En­ti­da­des são con­tra au­men­to de ve­re­a­do­res

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - /// Le­o­nar­do­Fi­lho

A vol­ta da dis­cus­são so­bre o au­men­to no nú­me­ro de ve­re­a­do­res na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Ma­rin­gá (CMM) – de 15 pa­ra 23 – re­a­ti­vou um mo­vi­men­to en­ca­be­ça­do pe­la As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al e Em­pre­sa­ri­al de Ma­rin­gá (Acim). Com o no­me de ‘Pa­lha­ça­da’, a cam­pa­nha vi­sa pres­si­o­nar o Le­gis­la­ti­vo pa­ra que não pros­si­ga com o pro­je­to. On­tem, pe­la pá­gi­na ofi­ci­al da en­ti­da­de em uma re­de social, foi fei­ta uma con­vo­ca­ção pa­ra que a co­mu­ni­da­de fos­se ao ple­ná­rio da Câ­ma­ra acom­pa­nhar a reu­nião or­di­ná­ria, no en­tan­to, no iní­cio da tar­de, a as­ses­so­ria de im­pren­sa da CMM emi­tiu uma no­ta ofi­ci­al in­for­man­do que não ha­via ne­nhum pro­je­to pro­to­co­la­do so­bre au­men­to o nú­me­ro de ve­re­a­do­res. Ain­da se­gun­do a Câ­ma­ra, “o as­sun­to es­tá sen­do de­ba­ti­do com se­to­res da so­ci­e­da­de. No mo­men­to em que hou­ver um pro­je­to so­bre­es­se­te­ma­o­pre­si­den­te­con­vo­ca­rá en­tre­vis­ta co­le­ti­va, in­for­man­do a to­dos. O as­sun­to es­tá sen­do tra­ta­do com res­pon­sa­bi­li­da­de e to­tal trans­pa­rên­cia”. O Pro­con de Ma­rin­gá con­se­guiu re­sol­ver 88% das re­cla­ma­ções que re­ce­beu em to­do o ano de 2014. Ou­tras quei­xas, que re­pre­sen­tam 12%, trans­for­ma­ram-se­em­pro­ces­so­ad­mi­nis­tra­ti­vo. Sem o ba­lan­ço anu­al fe­cha­do, o ge­ren­te do Pro­con, Edu­ar­do Es­te­ves, es­ti­ma que a mai­o­ria das re­cla­ma­ções se re­fe­re à te­le­fo­nia fi­xa e mó­vel, se­gui­da de re­cla­ma­ções re­la­ci­o­na­das a as­sun­tos fi­nan­cei­ros. “Con­se­gui­mos re­sol­ver en­tre 85% e 90% dos ca­sos no bal­cão, na ho­ra do aten­di­men­to”, diz ao ex­pli­car o al­to por­cen­tu­al de re­so­lu­ti­vi­da­de­das­quei­xas.

Se­gun­do Es­te­ves, ao mes­mo tem­po em que o con­su­mi­dor re­cla­ma, o ór­gão en­tra em con­ta­to com a em­pre­sa e bus­ca um acor­do. “A mai­o­ria das em­pre­sas dis­po­ni­bi­li­za ca­nais ex­clu­si­vos pa­ra o Pro­con, não são os mes­mos­for­ne­ci­do­sa­o­con­su­mi­dor”, re­la­ta. Pa­ra as em­pre­sas é me­lhor en­trar em acor­do do que re­ce­ber uma mul­ta que po­de ser pe­sa­da, de­pen­den­do do ca­so. “Pa­ra fi­xar a mul­ta, é con­si­de­ra­da a gra­vi­da­de da in­fra­ção, se a em­pre­sa é rein­ci­den­te ou não e o por­te do es­ta­be­le­ci­men­to”, com­ple­ta. Ele diz que o ob­je­ti­vo do Pro­con é bus­car uma so­lu­ção pa­ra o pro­ble­ma apre­sen­ta­do pe­lo con­su­mi­dor. “Vi­sa­mos sem­pre a con­ci­li­a­ção, não é in­te­res­san­te mul­tar a em­pre­sa, mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.