Sa­bi­na por Flo­res

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - La­ris­sa Bezerra “En­car­ne­vi­va”

Com le­tras de pro­tes­to e crí­ti­cas mor­da­zes, Jo­aquín Sa­bi­na lan­ça seu 21º dis­co, “500 No­ches Pa­ra Una Cri­sis” Au­tor de dois li­vros so­bre o bar­do es­pa­nhol atri­bui à bar­rei­ra do idi­o­ma o des­co­nhe­ci­men­to do can­tor no Bra­sil

Can­tor, com­po­si­tor e po­e­ta, o es­pa­nhol Jo­aquín Sa­bi­na te­ve uma vi­da cheia de pe­ri­pé­ci­as pa­ra além dos pal­cos. Fi­cou exi­la­do em Lon­dres du­ran­te a di­ta­du­ra de Francisco Fran­co, de 1970 a 1977, te­ve pro­ble­mas com as dro­gas e com o ex­ces­so de ál­co­ol e caiu em de­pres­são. So­bre es­ses pe­río­dos di­fí­ceis de sua vi­da, ele compôs vá­ri­as can­ções, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção à gu­er­ra ci­vil es­pa­nho­la e seu exí­lio.

Seus ver­sos não pou­pa­ram o re­gi­me mi­li­tar nem a so­ci­e­da­de pas­si­va. Cheio de iro­ni­as, cri­ti­ca­va seus con­ter­râ­ne­os e os cos­tu­mes vi­gen­tes. A mú­si­ca “Pon­ga­mos que Ha­blo de Ma­drid” é um exem­plo de cri­ti­ca à ci­da­de e mes­mo as­sim vi­rou uma es­pé­cie de hi­no pa­ra eles. Além dis­so, Sa­bi­na­tem­mais­de­dez­li­vros­pu­bli­ca­dos, a mai­o­ria, de po­e­sia.

Nes­te iní­cio de mar­ço, ele lan­ça o 21º dis­co da car­rei­ra, “500 No­ches Pa­ra Una Cri­sis”. O no­vo ál­bum é uma re­tros­pec­ti­va de seus gran­des su­ces­sos, co­mo “Pas­til­las pa­ra no soñar”, “Con­ti­go” e “Más de Ci­en Men­ti­ras”. Can­ções com­pos­tas pe­la frus­ta­ção na gu­er­ra ci­vil, co­mo “De pu­rís­si­ma y oro”, tam­bém es­tão pre­sen­tes.

Mes­mo com tan­to su­ces­so no mundo de lín­gua es­pa­nho­la, com mi­lha­res de fãs na Ar­gen­ti­na, Uru­guai, Chi­le, Mé­xi­co e ou­tros paí­ses, pou­co se fa­la do ar­tis­ta no Bra­sil. Ago­ra que Sa­bi­na de­ci­diu re­a­va­li­ar sua tra­je­tó­ria com o no­vo dis­co, tal­vez se­ja ho­ra de os bra­si­lei­ros da­rem uma chan­ce a es­se gran­de ar­tis­ta.

Com o lan­ça­men­to do dis­co, Sa­bi­na anun­ci­ou uma tur­nê de 16 shows por ter­ri­tó­rio es­pa­nhol. En­tre maio e ju­nho, fa­rá seis­shows­pe­laA­mé­ri­ca,pas­san­do por Mé­xi­co, Colôm­bia, Pa­na­máeE­qua­dor. Ja­vi­er Me­nén­dez Flo­res, es­cri­tor e jor­na­lis­ta há qua­se vin­te anos, é au­tor de dois li­vros so­bre a vi­da de Sa­bi­na, “Per­do­nen la Tris­te­za” e “Sa­bi­na en Car­ne Vi­va”. Pa­ra ele, a bar­rei­ra do idi­o­ma é o que im­pe­de os bra­si­lei- ros de te­rem aces­so à mú­si­ca es­pa­nho­la. “É o mes­mo que acon­te­ce en­tre Es­pa­nha, Fran­ça e Itá­lia: são paí­ses mui­to pró­xi­mos ge­o­gra­fi­ca­men­te que, sal­vo al­gu­mas ex­ce­ções, con­so­mem so­bre­tu­do mú­si­ca de seus pró­pri­os paí­ses de­vi­do à bar­rei­ra idi­o­má­ti­ca. O for­te de Sa­bi­na com su­as le­tras, seus tex­tos, é uma gran­de es­ta­tu­ra literária. E se is­so não se en­ten­de, a mai­or par­te de sua ma­gia pas­sa des­per­ce­bi­da”, diz ele.

Em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va ao Diá­rio, Flo­res ava­lia o le­ga­do mu­si­cal e poé­ti­co de Sa­bi­na e as di­fi­cul­da­de­se­mes­cre­ve­ra­po­lê­mi­ca bi­o­gra­fia.

ODIÁRIOO­que,exa­ta­men­te te­le­vou­a­es­cre­ver“Sa­bi­na­em car­ne­vi­va”?

