Ele­tri­ci­da­de ti­rou 180 vi­das den­tro de ca­sa

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com

O nú­me­ro de aci­den­tes en­vol­ven­do ele­tri­ci­da­de au­men­tou 17,7% em 2014 no País em com­pa­ra­ção com o ano an­te­ri­or, con­for­me a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Cons­ci­en­ti­za­ção pa­ra os Pe­ri­gos da Ele­tri­ci­da­de (Abra­co­pel). Ou­tro da­do que cha­ma aten­ção e cau­sa pre­o­cu­pa­ção é que 627 pes­so­as mor­re­ram em 2014 em de­cor­rên­cia de cho­ques elé­tri­cos fa­tais, sen­do que 180 des­ses aci­den­tes acon­te­ce­ram em am­bi­en­te do­més­ti­co. Pa­ra o pro­fes­sor Fá­bio Au­gus­to Gen­ti­lin, co­or­de­na­dor do cur­so de En­ge­nha­ria Elé­tri­ca e de pós-gra­du­a­ção de En­ge­nha­ria Me­ca­trô­ni­ca da Uni­ce­su­mar, a mai­o­ria das pes­so­as atua na in­for­ma­li­da­de quan­do o as­sun­to é ele­tri­ci­da­de, e es­ta pos­tu­ra po­de cus­tar ca­ro. É bas- tan­te co­mum ob­ser­var ins­ta­la­ções fei­tas sem qual­quer su­per­vi­são de pes­so­as qua­li­fi­ca­das e de­vi­da­men­te ha­bi­li­ta­das, sen­do as­sim obras exe­cu­ta­das sem o aten­di­men­to às nor­mas de se­gu­ran­ça.

A sen­sa­ção de que li­gar dis­po­si­ti­vos é fá­cil tem con­tri­buí­do pa­ra mui­tos aci­den­tes com ví­ti­mas en­vol­ven­do ele­tri­ci­da­de. Pa­ra o pro­fes­sor, o co­nhe­ci­men­to do ris­co ofe­re­ci­do por es­te pe­ri­go in­vi­sí­vel é in­dis­pen­sá­vel pa­ra aque­les que exe­cu­tam ser­vi­ços na área elé­tri­ca, por­que im­pli­ca no uso de equi­pa­men­tos de se­gu­ran­ça ade­qua­dos, mé­to­dos cor­re­tos e se­gu­ros, na me­lhor es­co­lha de dis­po­si­ti­vos das ins­ta­la­ções e na cer­te­za da exe­cu­ção de uma obra que aten­de às nor­mas de se­gu­ran­ça.

Nos­sa­par­ce­la­de­cul­pa

Nem­sem­pre­o­a­ci­den­te­com­cho­que elé­tri­co em ca­sa acon­te­ce por­cau­sa­da­sins­ta­la­ções(ouins- ta­la­do­res), o pró­prio mo­ra­dor tem sua par­ce­la de res­pon­sa­bi­li­da­de nas “gam­bi­ar­ras” do dia a dia. Uma das mais cor­ri­quei­ras é o uso in­cor­re­to e in­dis­cri­mi­na­do de ben­ja­mins ou “Ts”. A uti­li­za­ção de ma­nei­ra ar­bi­trá­ria co­lo­ca os mo­ra­do­res em ris­co. A pes­qui­sa da Abra­co­pel mos­tra que a prin­ci­pal cau­sa de mor­tes por cho­que elé­tri­co em am­bi­en­tes re­si­den­ci­ais ocor­reu du­ran­te o ma­nu­seio de ex­ten­sões, ben­ja­mins, to­ma­das e equi­pa­men­tos afins. Gen­ti­lin lem­bra que os dis­po­si­ti­vos do ti­po T são ape­nas di­vi­so­res de pon­tos de ali­men­ta­ção pa­ra ele­tro­do­més­ti­cos em ge­ral. Aque­les que fun­ci­o­nam de for­ma cor­re­ta con­cen­tram a cor­ren­te elé­tri­ca con­su­mi­da por es­tes dis­po­si­ti­vos em um úni­co pon­to. O uso bem ori­en­ta­do não ofe­re­ce­pro­ble­mas,po­rém­quan­do os ben­ja­mins são usa­dos sem le­var em con­ta a ca­pa­ci­da­de dos con­du­to­res que es­tão ocul­tos na ins­ta­la­ção do imó­vel pro­ble­mas po­dem apa­re­cer, in­clu­si­ve por­que a mai­o­ria de­les se­quer aten­de às nor­mas de se­gu­ran­ça. Co­lo­car um T so­bre ou­tro e ou­tro en­tão é um agra­va­men­to e tan­to do­pa­drão­de­ris­co­de­a­ci­den­tes.

