Or­gu­lho de ser eli­te

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Di­zem por aí que não de­ve­mos dis­cu­tir fu­te­bol, re­li­gião e po­lí­ti­ca. Não con­cor­do. Aliás, não acho que exis­ta as­sun­to que não pos­sa ser dis­cu­ti­do. O pro­ble­ma não é o te­ma da dis­cus­são. É a ma­nei­ra co­mo o abor­da­mos. O que faz mui­tos dei­xa­rem o bom e ve­lho de­ba­te e par­ti­rem pa­ra a agres­são ver­bal é a di­fi­cul­da­de de res­pei­tar a opi­nião alheia. E es­se res­pei­to não se tra­duz ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­lo si­lên­cio. Não pre­ci­so dei­xar de di­zer o que pen­so pa­ra res­pei­tar al­guém. Há até quem de­fen­da a te­se de que o si­lên­cio é es­co­lha dos sá­bi­os. Há con­tro­vér­si­as. Às ve­zes po­de ser co­var­dia. Por tu­do is­so, sei que, ao es­cre­ver o que pen­so, pa­go um pre­ço. Mas pos­so pa­gar em 3x no car­tão, por­tan­to fico sos­se­ga­da. Nos úl­ti­mos me­ses te­nho par­ti­ci­pa­do de mui­tas dis­cus­sões so­bre po­lí­ti­ca, prin­ci­pal­men­te no mundo vir­tu­al. Não sou pro­fun­da co­nhe­ce­do­ra do as­sun­to. Ja­mais te­ria com­pe­tên­cia pa­ra ser uma co­lu­nis­ta des­sa área. Ex­ter­no o que pen­so – e sin­to – co­mo ci­da­dã. E em vir­tu­de das re­cen­tes ma­ni­fes­ta­ções, uma na úl­ti­ma sex­ta, dia 13, e a ou­tra, no do­min­go, 15, o cli­ma es­quen­tou nas re­des so­ci­ais. Eu mes­ma pas­sei o do­min­go par­ti­ci­pan­do de de­ba­tes aca­lo­ra­dos. Não sei se al­guém clas­si­fi­cou al­gum co­men­tá­rio ou pos­ta­gem meus co­mo des­res­pei­to­sos. O fa­to é que, por mais que eu che­gue a prometer que vou me isen­tar, não aguen­to fi­car qui­e­ta. Não saí às ru­as por um mo­ti­vo sim­ples: es­ta­va com uma cri­se de ri­ni­te in­su­por­tá­vel. Mas ti­ve vi­são pa­no­râ­mi­ca do apartamento on­de mo­ro. Gra­vei pe­lo ce­lu­lar, con­ver­sei com meus fa­mi­li­a­res so­bre o que es­ta­va acon­te­cen­do. Meu ma­ri­do e nos­so ca­çu­la fo­ram, re­pre­sen­tan­do a fa­mí­lia. E ele, o ca­çu­la, do al­to dos seus 8 anos, per­gun­tou pa­ra mim por que as pes­so­as não fi­ze­ram ma­ni­fes­ta­ções an­tes. E tam­bém quis sa­ber o que o go­ver­no acha­va da­qui­lo tu­do. Con­si­de­ran­do que dia des­ses ele me fa­lou, es­pan­ta­do, que o dó­lar es­ta­va nas al­tu­ras, nem me es­pan­tei com a precocida­de dos seus ques­ti­o­na­men­tos. E a con­ver­sa so­bre po­lí­ti­ca tem que acon­te­cer na­tu­ral­men­te. Não é pre­ci­so fa­zer uma pa­les­tra du­ran­te o jan­tar em fa­mí­lia. Mas ca­da uma, as­sim co­mo trans­mi­te aos fi­lhos ou­tros va­lo­res, de­ve pro­vo­car ne­les es­sas re­fle­xões. Aqui em ca­sa não te­mos par­ti­do po­lí­ti­co. E nem qu­e­re­mos ter. Não qu­e­re­mos