JA­VI­ER ME­NÉN­DEZ FLO­RES Há mui­to tem­po ti­nha a ideia de um li­vro de con­ver­sas com Sa­bi­na por­que ti­nha a sen­sa­ção de que a bi­o­gra­fia que es­cre­vi so­bre ele, “Per­do­nen la tris­te­za”, es­ta­va in­com­ple­ta, que eu de­via en­ri­que­cê-la com a voz do pro­ta­go­nis­ta. Nes­se sen­ti­do, po­de­ria di­zer que os dois tí­tu­los se com­ple­tam: o pri­mei­ro é mais cen­tra­do nos da­dos e por­me­no­res da sua tra­je­tó­ria ar­tís­ti­ca, e o se­gun­do con­ta com o pon­to de vis­ta do pró­prio Jo­aquín, que se pres­tou a fa­lar, com uma co­ra­gem pou­co fre­quen­te, so­bre to­dos os as­pec­tos de sua pro­fis­são e, tam­bém, de sua vi­da pes­so­al. Ne­nhum as­sun­to im­por­tan­te fi­cou fo­ra.

Qu­al­foi­a­par­te­mais­di­fí­cil­de es­cre­ver?

O li­vro, em seu con­jun­to, foi um pou­co com­pli­ca­do. Co­mo dis­se, as ques­tões a tra­tar eram mui­tas e a fe­roz sin­ce­ri­da­de de Jo­aquín se tor­na­va mui­to mais am­pla por es­cri­to. De­pois de ler o pri­mei­ro ras­cu­nho, me as­sus­tei. Pen­sei que Sa­bi­na cen­su­ra­ria mui­tas par­tes, e não foi as­sim. Achou bom tu­do que ha­via di­to, o que é hon­rá­vel por­que não é al­go ha­bi­tu­al.

Emal­gum­mo­men­to­vo­cê te­ve­me­do­de­não­con­se­guir pas­sa­ra­os­lei­to­re­sa­qui­lo­que qu­e­ria?

Eu ti­nha mui­to cla­ro desde o prin­cí­pio que qu­e­ria que quem les­se o li­vro pen­sas­se: “Já co­nhe- ço o Sa­bi­na”. Pa­ra is­so, pre­pa­rei um ques­ti­o­ná­rio com cer­ca de cem fo­lhas e, mais que en­tre­vis­tar, eu O in­ter­ro­guei a fun­do, ten­tan­do co­lo­car em mim a to­do mo­men­to, a pe­le do leitor. Qu­e­ria sa­ber tu­do so­bre ele, des­pe­jar mui­tas dú­vi­das e ve­ri­fi­car len­das, tra­zer um re­tra­to mais com­ple­to pos­sí­vel tan­to do ar­tis­ta quan­to do ho­mem. Ti­rei de­le tu­do o que pu­de, en­fim, e nun­ca con­se­gui­rei agra­de­cer o su­fi­ci­en­te sua von­ta­de de co­la­bo­rar e su­a­e­nor­me­fran­que­za.

Oque­de­mai­sim­por­tan­te vo­cêa­pren­deu­comSa­bi­na?

Que as pes­so­as não de­vem le­var a si mes­mas mui­to a sé­rio. É pre­ci­so ti­rar so­le­ni­da­de da pró­pria exis­tên­cia. Po­de-se es­cre­ver com apro­fun­da­men­to e, ao mes­mo tem­po, es­can­ca­rar a iro­nia co­mo uma for­ma de es­tar no mundo. Rir de si mes­mo é o que exis­te de mais sau­dá­vel e, além dis­so, é al­go ne­ces­sá­rio pa­ra ter uma re­la­ção acei­tá­vel com as pes­so­as­pró­xi­mas.

Oque­vo­cêa­cre­di­ta­se­ro mai­sin­te­res­san­te­da­vi­da­do can­tor?

Sa­bi­na­nun­ca­pen­sou­que­che­ga­ri­a­a­se­tor­na­ru­ma­es­tre­la­da­mú­si­ca. Seu ide­al de vi­da era ser pro­fes­sor de li­te­ra­tu­ra na fa­cul­da­de e es­cre­ver ro­man­ces pa­ra uma se­le­ta mi­no­ria. Mes­mo as­sim, acon­te­ceu que su­as mú­si­cas, seu dis­cur­so, se co­nec­ta­ram de um mo­do­ex­tra­or­di­ná­ri­o­co­mas­pes­so­as e o êxi­to o abra­çou pa­ra não sol­tar nun­ca mais. Acon­te­ceu na ida­de cer­ta, por vol­ta dos trin­ta anos, e is­so fez com que não su­bis­se à sua ca­be­ça e sou­bes­se ad­mi­nis­trar. Acre­di­to que es­se se­ja o gran­de va­lor de Jo­aquínSa­bi­na.

Vo­cê­gos­tou­mais­de­es­cre­ver “Sa­bi­na­em­car­ne­vi­va”ou “Per­do­nen­laT­ris­te­za”?

