‘Kings­man’ va­le a pe­na

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Luiz Car­los Mer­ten Agên­cia Es­ta­do

Co­mé­dia de ação com Co­lin Firth tem sub­tra­mas des­ne­ces­sá­ri­as, mas tem óti­mos mo­men­tos Fil­me que tam­bém tem Sa­mu­el L. Jack­son ba­seia-se nas HQs “Mark Mil­lar”, de Da­ve Gib­bons

Quem viu o trai­ler de “Kings­man - Ser­vi­co Se­cre­to”, viu pos­si­vel­men­te a me­lhor ce­na da co­mé­dia de ação de Matthew Vaughn. Co­lin Firth es­tá con­ver­san­do com o ga­ro­to Eggsy/Ta­ron Eger­ton, em quem viu po­ten­ci­al pa­ra ser… espião? Até aí, não sa­be­mos na­da so­bre Firth, e o gru­po que pres­si­o­na Eggsy, tam­bém não. O ga­ro­to ór­fão de pai es­tá tri­lhan­do um ca­mi­nho, di­ga­mos, pe­ri­go­so - uma vi­da no cri­me - e o gru­po es­tá ali pa­ra uma co­bran­ça gra­ve. Har­ry, que é co­mo Firth se cha­ma, in­ter­vém. Ob­ser­va pa­ra o lí­der do gru­po que es­tá con­ver­san­do com o ra­paz. A men­sa­gem na­da su­bli­mi­nar é que não de­se­ja ser in­ter­rom­pi­do. O ca­ri­nha, to­do se­gu­ro de si, pe­de ao vovô que se afas­te, pa­ra não se ma­chu­car. Firth sus­pi­ra e pen­sa con­si­go que é ho­ra de apli­car-lhe(s) uma li­ção. E co­me­ça a pan­ca­da­ria.

A ce­na lem­bra mui­to a de “O Protetor”, de Antoine Fuc­qua, em que ma­fi­o­sos rus­sos tam­bém su­bes­ti­mam Den­zel Washing­ton e pa­gam por is­so. De no­vo o ci­ne­ma es­ti­li­za­do, co­re­o­gra­fa­do - e vi­o­len­to Firth ba­te e ar­re­ben­ta sem per­der a fleu­ma. Afi­nal, é bri­tâ­ni­co, não? O di­re­tor Vaughn, ou os exe­cu­ti­vos da com­pa­nhia que dis­tri­bui Kings­man de­vi­am sa­ber o que fa­zem pa­ra en­tre­gar de mão bei­ja­da a me­lhor ce­na do fil­me. É ver­da­de que exis­te ou­tra qua­se tão boa, a da igre­ja. Tu­do is­so faz (mui­to) sen­ti­do. Mais que uma co­mé­dia de ação, “Kings­man” é uma pa­ró­dia de es­pi­o­na­gem. Firth não es­tá ape­nas emu­lan­do o ve­lho 007, na fa­se pré-Da­ni­el. Craig. Sua per­for­man­ce, os ócu­los, tu­do re­me­te a ou­tro agen­te, o Har­ry Pal­mer dos li­vros de Leon Deigh­ton, e, de re­pen­te, apa­re­ce o pró­prio Michael Cai­ne, que fa­zia o pa­pel.

