Go­ver­no es­tu­da cri­ar im­pos­to so­bre he­ran­ça

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Agên­cia Es­ta­do re­da­cao@odi­a­rio.com

No Se­na­do, o mi­nis­tro do Pla­ne­ja­men­to, Nél­son Bar­bo­sa afir­ma que me­di­da é me­nos com­pli­ca­da que a ta­xa­ção de for­tu­nas.

O go­ver­no ana­li­sa a co­bran­ça de im­pos­tos so­bre he­ran­ça, afir­mou,on­tem,omi­nis­tro­doP­la­ne­ja­men­to, Nél­son Bar­bo­sa, em re­fe­rên­cia a uma das me­di­das de ajus­te fis­cal que es­tá sen­do de­man­da­da pe­los par­la­men­ta­res do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT) pa­ra apoi­ar as me­di­das de aper­to nas con­tas pú­bli­cas.

Fa­lan­do em uma au­di­ên­cia ten­sa na Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cas (CAE) do Se­na­do que du­rou mais de cin­co ho­ras, Bar­bo­sa ad­mi­tiu que o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da ana­li­sa a tri­bu­ta­ção so­bre he­ran­ças, ex­pli­can­do que es­se ti­po de co­bran­ça é ado­ta­da por vá­ri­os paí­ses e que é me­nos com­pli­ca­da que a ta­xa­ção so­bre gran­des for­tu­nas. “Tri­bu­tos­so­bre­gran­des­for­tu­nas­po­de­ri­am ge­rar mo­vi­men­tos es­pe­cu­la­ti­vos”, des­ta­cou.

So­bre a re­cen­te es­ca­la­da do dó­lar, o mi­nis­tro afir­mou que a si­tu­a­ção do câm­bio no Bra­sil não é de descontrole. Se­gun­do Bar­bo­sa, a mo­e­da norte-ame­ri­ca­na se es­ta­bi­li­za­rá em pa­ta­mar mais ele­va­do. “É re­a­li­nha­men­to da ta­xa de câm­bio a no­vas con­di­ções in­ter­nas e ex­ter­nas”, res­sal­tou. Ele acres­cen­tou que a al­ta da di­vi­sa­nor­te-ame­ri­ca­naé­mun­di­al e tam­bém ad­vém da des­va­lo­ri­za­ção­das­com­mo­di­ti­es.

Pro­gra­ma­cam­bi­al

So­bre o fu­tu­ro do pro­gra­ma de swaps cam­bi­ais, Bar­bo­sa afir­mou que a de­ci­são so­bre os lei­lões ca­be ao Ban­co Cen­tral “até pa­ra não pro­vo­car ruí­do”. Ele de­cla­rou que o pro­gra­ma tem cus­to e que es­sa des­pe­sa é trans­pa­ren­te, mas só co­nhe­ci­da após a flu­tu­a­ção cam­bi­al. “Não há co­mo pre­ver an­te­ci­pa­da­men­te ocus­to­doswap”,re­cor­dou.

O mi­nis­tro dis­se que as va­ri­a­ções cam­bi­ais têm efei­to na in­fla­ção, mas re­for­çou que a ten­dên­cia é de de­sa­ce­le­ra­ção na al­ta dos pre­ços em 2016. “O câm­bio é flu­tu­an­te e mu­da de pa­ta­mar e nes­sa mu­dan­ça cria efei­tos tem­po­rá­ri­os so­bre a in­fla­ção”, fri­sou.

Na opi­nião de­le, o País pas­sa di­fi­cul­da­des, mas não por uma cri­se. Ele afir­mou que o Bra­sil co­me­ça a “su­bi­da da ladeira” e que a ex­pan­são econô­mi­ca se ve­rá a par­tir do ter­cei­ro tri­mes­tre. Ele tam­bém dei­xou cla­ro, pa­ra a opo­si­ção, que hou­ve er­ros e acer­tos no go­ver­no do PT, as­sim co­mo ocor­reu nas ges­tões an­te­ri­o­res. Ele sa­li­en­tou que a eco­no­mi­a­nãoéum­ter­re­no­pla­no­e­que há al­tos e bai­xos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.