“Por con­ta de mal con­ta­to, os dis­po­si­ti­vos pro­du­zem aque­ci­men­to, o que sig­ni­fi­ca des­per­dí­cio de ener­gia. Além dis­so, o aque­ci­men­to em ex­ces­so po­de da­ni­fi­car os plu­gues dos ele­tro­do­més­ti­cos e até cau­sar um cur­to-cir­cui­to que po­de le­var a umin­cên­dio”,aler­ta.Pa­ra­ex­pan­dir o nú­me­ro de to­ma­das em uma ins­ta­la­ção, o ele­tri­cis­ta pre­ci­sa co­nhe­cer a ca­pa­ci­da­de do sis­te­ma elé­tri­co a fim de res­pei­ta­ros­li­mi­te­se­e­vi­ta­ra­ci­den­tes.

Ris­co ocul­to

Gran­de par­te dos ris­cos es­tá ocul­ta sob ele­men­tos de aca­ba­men­to de uma ins­ta­la­ção, den­tro de cai­xas de dis­tri­bui­ção, es­pe­lhos de to­ma­das e até mes­mo den­tro de ele­tro­du­tos. Há ris­co quan­do exis­tem con­du­to­res ex­pos­tos ou de­sen­ca­pa­dos e is­so acon­te­ce com frequên­cia. Se en­tra­rem em con­ta­to com ou­tra su­per­fí­cie con­du­to­ra po­dem ener­gi­zá-la. Nes­se ca­so, ao to­car a su­per­fí­cie de um ele­tro­do­més­ti­co o mo­ra­dor le­va um cho­que, ou­tra coi­sa que po­de acon­te­cer é o con­du­tor de­sen­ca­pa­do en­trar em con­ta­to com ou­tro fio e pro­du­zir um cur­to-cir­cui­to. “É im­por­tan­te res­pei­tar o di­men­si­o­na­men­to dos dis­po­si­ti­vos pa­ra evi­tar si­tu­a­ções de ris­co e aci­den­tes com mor­te”, re­for­ça.

An­tes de sair plu­gan­do qual- quer equi­pa­men­to pe­la ca­sa, con­si­de­re a ca­pa­ci­da­de de ca­da to­ma­da. Pa­ra is­so é pre­ci­so le­var em con­ta a cor­ren­te má­xi­ma su­por­ta­da, por exem­plo, pa­drões de 10 ampè­res ou 20 ampè­res. Pa­ra ca­da um de­les o for­ma­to da to­ma­da é es­pe­cí­fi­co. Ob­ser­ve a to­ma­da­do­a­pa­re­lho­de­ar-con­di­ci­o­na­do por­tá­til ou do for­no elé­tri­co que con­so­me va­lo­res ele­va­dos de cor­ren­te, os pi­nos dos plu­gues têm diâmetro mai­or do que oplu­gue­deu­ma­te­le­vi­são.

“Al­gu­mas pes­so­as se aven­tu­ram adap­tan­do a to­ma­da de 10 ampè­res pa­ra ali­men­tar um equi­pa­men­to que con­so­me 15 ampè­res, mas nes­te mo­men­to o usuá­rio cria uma si­tu­a­ção de ris­co”, aler­ta o pro­fes­sor. O aque­ci­men­to da to­ma­da que não foi pro­je­ta­da pa­ra tal de­man­da de ener­gia elé­tri­ca po­de cau­sar um in­cên­dio.

