De­pu­ta­dos por Ma­rin­gá es­pe­ram mu­dan­ças

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM - Le­o­nar­do Fi­lho le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com

A ex­pec­ta­ti­va dos de­pu­ta­dos fe­de­rais ma­rin­ga­en­ses é que os ma­ni­fes­tos con­tra o go­ver­no no do­min­go sur­tam efei­tos em cur­to pra­zo. Par­la­men­ta­res aliados e con­trá­ri­os à pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT) ava­li­am que os atos or­ga­ni­za­dos nas ru­as ser­vem­de­a­ler­ta.

“Há ne­ces­si­da­de de um re­a­li­nha­men­to. Ti­rar do nú­cleo mais du­ro do go­ver­no os ra­di­cais, aque­les que não en­ten­dem a no­va or­dem. Não dá pa­ra ter gen­te den­tro do nú­cleo que não en­ten­de as coi­sas. Pa­ra vo­cê acer­tar é pre­ci­so com­pre­en­der o pro­ble­ma. Uma mu­dan­ça que po­de ocor­rer já”, afir­mou o vi­ce­lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos,Ri­car­doBar­ros(PP).

De acor­do com Bar­ros, que on­tem es­ta­va em Bra­sí­lia, a pre­si­den­te já vi­nha se sen­si­bi­li­zan­do­pa­ra­es­sas­mu­dan­ças.

Ou­tro que es­pe­ra mu­dan­ça é o de­pu­ta­do fe­de­ral Ed­mar Ar­ru­da (PSC), que fez du­ras crí­ti­cas à pos­tu­ra do go­ver­no em re­la­ção ao pro­tes­to. “Es­se go­ver­no es­tá dor­min­do. É pre­ci­so que uma mu­dan­ça mais for­te ocor­ra. Ob­je­ti­va­men­te: fi­quei fe­liz em ver o po­vo ir pa­ra as ru­as e por ou­tro a im­pres­são é que o go­ver­no não acordou. Es­ta­mos tra­ba­lhan­do uma re­for­ma po­lí­ti­ca e es­se ato nas ru­as aju­da a com­por a pau­ta de mu­dan­ças que são sig­ni­fi­ca­ti­vas”, co­men­tou.

Ou­tro que re­co­nhe­ce a ne­ces­si­da­de de mu­dan­ças é o de­pu­ta­do Luiz Nishi­mo­ri (PR). “O ato de on­tem, não é ape­nas con­tra o go­ver­no. É con­tra a clas­se po­lí­ti­ca em ge­ral. A so­ci­e­da­de não es­tá con­ten­te. Nós te­mos que mu­dar. É pre­ci­so em pri­mei­ro lu­gar di­mi­nuir as des­pe­sas do go­ver­no. Tan­to o go­ver­no fe­de­ral quan­to o es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal. Pre­ci­sa­mos di­mi­nuir nú­me­ros mi­nis­té­ri­os e re­du­zir as des­pe­sas”, des­ta­cou.

Úni­co re­pre­sen­tan­te ma­rin­ga­en­se no par­ti­do da pre­si­den­te, o de­pu­ta­do Enio Ver­ri (PT) viu o pro­tes­to uma re­la­ção di­re­ta com o re­sul­ta­do das úl­ti­mas elei­ções pre­si­den­ci­ais. “O per­fil de quem foi pa­ra rua é eli­te for­ma­da por elei­to­res do Aé­cio (Neves, can­di­da­to à Pre­si­dên­cia pe­lo PSDB), mas são ci­da­dãos bra­si­lei­ros que o go­ver­no tem sen­si­bi­li­da­de pa­ra ou­vir. As mu­dan­ças de­vem par­tir de uma pos­tu­ra mais rí­gi­da em re­la­ção à cor­rup­ção – co­mo já vem ocor­ren­do –, cri­mes he­di­on­dos e a re­for­ma po­lí­ti­ca. Ago­ra, a po­si­ção do go­ver­no é for­ta­le­cer os la­ços com o Con­gres­so Na­ci­o­nal e re­or­ga­ni­zar a ba­se de apoio e, tal­vez, até uma re­for­ma em al­guns mi­nis­té­ri­os.”

O so­ció­lo­go Ti­a­go Va­len­ci­a­no con­cor­da que há um gri­to por mu­dan­ças no País, no en­tan­to, vê com res­sal­vas al­gu­mas in­ten­ções dos mo­vi­men­tos do úl­ti­mo do­min­go. “Sa­be­mos que há um in­te­res­se da opo­si­ção em des­gas­tar a ima­gem da pre­si­den­te e do go­ver­no fe­de­ral por um la­do e, por ou­tro, há uma par­ce­la in­dig­na­da com a si­tu­a­ção atu­al: cor­rup­ção, im­pu­ni­da­de, go­ver­nos fa­li­dos, en­tre ou­tras si­tu­a­ções. O ato nos de­mons­trou es­tas di­ver­sas fa­ces do mo­vi­men­to, que es­tá lon­ge de ser úni­co, in­di­vi­sí­vel”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.