Sa­ber li­dar com os co­le­gas é cha­ve pa­ra cli­ma po­si­ti­vo

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Fer­nan­da Ber­to­la fer­nan­da@odi­a­rio.com RES­PEI­TO.

O bom re­la­ci­o­na­men­to no am­bi­en­te cor­po­ra­ti­vo é fun­da­men­tal pa­ra que ha­ja mo­ti­va­ção e sa­tis­fa­ção no tra­ba­lho. Pa­ra is­to, é pre­ci­so apren­der a li­dar com os co­le­gas e res­pei­tá-los.

Se­gun­do a edu­ca­do­ra em­pre­sa­ri­al San­dra Ka­taya­ma, no tra­ba­lho ou em qual­quer si­tu­a­ção que re­quer in­te­ra­ção en­tre as pes­so­as, é fun­da­men­tal, pri­mei­ro, ter au­to­co­nhe­ci­men­to pa­ra de­pois co­nhe­cer o tem­pe­ra­men­to das pes­so­as que fa­zem par­te do con­ví­vio. “Te­mos que ter em men­te que pes­so­as são di­fe­ren­tes umas das ou­tras e en­xer­gam o mundo de for­mas di­fe­ren­tes. Pa­ra con­vi­ver bem no am­bi­en­te de tra­ba­lho é pre­ci­so res­pei­tar es­sas di­fe­ren­ças e ter em­pa­tia com as pes­so­as”, des­ta­ca.

Exis­tem di­fe­ren­tes ti­pos de personalidade, se­gun­do San­dra. Ela ex­pli­ca que ca­da pes­soa aca­ba so­fren­do de ma­nei­ras di­fe­ren­tes. O “Po­pu­lar San­guí­neo” e o “For­te Co­lé­ri­co” são mais es­pon­tâ­ne­os, por es­ta ra­zão de­mons­tram a in­sa­tis­fa­ção e aca­bam ex­tra­va­san­do. Já o “Per­fei­to Me­lan­có­li­co” ten­de a achar que tem cul­pa em tu­do. “As­su­me a cul­pa até do que não tem na­da a ver com ele”, diz. E o “Se­re­no Fleu­má­ti­co” não de­mons­tra o que sen­te, é cal­mo e aos ou­tros pa­re­ce “es­tar nem aí”.

“Mui­tas ve­zes eles são os que mais so­frem. Há mui­to bullying nas em­pre­sas com o “Se­re­no Fleu­má­ti­co”, por­que é bon­zi­nho, cal­mo e de­va­gar. Mas, co­mo lí­de­res, eles são óti­mos, pois são pa­ci­en­tes, edu­ca­dos e con­se­guem de­le­gar.”

Ela ex­pli­ca que pa­ra apren­der a se re­la­ci­o­nar da me­lhor ma­nei­ra com ca­da per­fil de personalidade é pre­ci­so pres­tar aten­ção no ou­tro, o que exi­ge uma boa do­se de sen­si­bi­li­da­de. “Vi­ve­mos em um mundo on­de tu­do é au­to­má­ti­co, tu­do é ins­tan­tâ­neo e es­que­ce­mos de co­mo dar aten­ção ao ou­tro. Co­mo ou­vir não so­men­te com o ou­vi­do e não ver ape­nas com os olhos, mas com o co­ra­ção”.

Aque­las que re­co­nhe­cem ter pro­ble­mas de re­la­ci­o­na­men­to po­dem bus­car aju­da pa­ra apren­der a con­tro­lar o pró­prio tem­pe­ra­men­to, e não pre­ju­di­car a si e a equi­pe co­mo um to­do. “Re­co­nhe­cer é meio ca­mi­nho an­da­do, mas só is­so não bas­ta, é pre­ci­so de­ci­dir mu­dar. Al­gu­mas pou­cas pes­so­as con­se­guem mu­dar so­zi­nhas, mas a gran­de mai­o­ria pre­ci­sa de aju­da. Po­de ser um psi­có­lo­go, um co­a­ch ou um ami­go, al­guém em quem o pro­fis­si­o­nal con­fie e que pos­sa dar um fe­ed­back. E eu sem­pre di­go, quan­do a au­to­a­ju­da não fun­ci­o­na, pro­cu­re a aju­da do al­to.”

Ela acres­cen­ta que de­sen­vol­ver a es­pi­ri­tu­a­li­da­de, in­de­pen­den­te­men­te da re­li­gião, é im­por­tan­te pa­ra a mu­dan­ça. “Acho im­por­tan­tís­si­mo tra­ba­lhar a es­pi­ri­tu­a­li­da­de nas em­pre­sas. Não sou con­tra re­la­tó­ri­os, re­gras e nor­mas, is­so nos dá dis­ci­pli­na, mas se as pes- so­as fos­sem mais es­pi­ri­tu­a­li­za­das te­ri­am mais res­pei­to uns com os ou­tros. Não pre­ci­sa es­tu­dar pa­ra ter res­pei­to, é pre­ci­so de­ci­dir res­pei­tar.”

Mes­mo que se apren­da a re­co­nhe­cer co­mo é a personalidade de ca­da pes­soa e a res­pei­tá­la, si­tu­a­ções de con­fli­to acon­te­ce­rão. Em si­tu­a­ções co­mo es­ta, Se­gun­do San­dra, o me­lhor é fu­gir de dis­cus­sões, es­pe­ci­al­men­te na ho­ra em que o pro­ble­ma apa­re­ce. Ela re­for­ça que um diá­lo­go tran­qui­lo evi­ta que o emo­ci­o­nal de al­gum dos la­dos fi­que fe­ri­do.

As­sim, o mai­or er­ro é jul­gar o ou­tro. “Quan­do eu jul­go, eu acre­di­to que a mi­nha ver­da­de é a úni­ca exis­ten­te. Mas quem sou eu pa­ra jul­gar al­guém? Co­mo pos­so di­zer o que é cer­to ou er­ra­do se eu não sei o con­tex­to? E mes­mo sa­ben­do o con­tex­to, co­mo pos­so sa­ber o que se pas­sa com aque­la pes­soa? Co­mo pos­so sa­ber co­mo foi a vi­da de­la, as di­fi­cul­da­des que ela pas­sou, os trau­mas que car­re­ga? É fá­cil apon­tar o de­do pa­ra al­guém, di­fí­cil é es­ten­der a mão.”

— FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

Pa­ra for­mar uma equi­pe co­e­sa é ne­ces­sá­rio su­pe­rar as di­fe­ren­ças.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.