Mul­tas de até R$ 60 mi­lhões

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM -

De­cre­to que re­gu­la­men­ta a Lei An­ti­cor­rup­ção as­si­na­do, on­tem, pe­la pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff es­ta­be­le­ce a do­si­me­tria das mul­tas que de­ve­rão ser apli­ca­das às em­pre­sas que pra­ti­ca­rem des­vi­os em contratos com ór­gãos pú­bli­cos e os cri­té­ri­os do acor­do de le­ni­ên­cia, em que os acu­sa­dos acei­tam co­o­pe­rar com au­to­ri­da­des em tro­ca de pu­ni­ções mais bran­das. O tex­to, es­pe­ra­do desde que a lei en­trou em vi­gor, em ja­nei­ro do ano pas­sa­do, se­rá pu­bli­ca­do ho­je.

A re­por­ta­gem te­ve aces­so à ín­te­gra do de­cre­to, que es­ta­be­le­ce mul­tas de até R$ 60 mi­lhões, quan­do não for pos­sí­vel apu­rar o fa­tu­ra­men­to bru­to da em­pre­sa e apli­car o por­cen­tu­al de 20% pre­vis­to pe­la lei, e faz par­te do “pa­co­te an­ti­cor­rup- ção” lan­ça­do por Dil­ma, uma pro­mes­sa de cam­pa­nha e uma res­pos­ta aos pro­tes­tos con­tra o go­ver­no (mais in­for­ma­ções ao la­do). “Com­ba­ter ener­gi­ca­men­te a cor­rup­ção sig­ni­fi­ca de­mo­cra­ti­zar o po­der. A cor­rup­ção rou­ba o po­der le­gí­ti­mo do po­vo. Ela ofen­de e hu­mi­lha os tra­ba­lha­do­res, di­mi­nui a im­por­tân­cia do tra­ba­lho ho­nes­to”, afir­mou Dil­ma.

O de­cre­to diz que ca­be à Con­tro­la­do­ria-Ge­ral da União (CGU) ce­le­brar os acor­dos de le­ni­ên­cia, sem par­ti­ci­pa­ção de ou­tros ór­gãos. O Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral co­bram par­ti­ci­pa­ção nas ne­go­ci­a­ções an­tes de se­rem­con­cluí­das.

Pa­ra uma em­pre­sa fa­zer o acor­do de le­ni­ên­cia, ela de­ve ad- mi­tir par­ti­ci­pa­ção na in­fra­ção ad­mi­nis­tra­ti­va e for­ne­cer in­for­ma­ções, do­cu­men­tos e ele­men­tos que com­pro­vem o ato le­si­vo. A pro­pos­ta do acor­do po­de­rá ser fei­ta até a con­clu­são do Pro­ces­so Ad­mi­nis­tra­ti­vo­deRes­pon­sa­bi­li­za­ção(PAR).

A ne­go­ci­a­ção so­bre a le­ni­ên­cia de­ve ser con­cluí­da em 180 di­as e tra­mi­ta­ção si­gi­lo­sa. Se­gun­do o mi­nis­tro da CGU, Val­dir Si­mão, após o ter­mi­no da ce­le­bra­ção do acor­do, ca­so sur­jam fa­tos no­vos re­la­ci­o­na­dos a des­vi­os da em­pre­sa, há a pos­si­bi­li­da­de de se fa­zer adi­ti­vos ao pro­ces­so ou ini­ci­ar um no­vo. Ce­le­bra­do o acor­do, a mul­ta da em­pre­sa cor­rup­to­ra po­de ser re­du­zi­da em até 2/3. /// Eri­ch De­cat/Agên­cia Es­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.