Vaughn di­ri­giu “X-Men - Pri­mei­ra Clas­se”, e aqui re­a­fir­ma su­as qua­li­da­des. Ele cer­ta­men­te é an­te­na­do na cul­tu­ra pop. Viu, além de Ja­mes Bond e Har­ry Pal­mer, Agen­te 86, “Kick Ass” - e até di­ri­giu “Kick Ass” 2. Pa­ra lei­to­res/es­pec­ta­do­res in­te­res­sa­dos em trí­via, Vaughn é ca­sa­do com Claudia Schif­fer (desde 2002) e foi pa­dri­nho de ca­sa­men­to de Guy Rit­chie com Ma­don­na. Con­vi­da­do pa­ra di­ri­gir Thor, de­cli­nou da ofer­ta, o que de­ve ser mo­ti­vo de ar­re­pen­di­men­to. Em bus­ca do tem­po per­di­do, in­cor­po­ra tu­do, e to­dos. As­sim co­mo Har­ry re­cru­ta Eggsy e di­re­ci­o­na as ha­bi­li­da­des que, mal uti­li­za­das, trans­for­ma­ri­am o ga­ro­to num cri­mi­no­so, há um vi­lão - com uma as­sis­ten­te - que pos­sui um pla­no bi­zar­ro pa­ra aca­bar com a su­per­po­pu­la­ção e a fo­me no mundo. Sa­mu­el L. Jack­son é quem faz o pa­pel. É um bi­li­o­ná­rio que quer do­mi­nar os mer­ca­dos, e pa­ra tan­to che­ga à con­clu­são de que a so­lu­ção é eli­mi­nar bi­lhões de pes­so­as. As­sim, sem mais nem me­nos O ca­ra é lou­co, cla­ro, mas, pes­so­al­men­te, o su­jei­to que pro­põe uma na­zis­ta so­lu­ção fi­nal tam­bém não po­de ver san­gue. A as­sis­ten­te So­fie Bou­tel­le, com o su­ges­ti­vo no­me de Ga­zel­le, vi­ra a exe­cu­to­ra dos si­nis­tros­pla­nos­do­mes­tre.

Co­lin Firth te­ve/tem uma tra­je­tó­ria cu­ri­o­sa. Co­me­çou dis­pu­tan­do com Hugh Grant as mo­ci­nhas de co­mé­di­as ro­mân­ti­cas (Brid­get Jo­nes?). Po­de­ria ter per­ma­ne­ci­do as­sim, eter­no ga­lã. Com Tom Ford, mos­trou que ti­nha ta­len­to dra­má­ti­co, en­car­nan­do o ho­mos­se­xu­al so­li­tá­rio de “Di­rei­to de Amar”, mas foi “O Dis­cur­so do Rei”, de Tom Ho­o­per,que­lhe­va­leu­oOs­car.

De­pois, Firth meio que in­gres­sou na mal­di­ção do Os­car que atin­ge tan­tos ato­res e atri­zes de uma só per­for­man­ce. Fez pa­péis pe­sa­dos em fil­mes sem im­por­tân­cia, na­da sé­rio nem re­le­van­te. E vol­tou à co­mé­dia, com Wo­ody Al­len e Matthew Vaughn.

Era o que ne­ces­si­ta­va. “Kings­man” não é per­fei­to. É lon­go, em cer­tos mo­men­tos a tra­ma der­ra­pa em sub­tra­mas su­pér­flu­as e des­ne­ces­sá­ri­as. Mas quan­do atin­ge o tom cer­to da ação e do hu­mor,Vaugh­néó­ti­mo.

O elen­co é 10. O ga­ro­to é bom, Firth é óti­mo e Sa­mu­el L. Jack­son ain­daé­me­lhor­que­e­le.Al­fredHit­ch­co­ch di­zia que fil­mes de sus­pen­se ne­ces­si­tam de gran­des vi­lões. Os de es­pi­o­na­gem, tam­bém. Ri­ch­mond Va­len­ti­ne -é o no­me do per­so­na­gem - con­se­gue ser tu­do. Cru­el, pa­té­ti­co, frá­gil. É ex­ces­si­vo, e Jack­son, sa­ben­do dis­so, car­re­ga no tom, com ex­ce­len­te re­sul­ta­do. “Kings­man” ba­seia-se nas HQs “Mark Mil­lar” (de­se­nha­das por Da­ve Gib- bons). Pa­ra o pú­bli­co afoi­to pa­ra ver “Vin­ga­do­res 2”, é uma pro­va de que nem só de su­per-heróis vi­ve o ci­ne­ma de ação. Se is­so aju­dar a des­per­tar (mais) seu in­te­res­se, Qu­en­tin Ta­ran­ti­no, ou­tro au­tor pop, ado­rou “Kings­man”. Pa­ra o di­re­tor de “Bas­tar­dos In­gló­ri­os” e “Djan­go Livre”, o fil­me em car­taz desde a se­ma­na pas­sa­da é o me­lhor que um pop­corn mo­vie po­de ofe­re­ce. Em car­taz em Ma­rin­gá.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

TE­LA. Co­lin Firth em “Kings­man”: pa­ró­dia a fil­mes de es­pi­o­na­gem tem bons mo­men­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.