im­pe­a­ch­ment ou di­ta­du­ra. So­mos in­te­li­gen­tes. Só de­se­ja­mos ver­go­nha na ca­ra. Se­ria um bom co­me­ço. Em meio a tu­do is­so, co­me­cei a me in­co­mo­dar ao ver que, por te­cer crí­ti­cas ao go­ver­no atu­al, co­me­cei a ser ro­tu­la­da co­mo “eli­te”. Não di­re­ta­men­te, é cla­ro, que mui­tos que­rem se man­ter no meu tes­ta­men­to. Foi uma cu­tu­ca­da aqui, ou­tra aco­lá. En­tão co­me­cei a con­ca­te­nar com meus bo­tões pa­ra ver se re­al­men­te me­re­cia o tí­tu­lo. A con­clu­são? Sou sim. Com or­gu­lho. Mas não a eli­te do di­ci­o­ná­rio, o qual traz, den­tre ou­tros sig­ni­fi­ca­dos, o ter­mo “es­có­ria”. Não a eli­te que sim­bo­li­za pes­so­as que se jul­gam su­pe­ri­o­res às ou­tras por cau­sa da con­ta ban­cá­ria. A eli­te que ba­ta­lha com ho­nes­ti­da­de do nas­cer ao pôr-do-sol pa­ra con­quis­tar seu es­pa­ço. E não es­tou fa­lan­do ne­ces­sa­ri­a­men­te de uma va­ran­da gour­met. Aliás, faz pou­co tem­po que des­co­bri per­ten­cer a es­sa ca­ma­da social. Foi um salto e tan­to. Uma bai­ta as­cen­são. Quan­do fi­quei sa­ben­do, em um ím­pe­to qua­se co­lo­quei um anún­cio no jor­nal con­tra­tan­do um mo­to­ris­ta e uma go­ver­nan­ta. Sei lá… sem­pre achei que a eli­te de­ve­ria ter um mo­to­ris­ta e uma go­ver­nan­ta. Mas… que­rem sa­ber? É bom ser da eli­te. Por­que sou de uma eli­te que tra­ba­lha, que pa­ga ri­go­ro­sa­men­te seus im­pos­tos. Sou de uma eli­te que pa­ra na fai­xa de pe­des­tre e que não jo­ga li­xo no chão. Sou de uma eli­te que acor­da às 5h30 e dor­me ao ba­da­lar das 23h30. Uma eli­te que dá au­la, es­cre­ve, cor­ri­ge pro­vas, la­va, co­zi­nha, vai à aca­de­mia, faz bo­lo de cho­co­la­te, faxina e com­pras no su­per­mer­ca­do. Sou da eli­te sim. Por is­so te­nho ca­sa pró­pria, um car­ro e ce­lu­lar. Mas, pas­mem vo­cês, nun­ca ga­nhei na lo­te­ria. Nem rou­bei. Nem me ven­di. Sou da eli­te que sua a ca­mi­se­ta. Ou o ja­le­co, no meu ca­so. Sou da eli­te cu­jos pais não pu­de­ram ofe­re­cer na­da além da es­co­la pú­bli­ca. Tal­vez por ser da eli­te, eu per­gun­te a quem me pas­sa um nú­me­ro de te­le­fo­ne “é da TIM?”. Ou en­tão pe­ça pa­ra a ven­de­do­ra da lo­ja par­ce­lar a mi­nha com­pra. Eli­te que se pre­za não pa­ga à vis­ta. Eu sou eli­te. Eli­te bran­ca. Mas se eu tra­ba­lhar me­nos pos­so ter mais tem­po pa­ra pe­gar um sol­zi­nho e me trans­for­mar em eli­te bron­ze­a­da. No fun­do acho que quem cri­ti­ca a eli­te qu­e­ria mes­mo é ser co­mo ela. Co­mo não con­se­gue, me­lhor man­dar pra fo­guei­ra. Mas me per­do­em por tan­to “mi mi mi”. É bem coi­sa de eli­te fa­zer is­so. Eli­te que es­tá far­ta de tan­to “blá blá blá”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.