Fer­vi­nho

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

As da­mas ma­du­ras do Fer­vi­nho não fa­zem mais tan­tos pro­gra­mas. “Cli­en­te­la tá ra­le­an­do”, diz uma de­las, sen­ta­da na ca­dei­ra de plás­ti­co, na por­ta do es­ta­be­le­ci­men­to, um ves­ti­do es­tam­pa­do ul­tra­cur­to a ofe­re­cer seus do­tes e re­ve­lar im­per­fei­ções. Lá no Fer­vi­nho, a vi­da fá­cil es­tá com­pli­ca­da. Di­fe­ren­te­men­te das bo­a­tes de lu­xo - on­de em­pre­sá­ri­os e jo­ga­do­res de fu­te­bol en­di­nhei­ra­dos es­co­lhem mo­de­los de re­vis­ta co­mo num bal­cão de açou­gue -, as me­re­tri­zes en­te­di­a­das do Fer­vi­nho aguar­dam que al­gum tran­seun­te en­cos­te a bi­ci­cle­ta na ár­vo­re que som­breia a en­tra­da da zo­na e, a des­pei­to das ru­gas, dos qui­los e anos a mais e do ca­be­lo pin­ta­do com tin­ta ba­ra­ta, per­gun­te quan­to cus­ta um bo­ca­di­nho de in­ti­mi­da­de. No Fer­vi­nho, só tem um quar­to en­se­ba­do. E um ba­nhei­ro fe­di­do. E uma to­a­lha co­mu­ni­tá­ria, on­de ba­ba e ou­tras se­cre­ções se mis­tu­ram com o perfume do Lux Lu­xo. O pa­pel hi­gi­ê­ni­co é da­que­le cor-de-ro­sa, o mais ba­ra­to, on­de far­pas de ma­dei­ra pren­sa­da mos­tram de on­de vem a ce­lu­lo­se. “Lim­pa e de­pi­la”, elas cos­tu­mam brin­car. Nas cor­ti­nas en­go­ma­das dos quar­tos, um úni­co len­çol já re­ce­beu de­ze­nas de cor­pos por dia nos bons tem­pos da eco­no­mia. Ago­ra, o pa­no pai­ra so­bre o col­chão, li­so e cheio de man­chas, re­ce­ben­do a po­ei­ra da Ci­da­de Can­ção e os frag­men­tos de cin­zas dos ci­gar­ros que as pros­ti­tu­as fu­mam um atrás do ou­tro. Só quem co­nhe­ce o Fer­vi­nho po­de di­zer da amar­gu­ra da pin­ga que lá ser­vem. Do chei­ro de perfume ba­ra­to que ine­bria e pro­vo­ca en­gu­lhos. Do ba­ru­lho das chi­ne­las sen­do ar­ras­ta­das em di­re­ção à al­co­va, on­de dez mi­nu­tos cus­tam 20 re­ais, mas cer­tas prá­ti­cas tem va­lor pró­prio. Na por­ta do Fer­vi­nho, a da­ma ma­du­ra es­pe­ra. Por ali já pas­sa­ram pe­drei­ros, ven­de­do­res, ope­ra­do­res de má­qui­nas e até um jor­na­lis­ta co­nhe­ci­do (ju­ra que foi lá só pa­ra fa­zer uma ma­té­ria, de cu­ja pu­bli­ca­ção não ti­ve no­tí­cia). A ma­ri­po­sa sa­be dos se­gre­dos mais su­jos, das ta­ras ino­mi­na­das, das bro­cha­das e dos ar­rou­bos de vi­o­lên­cia. De quem gos­ta de um fi­o­ter­ra e de quem vai lá pa­ra pro­var mas­cu­li­ni­da­de. De quem be­be e en­che o sa­co, não con­tra­ta pro­gra­ma e ain­da atra­pa­lha os ne­gó­ci­os. De quem men­te no­me e pro­fis­são, pa­ra pas­sar anô­ni­mo por aque­le an­tro. A lâm­pa­da de 60 watts pen­du­ra­da em um fio ne­gro a dois me­tros da ca­ma não ilu­mi­nou ne­nhu­ma al­ma. Já te­ve abor­to no Fer­vi­nho, já te­ve bri­ga e mor­te. Te­ve ca­sa­men­to que terminou e, pas­mem!, ho­mem que ti­rou a mu­lher da­que­la li­da, pa­ra nun­ca mais. A te­le­vi­são em pre­to-e-bran­co fi­ca so­bre o bal­cão, dis­pu­tan­do es­pa­ço com os co­pos pon­ta­de-ei­xo, nos quais pin­ga e ver­mu­te se mis­tu­ram no fa­mo­so ra­bo-de-ga­lo, que cin­ti­la co­mo pi­ri­ta. Nas no­tí­ci­as do jor­nal fa­lam em re­a­jus­te da ga­so­li­na, da ener­gia, da água... E a ra­pa­ri­ga, unhas pin­ta­das de ver­me­lho-so­fri­men­to, tra­ga o ci­gar­ro e pen­sa em su­bir o va­lor do pro­gra­ma por cau­sa da cri­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.