São du­as obras mui­to di­fe­ren­tes. Uma é bi­o­gra­fia pu­ra e a ou­tra é um li­vro nas­ci­do a par­tir de mui­tasho­ras­de­con­ver­sa.No­pri­mei­ro ti­ve ple­na li­ber­da­de; era eu so­zi­nho com o tex­to e a do­cu­men­ta­ção reu­ni­da (mi­lha­res de recortes da im­pren­sa), en­quan­to o se­gun­do ma­te­ri­al so­bre o qual te­ria que tra­ba­lhar vi­ria mar­ca­do co­mo re­sul­ta­do de nu­me­ro­sas en­tre­vis­tas.

Vo­cê­dis­se­em“Sa­bi­na­em Car­ne­Vi­va”que“ALaO­ril­la de­laChi­me­nea”éu­mas­de su­as­mú­si­cas­fa­vo­ri­tas­de Sa­bi­na.Ma­se­xis­te­a­pe­nas uma­que­vo­cê­pos­sa­di­zer “es­saé­mi­nha­fa­vo­ri­ta”?

Es­co­lher ape­nas uma mú­si­ca de um ar­tis­ta im­por­tan­te, se­ja Sa­bi­na ou qual­quer ou­tro, é im­pos­sí­vel. No ca­so de Jo­aquín, fa­la­mos de al­guém que, sem exa­ge­rar, po­de ter meia cen­te­na de bo­as mú­si­cas. De­pen­den­do do mo­men­to e do meu es­ta­do de âni­mo, eu gos­to mais de umas que­de­ou­tras.

Es­táes­cre­ven­do­al­go­no mo­men­to?

Te­nho um ro­man­ce re­cém ter­mi­na­do que es­pe­ro pu­bli­car lo­go. Se­rá meu ter­cei­ro ro­man­ce, já que te­nho dois pu­bli­ca­dos (‘Los de­so­la­dos’, editorial Pla­za & Ja­nés, 2005; ‘El adiós de los nu­es­tros’, Edi­ci­o­nes B, 2006). Além dis­so, es­tou ter­mi­nan­do pro­je­tos de não-fic­ção. Mas nun­ca fa­lo de li­vros em que ain­da es­tou imer­so até que ter­mi­ne tu­do e o pro­ces­so de tra­ba­lho­es­tá­mui­to­a­van­ça­do.

Vo­cê­co­nhe­ce­a­li­te­ra­tu­ra­oua

mú­si­ca­bra­si­lei­ra?

Não tan­to co­mo eu gos­ta­ria. Co­nhe­ço, cla­ro, Jor­ge Ama­do e Né­li­da Piñon, dois au­to­res uni­ver­sais, mag­ní­fi­cos, que li na mi­nha épo­ca de es­tu­dan­te. Ru­bem Fon­se­ca­me­pa­re­ceu­mes­cri­to­rex­tra­or­di­ná­rio. Tem um li­vro de con­tos cha­ma­do “O Co­bra­dor” que é uma joia, e de­pois da pri­mei­ra lei­tu­ra­si­go­re­len­do­de­ve­zem­quan- Por de­cir lo que pi­en­so, sin pen­sar lo que di­go, más de un beso me di­e­ron y más de un bo­fe­tón. Lo que sé del ol­vi­do lo apren­dí de la lu­na. Lo que sé del pe­ca­do lo tu­ve

/que bus­car (…) Así que de mo­men­to, na­da de adiós mu­cha­chos. Me du­er­mo en los en­ti­er­ros de mi ge­ne­ra­ción. Ca­da no­che me in­ven­to. To­da­vía me em­bor­ra­cho. Tan jo­ven y tan vi­e­jo, li­ke a Rol­ling Sto­ne. do por sim­ples pra­zer. Tam­bém gos­to mui­to de Cla­ri­ce Lis­pec­tor. Foi uma gran­de con­tis­ta. E quan­to à mú­si­ca, já es­cu­tei até a em­bri­a­guês Chi­co Bu­ar­que, é uma ver­da­dei­ra de­lí­cia. Tam­bém es­cu­tei Ca­e­ta­no Ve­lo­so, cla­ro. Mas es­tou por fo­ra do que fa­zem ago­ra aí, nem em mú­si­ca, nem em li­te­ra­tu­ra e é cer­to que es­tou per­den­do gran­des ar­tis­tas.

*** En la po­sa­da del fra­ca­so, don­de no hay con­su­e­lo ni as­cen­sor, el de­sam­pa­ro y la hu­me­dad com­par­ten col­chón y cu­an­do, por la cal­le, pa­sa la vi­da, co­mo un hu­ra­cán, el hom­bre del tra­je gris sa­ca un su­cio ca­len­da­rio del

/bol­sil­lo y gri­ta ¿quién me ha ro­ba­do el mes

/de abril?

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

HI­NO. Jo­a­quin Sa­bi­na, au­tor de dez li­vros, a mai­o­ria de po­e­sia, e que tem mi­lha­res de fãs na Es­pa­nha e Amé­ri­ca his­pâ­ni­ca: can­ção com crí­ti­cas a Ma­dri aca­bou vi­ran­do uma es­pé­cie de hi­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.