Go­ver­no de­ve ce­der e abran­dar me­di­das fis­cais

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA GERAL - ///JoãoVil­la­ver­de/AE

O go­ver­no fe­de­ral de­ve ce­der aos ape­los de em­pre­sá­ri­os e sin­di­ca­lis­tas pa­ra que al­gu­mas me­di­das que com­põem o ajus­te fis­cal se­jam abran­da­das. Sem abrir mão dos ob­je­ti­vos de res­trin­gir o aces­so à be­ne­fí­ci­os, co­mo o se­gu­ro-de­sem­pre­go e as pen­sões por mor­te, e de ele­var a tri­bu­ta­ção so­bre o fa­tu­ra­men­to das em­pre­sas an­tes be­ne­fi­ci­a­das com a de­so­ne­ra­ção da folha de pa­ga­men­tos, o Pla­nal­to tra­ba­lha com mu­dan­ças pon­tu­ais nas pro­pos­tas. On­tem, até o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Silva foi en­vol­vi­do no de­ba­te.

O jor­nal “O Es­ta­do de S. Pau­lo” apu­rou que uma das idei­as é que o pro­je­to de lei que se­rá en­vi­a­do pe­lo go­ver­no ao Con­gres­so Na­ci­o­nal em subs­ti­tui­ção à me­di­da pro­vi­só­ria con­te com uma ele­va­ção gra­du­al da alí­quo­ta da con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria que in­ci­de no fa­tu­ra­men­to das em­pre­sas dos 56 se­to­res que con­tam com a de­so­ne­ra­ção da folha de sa­lá­ri­os. On­tem, o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Jo­a­quim Levy, con­fir­mou que o pro­je­to te­rá mu­dan­ças em re­la­ção ao de­se­ja­do ini­ci­al­men­te. “Ain­da não de­fi­ni­mos exa­ta- men­te o con­tor­no, mas o pro­je­to de­ve aten­der às ne­ces­si­da­des de fi­nan­ci­a­men­to da Pre­vi­dên­cia, ao mes­mo tem­po em que res­pon­da a al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções do se­tor pri­va­do”, afir­mou.

Ini­ci­al­men­te, o go­ver­no ti­nha co­mo ob­je­ti­vo uma al­ta só nes­sas alí­quo­tas, que en­tra­ri­am em vi­gor em ju­nho. As em­pre­sas que con­tam com uma alí­quo­ta de um por cen­to so­bre o fa­tu­ra­men­to te­ri­am o im­pos­to ele­va­do a 2,5% e os se­to­res que ho­je re­co­lhe­mu­ma­a­lí­quo­ta­de2%àP­re­vi­dên­cia pas­sa­ri­am a pa­gar 4,5%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.