Po­de­cus­ta­ru­ma­vi­da

Pa­ra Gen­ti­lin to­das as pes­so­as es­tão su­jei­tas a aci­den­tes, in­clu­si­ve quem li­da pro­fis­si­o­nal­men­te com ele­tri­ci­da­de. “Mui­tos pro­fis­si­o­nais da área de ele­tri­ci­da­de, mes­mo co­nhe­cen­do as nor­mas e os ris­cos, por con­ta de sua ex­pe­ri­ên­cia, pas­sam a ig­no­rar o pe­ri­go. É nes­te mo­men­to on­de mui­tas ve­zes são re­por­ta­dos aci­den­tes en­vol­ven­do ele­tri­ci­da­de e pes­so­as”, re­for­ça.

Ou­tro da­do da Abra­co­pel que re­for­ça o que diz o es­pe­ci­a­lis­ta é que só nos ca­sos de fa­ta­li­da­de em re­la­ção ao cho­que elé­tri­co, o ín­di­ce su­biu mais de 6% em 2014, se com­pa­ra­do a 2013. Ose­fei­tos­fi­si­o­ló­gi­cos­da cir­cu­la­ção­de­cor­ren­te­e­lé­tri­ca pe­lo­cor­po­po­dem­ser de­vas­ta­do­res,se­o­ca­mi­nho per­cor­ri­do­en­vol­ve­rór­gãos vi­tais.

Ocal­ça­do­com­so­lai­so­lan­te po­dein­ter­rom­pe­ro­ca­mi­nho­da cor­ren­te­e­lé­tri­ca,uma­vez­que li­mi­ta­a­cir­cu­la­ção­da­e­ner­gia em­po­ten­ci­ais­bai­xos­de­ten­são, mas­não­re­sol­ve­em­to­do­sos ca­sos.Mui­tas­ve­ze­sa­pes­soa po­de­to­car­co­mas­du­as­mãos uma­su­per­fí­ci­e­e­ner­gi­za­da­ea cor­ren­te­e­lé­tri­ca­vai­cir­cu­lar­de uma­mão­a­téa­ou­tra.Es­se “pas­seio”ex­põe­o­co­ra­çãoà cor­ren­te­e­lé­tri­ca­por­que­oór­gão es­tá­no­mei­o­do­ca­mi­nho.

“Nes­ta­si­tu­a­ção­o­cal­ça­do com­so­la­doi­so­lan­te­não re­sol­ve­o­pro­ble­ma.Acor­ren­te elé­tri­ca­po­dein­ter­rom­per­seus ba­ti­men­tos[co­ra­ção],eu­ma pa­ra­da­car­día­caé­su­fi­ci­en­te­pa­ra le­va­roin­di­ví­du­oà­mor­te­em pou­cos­mi­nu­tos”,ex­pli­caFá­bio Au­gus­toGen­ti­lin.

Aten­ção,sem­pre

Uma­re­gra­fun­da­men­tal ésem­pre­ter­cui­da­do co­me­qui­pa­men­to­se­ner­gi­za­dos, in­de­pen­den­te­se­são­chu­vei­ros, ba­te­dei­ras,se­ca­do­res­de­ca­be­lo ou­u­ma­sim­ples­to­ma­da.To­dos po­dem­re­pre­sen­tar­ris­co­de mor­te­se­es­ti­ve­re­mo­pe­ran­do­em con­di­çõe­sir­re­gu­la­res.

Opro­fes­so­ren­fa­ti­za­que to­do­o­e­qui­pa­men­to­e­lé­tri­co em­mal­fun­ci­o­na­men­to­po­de cau­sa­ru­ma­si­tu­a­ção­de­ris­co.O re­pa­ro­por­mei­o­de­as­sis­tên­cia téc­ni­ca­es­pe­ci­a­li­za­da­ou­mes­mo asubs­ti­tui­çãoé­ne­ces­sá­ri­o­pa­ra evi­ta­ra­ci­den­te­se­pro­te­ge­ra­vi­da de­que­mos­ma­ni­pu­la. /// Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.