Dil­ma re­cua e diz que po­de ter co­me­ti­do er­ro na eco­no­mia

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM - Agên­cia Es­ta­do re­da­cao@odi­a­rio.com

Na pri­mei­ra fa­la após os pro­tes­tos de do­min­go, pre­si­den­te dis­se que es­tá ‘aber­ta ao diá­lo­go’ Tam­bém vol­tou a prometer a en­tre­ga ao Con­gres­so de um pa­co­te de me­di­das an­ti­cor­rup­ção

A pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff ad­mi­tiu on­tem, que seu go­ver­no po­de ter co­me­ti­do “al­gum er­ro de do­sa­gem” na po­lí­ti­ca econô­mi­ca an­ti­cí­cli­ca ado­ta­da no pri­mei­ro­man­da­to.

“É pos­sí­vel que a gen­te pos­sa até ter até co­me­ti­do al­gum”, de­cla­rou a pe­tis­ta, em co­le­ti­va de im­pren­sa após a san­ção do No­vo Có­di­go do Pro­ces­so Ci­vil, no Pa­lá­cio do Pla­nal­to. A fa­la da pre­si­den­te foi a pri­mei­ra após a on­da de pro­tes­tos con­tra a cor­rup­ção e con­tra o go­ver­no no úl­ti­mo do­min­go em to­das as ca­pi­tais e vá­ri­as ci­da­des do in­te­ri­or.

Em seu dis­cur­so, ela en­fa­ti­zou que es­tá aber­ta ao diá­lo­go pa­ra re­sol­ver os even­tu­ais pro­ble­mas do go­ver­no e que são ne­ces­sá­ri­os al­gu­mas “cor­re­ções” na po­lí­ti­ca econô­mi­ca­do­go­ver­no­fe­de­ral.

Ape­sar de ter ad­mi­ti­do que pos­sa ter se equi­vo­ca­do, a pre­si­den­te des­ta­cou que a si­tu­a­ção atu­al se­ria pi­or ca­so a equi­pe econô­mi­ca de seus 4 anos ini­ci­ais não ti­ves­se em­pre­en­di- do me­di­das co­mo a de­so­ne­ra­ção da folha de pa­ga­men­tos e di­ver­sas sub­ven­ções econô­mi­cas pa­ra en­fren­tar um ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal ad­ver­so. “Tem gen­te que acha que a gen­te ti­nha de ter dei­xa­do al­gu­mas em­pre­sas que­bra­rem e os tra­ba­lha­do­res se de­sem­pre­ga­rem. Eu ten­do a achar que is­so era um cus­to mui­to gran­de pa­ra o País”, de­fen­deu­se. “É pos­sí­vel dis­cu­tir se po­dia ser um pou­co mais ou um pou­co me­nos”,pon­de­rou.

“Mes­mo um er­ro de do­sa­gem não jus­ti­fi­ca a si­tu­a­ção atu­al, com o País ne­ces­si­tan­do de um pe­sa­do ajus­te fis­cal pa­ra re­es­tru­tu­rar seus con­tas pú­bli­cas”, dis­se Dil­ma.

“A eco­no­mia não re­a­giu. Nin­guém po­de ne­gar que fi­ze­mos de tu­do pa­ra a eco­no­mia re­a­gir. Po­dem fa­lar que era me­lhor dei­xar que­brar. Eu não acre­di­to nis­so.”

O es­cân­da­lo na Petrobras, in­ves­ti­ga­do pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral, aba­lou a ima­gem do go­ver­no e do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res. O de­la­tor e ex-ge­ren­te da es­ta­tal, Pe­dro Ba­rus­co, re­la­tou que o par­ti­do re­ce­beu até US$ 200 mi­lhões em pro­pi­na do es­que­ma. A cor­rup­ção foi te­ma cen­tral nos pro­tes­tos de do­min­go. Em bus­ca de res­pos­tas, a pre­si­den­te re­no­vou uma pro­mes­sa de cam­pa­nha elei­to­ral, a de lan­çar um pa­co­te an­ti­cor­rup­ção pau­ta­do na re­du­ção­daim­pu­ni­da­de.

A pre­si­den­te che­gou a se emo­ci­o­nou ao fa­lar dos pro­tes­tos. Com a voz em­bar­ga­da, ela dis­se que “va­leu a pe­na” lu­tar por li­ber­da­de e de­mo­cra­cia. “Quan­do eu vi cen­te­nas e mi­lha­res de ci­da­dãos se ma­ni­fes­tan­do não pu­de dei­xar de pen­sar que va­leu a pe­na lu­tar pe­la li­ber­da­de, va­leu a pe­na lu­tar pe­la de­mo­cra­cia. Es­te País es­tá mais for­te que nun­ca”, de­cla­rou. Dil­ma afir­mou que o for­ta­le­ci­men­to das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas tor­na o País “ca­da vez mais im­per­meá­vel ao gol­pis­mo e ao re­tro­ces­so”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.