Ma­rin­gá re­gis­tra que­da de 67% na ofer­ta de tra­ba­lho

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM - Le­o­nar­do Fi­lho le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com

Nes­ta se­ma­na, há 258 va­gas aber­tas, con­tra 787 no mes­mo pe­río­do de 2014 Nú­me­ro de con­tra­ta­ções tam­bém caiu

Desde o co­me­ço do ano a ze­la­do­ra Lu­zia Apa­re­ci­da Vi­a­na tem co­mo uma de su­as ro­ti­nas dar uma pas­sa­da pe­la Agên­cia do Tra­ba­lha­dor de Ma­rin­gá. A pro­cu­ra é por uma opor­tu­ni­da­de no mer­ca­do de tra­ba­lho. “Te­nho pro­cu­ra­do de ze­la­do­ra ou au­xi­li­ar em ge­ral, mas tra­ba­lhei mui­to tem­po sem re­gis­tro e es­sa fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia na car­tei­ra com­pli­ca ain­da mais, es­tá bem di­fí­cil”, de­sa­ba­fa.

Es­sa per­cep­ção de Lu­zia se re­fle­te em nú­me­ros. De acor­do com da­dos da Agên­cia do Tra­ba­lha­dor, es­ta se­ma­na re­gis­trou a me­nor quan­ti­da­de de va­gas dos úl­ti­mos anos. São 258, an­te 787 no­mes­mo­pe­río­do­do­a­no­pas­sa­do, o que re­pre­sen­ta uma que­da de67%.

Di­an­te des­se qua­dro, en­con­trar uma no­va opor­tu­ni­da­de no mer­ca­do de tra­ba­lho é um de­sa­fio. A aten­den­te Ste­fa­ni de Car­va­lho ten­ta uma co­lo­ca­ção, mas diz es­tar pre­o­cu­pa­da. “A gen­te não po­de es­co­lher. O que sur­gir e que me en­qua­dro vou agar­rar”, co­men­ta a jovem. A ami­ga Kelly dos San­tos, que ten­ta­va o pri­mei­ro em­pre­go, tam­bém sen­tia es­sa di­fi­cul­da­de. “Es­tá bem di­fí­cil achar uma va­ga. Não con­se­gui na­da até ago­ra”, re­for­ça.

Cau­sas

O eco­no­mis­ta Joíl­son Di­as vê dois fa­to­res de­ter­mi­nan­tes pa­ra a que­da de em­pre­gos. “Em pri­mei­ro lu­gar, o go­ver­no au­men­tou os im­pos­tos e não re­ver­te is­so à po­pu­la­ção. Ho­je, a gen­te tra­ba­lha pra­ti­ca­men­te seis me­ses pa­ra pa­gar im­pos­tos. Es­sa al­ta ocor­reu em to­das as es­fe­ras, desde o IPTU, pas­san­do pe­lo IPVA, e de­mais tri­bu­tos fe­de­rais e não há re­tor­no des­ses in­ves­ti­men­tos. Quem vai in­ves­tir em um mo­men­to co­mo es­se? Por is­so, não há ge­ra­ção de em­pre­gos. Ou­tro pon­to é o mo­men­to po­lí­ti­co do País, que é ruim”, diz, re­fe­rin­do-se ao es­cân­da­lo de cor­rup­ção.

Na opi­nião do eco­no­mis­ta, o ce­ná­rio não de­ve apre­sen­tar mu­dan­ças a cur­to pra­zo. “Em 2015 se­rá mui­to di­fí­cil mu­dar es­se qua­dro. Is­so por­que o go­ver­no, que bus­ca se equi­li­brar eco­no­mi­ca­men­te, en­vi­ou o cus­to des­se equi­lí­brio pa­ra a so­ci­e­da­de. De­ve­ria ha­ver re­du­ção dos cus­tos pa­ra a so­ci­e­da­de. Di­an­te de um ce­ná­rio co­mo es­se, a si­tu­a­ção não­de­ve­mu­dar­tão­ce­do.”

Pa­ra o tam­bém eco­no­mis­ta Darcy Pe­dro Thomaz, a fal­ta de em­pre­gos es­tá atre­la­da di­re­ta­men­te a ao mo­men­to po­lí­ti­co. “No Bra­sil, uma das pri­mei­ras re­a­ções do em­pre­sá­rio em uma pos­si­bi­li­da­de de cri­se é de­mi­tir pa­ra cor­tar gas­tos, e is­so es­tá acon­te­cen­do. Pa­ra re­ver­ter is­so, é pre­ci­so tra­ba­lhar, ar­re­ga­çar as man­gas por­que, se não, o que es­tá ruim, po­de pi­o­rar”, com­ple­tou.

Na ava­li­a­ção do ge­ren­te da Agên­cia do Tra­ba­lha­dor de Ma­rin­gá, Maurílio Mangolin, ou­tro fa­tor pa­ra es­sa que­da na quan­ti­da­de de va­gas é a que­da na ro­ta­ti­vi­da­de. “As mu­dan­ças nas re­gras pa­ra o se­gu­ro-de­sem­pre­go, ali­a­da a es­sa fal­ta de va­ga, fa­zem com que a pes­soa per­ma­ne­ça mais tem­po no em­pre­go. O sal­do foi bai­xo, mas pa­ra as pró­xi­mas se­ma­nas de­ve ser am­pli­a­do. Em­pre­sas já dis­se­ram que vão nos pro­cu­rar. En­tão, acre­di­ta­mos que em bre­ve apa­re­çam mai­so­por­tu­ni­da­des”,com­ple­ta.

É o que es­pe­ra a au­xi­li­ar de fac­ção Jés­si­ca Men­des de Car­va­lho. A tra­ba­lha­do­ra veio de Goi­o­e­rê (a 160 quilô­me­tros de Ma­rin­gá) em bus­ca de mais opor­tu­ni­da­des, mas tem sen­ti­do di­fi­cul­da­de. “Es­tá bem com­pli­ca­do, ain­da mais pra quem vem de fo­ra e co­nhe­ce pou­co a ci­da­de, mas to­ma­ra­que­con­si­ga”,des­ta­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.