Bo­ves­pa tem mai­or al­ta desde se­te de ja­nei­ro

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Cla­ris­sa Man­guei­ra Agên­cia Es­ta­do

A for­te en­tra­da de es­tran­gei­ros na Bo­ves­pa, à pro­cu­ra de bar­ga­nhas di­an­te da va­lo­ri­za­ção do dó­lar, le­vou a bol­sa a fe­char, on­tem, na mai­or al­ta por­cen­tu­al desde o dia se­te de ja­nei­ro. De acor­do­co­ma­na­lis­tas,as­de­cla­ra­ções­do­mi­nis­tro­doP­la­ne­ja­men­to, Nél­son Bar­bo­sa, so­bre al­gu­mas me­di­das fis­cais, so­ma­das à ex­pec­ta­ti­va por um pa­co­te de in­cen­ti­vo na China e ao pla­no da Petrobras de se des­fa­zer de ati­vos,con­tri­buí­ram­pa­ra­o­for­te­de­sem­pe­nho­da­bol­sa­bra­si­lei­ra.

O Ibo­ves­pa su­biu 2,94%, aos 50.285,12 pon­tos. O vo­lu­me de ne­gó­ci­os to­ta­li­zou R$ 7,159 bi­lhões. No ano, o Ín­di­ce tem al­ta de 0,56%, mas ain­da acu­mu­la per­da­de2,52%,no­mês.

No mer­ca­do de câm­bio, o dó­lar, ne­go­ci­a­do à vis­ta no bal­cão,de­pois­de­su­bir,pra­ti­ca­men­te, por to­da a ses­são, de­vol­veu os ga­nhos­naúl­ti­maho­ra­de­ne­go­ci­a­ção e fe­chou es­tá­vel. No fim do dia,amo­e­da­nor­te-ame­ri­ca­na­fe­chou­co­ta­da­aR$3,246.Osa­na­lis­ta­sa­tri­buí­ra­mo­en­fra­que­ci­men­to da di­vi­sa ao mo­vi­men­to de en­tra­da­de­com­pra­do­re­ses­tran­gei­ros na Bol­sa.

to o go­ver­no re­du­zi­ram os gas­tos em con­tra­ta­ções, prin­ci­pal­men­te de ser­vi­ços de in­for­má­ti­ca. Foi um cor­te mui­to for­te”, ava­li­ou Roberto Sal­da­nha, téc­ni­co da Co­or­de­na­ção de Ser­vi­ços e Co­mér­cio do IBGE.

Os contratos não es­tão sen­do re­no­va­dos ou es­tão sen­do adi­a­dos,con­touSal­da­nha.Oscon­tra­tos rom­pi­dos in­clu­em os de te­le­co­mu­ni­ca­ção, in­for­má­ti­ca e ser­vi­ços téc­ni­co-pro­fis­si­o­nais, que abran­gem con­sul­to­ria, publicidade e pro­pa­gan­da, e en­ge­nha­ria e ar­qui­te­tu­ra.

No en­tan­to, fo­ram man­ti­dos os gas­tos com ser­vi­ços ad­mi­nis­tra­ti­vos e com­ple­men­ta­res, con­si­de­ra­dos bá­si­cos. “São aque­les que as em­pre­sas têm que man­ter, co­mo ser­vi­ços de por­ta­ria, lim­pe­za, se­gu­ran­ça. O que po­de ser cor­ta­do ou adi­a­do, as em­pre­sas cor­tam”, fri­sou Sal­da­nha.

O Es­ta­do de São Pau­lo, que res­pon­de por pou­co mais de 40% da pes­qui­sa, foi atin­gi­do pe­lo cor­te de gas­tos de em­pre­sas pri­va­das. A re­cei­ta no­mi­nal do se­tor cres­ceu ape­nas 0,4%. “São Pau­lo tem a mai­or con­cen­tra­ção em­pre­sa­ri­al. Por is­so, tem o mai­or pe­so den­tro do se­tor de ser­vi­ços. As mai­o­res em­pre­sas, que jus­ta­men­te re­du­zi­ram es­sa con­tra­ta­ção de ser­vi­ços, es­tão em São Pau­lo”,con­cluiuSal­da­nha.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.