Ao nos­so cri­a­dor Tú­pac Amaru I

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Apre­sen­to ho­je aos lei­to­res, tra­du­zi­do por mim, um tex­to do gran­de es­cri­tor pe­ru­a­no Jo­sé Ma­ría Ar­gue­das, cu­ja obra foi to­da de­di­ca­da ao co­nhe­ci­men­to e ex­pres­são da cul­tu­ra in­dí­ge­na do Pe­ru. “Tú­pac Amaru, fi­lho do Deus Ser­pen­te; fei­to com a ne­ve do Sal­can­tay [Pi­co da Cor­di­lhei­ra dos An­des]; tua som­bra che­ga ao pro­fun­do co­ra­ção co­mo a som­bra do deus mon­ta­nha, sem ces­sar e sem li­mi­tes. Teus olhos de Ser­pen­te Deus que bri­lha­vam co­mo o cris­ta­li­no de to­das as águi­as pu­de­ram ver o por­vir, pu­de­ram ver dis­tan­te. Aqui es­tou, for­ta­le­ci­do por teu san­gue, não mor­to, gri­tan­do, to­da­via. Es­tou gri­tan­do, sou teu po­vo; tu fi­zes­te de no­vo mi­nha al­ma; mi­nhas lá­gri­mas as fi­zes­te de no­vo; mi­nha fe­ri­da or­de­nas­te que não se fe­chas­se, que do­es­se ca­da vez mais. Desde o dia em que tu fa­las­te, desde o tem­po em que lu­tas­te com o ace­ra­do e san­gui­ná­rio es­pa­nhol, desde o ins­tan­te em que lhe es­cul­pis­te a ca­ra; desde quan­do teu fer­ven­te san­gue se der­ra­mou so­bre a fer­ven­te ter­ra, em meu co­ra­ção se apa­gou a paz e a re­sig­na­ção. Não há se­não fo­go, não há se­não ódio de ser­pen­te con­tra os demô­ni­os, nos­sos amos. / Es­tá can­tan­do o rio,/ es­tá cho­ran­do a ca­lan­dria [pás­sa­ro pe­ru­a­no],/ es­tá dan­do vol­tas no ven­to; /dia e noi­te a pa­lha da es­te­pe vi­bra; / nos­so rio sa­gra­do es­tá bra­min­do; /nas cris­tas dos nos­sos Wa­ma­nis [deu­ses an­di­nos] mon­ta­nhas, em seus den­tes, a ne­ve go­te­ja e bri­lha./ On­de es­tás desde que te ma­ta­ram por nós? // Pai nos­so, es­cu­ta aten­ta­men­te a voz dos nos­sos ri­os; es­cu­ta as te­mí­veis ár­vo­res da gran­de sel­va; o can­to en­de­mo­ni­a­do, al­vís­si­mo do mar; es­cu­te-os, pai meu, Ser­pen­te Deus. Es­ta­mos vi­vos; to­da­via so­mos! Do mo­vi­men­to dos ri­os e das pe­dras, da dan­ça das ár­vo­res e mon­ta­nhas, de seu mo­vi­men­to, be­be­mos san­gue po­de­ro­so, ca­da vez mais for­te. Nós es­ta­mos le­van­tan­do, por tua cau­sa, re­cor­dan­do teu no­me e tua mor­te! Nos po­vos, com seus co­ra­ções pe­que­ni­nhos, es­tão cho­ran­do os me­ni­nos. Nas pu­nas [ter­ra al­ta, pró­xi­ma à Cor­di­lhei­ra dos An­des], sem rou­pa, sem cha­péu, sem abri­go, qua­se ce­gos, os ho­mens es­tão cho­ran­do, mais tris­te, mais tris­te­men­te que os me­ni­nos. Sob a som­bra de al­gu­ma ár­vo­re, to­da­via, cho­ra o ho­mem, Ser­pen­te Deus, per­se­gui­do, co­mo fi­las de pi­o­lhos, mais fe­ri­do que em seu tem­po; es­cu­ta a vi­bra­ção do meu cor­po! Es­cu­ta o frio do meu san­gue, seu tre­mor ge­la­do. Es­cu­ta so­bre a ár- vo­re de lam­bras o can­to da pom­ba aban­do­na­da, nun­ca ama­da; o pran­to do­ce dos não cau­da­lo­sos ri­os, dos ma­nan­ci­ais que su­a­ve­men­te bro­tam ao mundo. So­mos ain­da, vi­ve­mos! De tua imen­sa fe­ri­da, de tua dor que nin­guém ha­ve­ria po­di­do con­ter, se le­van­ta pa­ra nós a ira que fer­via em tu­as vei­as. Te­mos de nos al­çar já, pai, ir­mão nos­so, meu Deus Ser­pen­te. Já não te­mos me­do ao raio de pól­vo­ra dos se­nho­res, às ba­las e à me­tra­lha, já não lhes te­me­mos tan­to. So­mos, to­da­via! Sus­sur­ran­do teu no­me, co­mo os ri­os cres­cen­tes e o fo­go que de­vo­ra a pa­lha ma­du­ra, co­mo as mul­ti­dões in­fi­ni­tas das for­mi­gas sel­vá­ti­cas, te­mos de nos ar­ro­jar, até que nos­sa ter­ra se­ja ter­ra ver­da­dei­ra­men­te nos­sa ter­ra e nos­sos po­vos. Es­cu­ta; pai meu, Deus Ser­pen­te, es­cu­ta; as ba­las es­tão ma­tan­do, as me­tra­lha­do­ras es­tão­ar­re­ben­tan­do as vei­as, os sa­bres de fer­ro es­tão cor­tan­do car­ne hu­ma­na; os ca­va­los, com su­as fer­ra­gens, com seus lou­cos e pe­sa­dos cas­cos, mi­nha ca­be­ça, meu estô­ma­go es­tá ar­re­ben­tan­do, aqui e em to­das as par­tes; so­bre o lom­bo ge­la­do das co­li­nas de Cer­ro de Pas­co, nas lha­nu­ras frias, nos aque­ci­dos va­les da cos­ta, so­bre a gran­de er­va vi­va, en­tre os de­ser­tos. [con­ti­nua na pró­xi­ma se­ma­na]

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.