O mo­men­to Ma­ria An­to­ni­e­ta do PT

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

No úl­ti­mo do­min­go, as­sis­tin­do à en­tre­vis­ta que dois mi­nis­tros con­ce­de­ram pa­ra re­per­cu­tir as ma­ni­fes­ta­ções ocor­ri­das ao lon­go do dia, fi­quei mal im­pres­si­o­na­do. Em particular, as de­cla­ra­ções do mi­nis­tro Mi­guel Ros­set­to, res­pon­sá­vel pe­la in­ter­lo­cu­ção do go­ver­no com a so­ci­e­da­de ci­vil, so­a­ram co­mo uma re­e­di­ção tar­dia do com­por­ta­men­to da rai­nha Ma­ria An­to­ni­e­ta, aque­la que, na ex­plo­são da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, te­ria re­co­men­da­do que o po­vo, na fal­ta de pão, co­mes­se bri­o­ches. O mi­nis­tro não foi tão lon­ge, mas sua de­cla­ra­ção mos­trou, a meu juí­zo, que o go­ver­no não es­tá ten­do su­fi­ci­en­te di­men­são da cri­se. O que ele dis­se? Afir­mou que os ma­ni­fes­tan­tes eram os re­pre­sen­tan­tes da eli­te que ha­via vo­ta­do em Aé­cio Neves. Na ter­ça-fei­ra, na pri­mei­ra pá­gi­na de O Diá­rio, o de­pu­ta­do Enio Ver­ri re­per­cu­tiu o mes­mo pon­to de vis­ta, si­nal de que se tra­ta de uma ava­li­a­ção ins­ti­tu­ci­o­nal. Sub­ja­cen­te à opi­nião emi­ti­da es­tá a cli­va­gem da so­ci­e­da­de por cor­ren­te po­lí­ti­ca: a eli­te es­tá na opo­si­ção e o po­vão es­tá com o go­ver­no. Co­mo o po­vão for­ma a mai­o­ria, as coi­sas es­ta­ri­am sob con­tro­le. Ha­ven­do pão pa­ra o po­vo, que a eli­te re­cla­me da fal­ta ou da qua­li­da­de dos bri­o­ches. Os ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa es­tão ela­bo­ran­do um di­ag­nós­ti­co do per­fil dos ma­ni­fes­tan­tes. Adi­an­to que co­nhe­ço pes­so­as que par­ti­ci­pa­ram da ma­ni­fes­ta­ção e não se re­co­nhe­cem nos es­tra­tos so­ci­ais eli­ti­za­dos. Se­ja co­mo for, ain­da que ha­ja pre­do­mi­nân­cia de pes­so­as da clas­se mé­dia, co­mo su­ge­ri­ram os agen­tes pú­bli­cos ci­ta­dos, is­so não de­ve­ria ser­vir pa­ra tran­qui­li­zar o go­ver­no e o par­ti­do da pre­si­den­te. Pa­ra sub­si­di­ar o de­ba­te, ci­to uma te­se de­sen­vol­vi­da pe­lo ci­en­tis­ta po­lí­ti­co André Singer. Em li­vro pre­co­ce­men­te cé­le­bre, ele apon­tou que a ex­pe­ri­ên­cia pe­tis­ta no go­ver­no, prin­ci­pal­men­te após o es­cân­da­lo de 2005, co­nhe­ci­do co­mo “men­sa­lão”, pro­vo­cou um des­lo­ca­men­to de sua ba­se elei­to­ral. Até 2002, na pri­mei­ra vi­tó­ria do pre­si­den­te Lu­la, o PT de­ti­nha for­te acei­ta­ção de ope­rá­ri­os qua­li­fi­ca­dos e de am­plos bol­sões da clas­se mé­dia. De­pois hou­ve a ade­são das po­pu­la­ções de bai­xa ren­da e pre­ca­ri­za­das, por in­ter­mé­dio das po­lí­ti­cas go­ver­na­men­tais de in­clu­são, e o pro­gres­si­vo afastamento das clas­ses mé­di­as. Es­se fenô­me­no ele ba­ti­zou de “Lu­lis­mo”. Ele de­sen­vol­veu sua te­se quan­do o “lu­lis­mo” es­ta­va no au­ge, mas apon­tou su­as li­mi­ta­ções. Pri­mei­ro, era um re­for­mis­mo fra­co, se­ja no cam­po econô­mi­co, se­ja no cam­po das ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas. Se­gun­do, con­for­ma­va uma “he­ge­mo­nia pas­si­va”, ou se­ja, es­ta­va as­sen­ta­do em mai­o­ria de pes­so­as de bai­xís­si­ma ca­pa­ci­da­de de mo­bi­li­za­ção, tra­di­ci­o­nal­men­te de­pen­den­tes do Es­ta­do. Que aque­le ci­clo es­ta­va mais ou me­nos es­go­ta­do, econô­mi­ca e po­li­ti­ca­men­te, era fa­to de­ba­ti­do até mes­mo nos mei­os po­lí­ti­cos go­ver­na­men­tais, no pe­río­do an­te­ri­or à elei­ção. A ace­le­ra­ção da con­jun­tu­ra foi con­tun­den­te de­mais pa­ra ser me­nos­pre­za­da. Em mi­nha opi­nião, fal­ta ao par­ti­do go­ver­nis­ta com­pre­en­der por que per­deu apoio de am­plos se­to­res da clas­se mé­dia. Uma pis­ta pa­ra es­sa re­fle­xão co­me­ça pe­la cons­ta­ta­ção de que há mui­tos ex-elei­to­res do PT fu­ri­o­sa­men­te na opo­si­ção, frus­tra­dos pe­lo cur­so dos acon­te­ci­men­tos, en­tre os quais os su­ces­si­vos es­cân­da­los, ou pe­las pro­mes­sas não re­a­li­za­das. Além do mais, quem tem amor ao pes­co­ço não tra­ta ma­ni­fes­ta­ções vi­go­ro­sas, quais­quer que se­jam seus ma­ti­zes po­lí­ti­cos, com des­dém. Se não de­ci­frar es­se enig­ma, a es­fin­ge da cri­se de­vo­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.