desde a inau­gu­ra­ção das pe­ni­ten­ciá­ri­as no li­mi­te com Ma­rin­gá, le­van­do pa­ra a ci­da­de gran­de quan­ti­da­de de pes- so­as que são vis­tas ‘de­so­cu­pa­das’ o dia in­tei­ro. A si­tu­a­ção pi­o­rou de­pois que Sa­ran­di do­brou o nú­me­ro de po­li­ci­ais mi­li­ta­res e vi­a­tu­ras e re­for­çou ain­da mais a se­gu­ran­ça com a im­plan­ta­ção da Guar­da Mu­ni­ci­pal, ar­ma­da e tra­ba­lhan­do la­do a la­do com a Po­lí­cia.

En­quan­to os ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de, em Sa­ran­di, caíam, au­men­ta­vam, em Pai­çan­du. Bo­cas-de-fu­mo são vi­sí­veis em pra­ti­ca­men­te to­dos os bair­ros, sem­pre mui­to fre­quen­ta­das de dia e de noi­te.

“Não po­de­mos afir­mar que es­tas se­jam ver­da­dei­ra­men­te as cau­sas do cres­ci­men­to do cri­me em Pai­çan­du sem ter­mos em mãos uma pes­qui­sa fei­ta com mé­to­dos ci­en­tí­fi­cos, mas tu­do le­va a crer que sim”, res­sal­ta o de­le­ga­do de Po­lí­cia Ci­vil, Jo­sé Nu­nes Fur­ta­do, que as­su­miu a De­le­ga­cia da ci­da­de há uma se­ma­na.

Re­a­ção

Desde o iní­cio do ano, as au­to­ri­da­des, em­pre­sá­ri­os e re­pre­sen­tan­tes de en­ti­da­des bus­cam mei­os pa­ra con­ter o avan­ço da cri­mi­na­li­da­de. O pri­mei­ro pas­so foi a re­es­tru­tu­ra­ção do Con­se­lho Co­mu­ni­tá­rio de Se­gu­ran­ça (Con­seg), que es­ta­va de­sa­ti­va­do ha­via cin­co anos.

“O Con­seg não tem po­der de Po­lí­cia. Não é ele que vai com­ba- ter o cri­me, mas se­rá de gran­de im­por­tân­cia no for­ta­le­ci­men­to das po­lí­ci­as Ci­vil e Mi­li­tar”, afir­ma­a­co­mer­ci­an­teRu­di­méi­aMa­nhães, elei­ta pa­ra a Pre­si­dên­cia doór­gão.

De acor­do com ela, a ins­ti­tui­ção­já­con­se­guiu­u­nir­to­do­sos­se­to­res em tor­no de um ob­je­ti­vo co­mum. Ago­ra, con­ver­sa com de­le­ga­do re­gi­o­nal, co­man­do do 4º Batalhão da Po­lí­cia Mi­li­tar e re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no na ten­ta­ti­va de re­for­çar o apa­re­lho de­se­gu­ran­ça­na­ci­da­de.

“Nos­sa ci­da­de tem cer­ca de 40 mil ha­bi­tan­tes. É a que mais vai cres­cer, nos pró­xi­mos anos, na re­gião de Ma­rin­gá. Por is­so, pre­ci­sa­mos es­tar pre­pa­ra­dos, com po­li­ci­a­men­to con­di­zen­te, pa­ra que a si­tu­a­ção não fi­que fo­ra de con­tro­le”, ad­ver­te Ru­di­méia.

Em­bo­ra o nú­me­ro de po­li­ci­ais mi­li­ta­res es­te­ja, se­gun­do o 4º BPM, den­tro do acei­tá­vel pa­ra o ta­ma­nho da po­pu­la­ção, a PM tem ape­nas du­as vi­a­tu­ras na ci­da­de e uma de­las es­tá no con­ser­to há vá­ri­as se­ma­nas. A Po­lí­cia Ci­vil tem equi­pe pe­que­na e o de­le­ga­do­ain­da­tem­que­a­ten­de­rou­tras três de­le­ga­ci­as da re­gião.

—FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES

MO­NI­TO­RA­MEN­TO. Em­pre­sá­ri­os in­ves­tem em sis­te­mas de câ­me­ras de vi­gi­lân­cia, na ex­pec­ta­ti­va de afas­tar os ban­di­dos e pre­ser­var a tran­qui­li­da­de de fun­ci­o­ná­ri­os e cli­en­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.