Qua­tro de­sa­pa­re­ci­dos em Fló­ri­da es­tão mor­tos; po­li­ci­al é sus­pei­to

O Diario do Norte do Parana - - POLÍCIA - Roberto Silva e Ro­sân­ge­la Gris re­da­cao@odi­a­rio.com —FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Mais dois cor­pos, de Da­ni­el Ju­ni­or e Éder Oli­vei­ra, fo­ram en­con­tra­dos on­tem na zo­na ru­ral Jo­vens fo­ram exe­cu­ta­dos a ti­ros. Sol­da­do da Po­lí­cia Mi­li­tar é in­ves­ti­ga­do pe­los ho­mi­cí­di­os

Os jo­vens Da­ni­el Gon­çal­ves de Araú­jo Jú­ni­or, 20 anos, co­nhe­ci­do co­mo “Ju­ni­nho”, e Eder das Neves de Oli­vei­ra, 21, que es­ta­vam de­sa­pa­re­ci­dos ha­via 8 di­as, fo­ram en­con­tra­dos mor­tos na tar­de de on­tem em um ca­na­vi­al na zo­na ru­ral de Fló­ri­da (a 47km de Ma­rin­gá). Os cor­pos es­ta­vam a cer­ca de 30 me­tros de dis­tân­cia do lo­cal on­de o ca­sal de na­mo­ra­dos Ana Cláu­dia Al­ves, 22, e Jo­nathan Wil­li­an Mo­rei­ra da Silva, 17, foi en­con­tra­do mor­to um dia an­tes.

Uma das li­nhas de in­ves­ti­ga­ção apon­ta pa­ra o su­pos­to en­vol­vi­men­to no cri­me de um po­li­ci­al mi­li­tar do 4º Batalhão de Po­lí­cia Mi­li­tar(BPM)emMa­rin­gá.

A var­re­du­ra na área em bus­ca dos jo­vens mo­bi­li­zou po­li­ci­ais mi­li­ta­res de San­ta Fé e dez in­ves­ti­ga­do­res da 9ªSub­di­vi­são Po­li­ci­al (SDP) de Ma­rin­gá. Por vol­ta das 16h, o in­ves­ti­ga­dor Marcelo Ver­da­de en­con­trou os cor­pos em meio a um ca­na­vi­al, no la­do opos­to ao car­re­a­dor que fi­ca às mar­gens da ma­ta ci­li­ar on­de es­ta­va o ca­sal.

Se­gun­do a po­lí­cia, as ví­ti­mas apre­sen­ta­vam per­fu­ra­ções de ti­ros na nu­ca, si­nal clás­si­co de exe­cu­ção su­má­ria. Um dos ra­pa­zes es­ta­va ape­nas de cu­e­ca e ou­tro ves­tia uma ber­mu­da. As po­si­ções dos cor­pos - já em es­ta­do avan­ça­do de de­com­po­si­ção - in­di­cam que a du­pla es­ta­va ajo­e­lha­da­quan­do­foi­ba­le­a­da.

O cri­me te­ria ocor­ri­do na ma­dru­ga­da do úl­ti­mo dia 11, da­ta do de­sa­pa­re­ci­men­to. Se­gun­do in­for­ma­ções re­pas­sa­das à Po­lí­cia Ci­vil, os jo­vens te­ri­am si­do le­va­dos da re­si­dên­cia do ser­ven­te de pe­drei­ro Da­ni­el Jú­ni­or, em Fló­ri­da, por des­co­nhe­ci­dos em um Gol­bran­co.

Fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas fi­ze­ram o re­co­nhe­ci­men­to e acom­pa­nha­ram a re­mo­ção dos cor­pos pa­ra o Ins­ti­tu­to Mé­di­co-Le­gal (IML). Aos pran­tos, uma tia de Ju­ni­nho la­men­tou o fim trá­gi­co do so­bri­nho. “Ele não me­re­cia ser assassinado tão co­var­de­men­te”, de­sa­ba­fou a mu­lher.

O de­le­ga­do-che­fe da 9ª SDP, Os­mir Fer­rei­ra Neves Jú­ni­or, acom­pa­nhou o tra­ba­lho de re­mo­ção dos cor­pos e con­fir­mou que uma das li­nhas de in­ves­ti­ga­ção apon­ta pa­ra o su­pos­to en­vol­vi­men­to no cri­me de um jovem po­li­ci­al mi­li­tar in­te­gran­te de um gru­po­de­e­li­te­do4ºBPM.

O PM sus­pei­to es­ta­ria na cor­po­ra­ção há cer­ca de 1 ano e se­ria ini­mi­go de­cla­ra­do de Da­ni­el Jú­ni­or por de­sa­pro­var o re­la­ci­o­na­men­to de sua ir­mã, uma ado­les­cen­te de 14 anos, com o ra­paz. Ele já te­ria agre­di­do o jovem du­as ve­ze­sem2014.

Se­gun­do a tia do ser­ven­te de pe­drei­ro, de­pois de ser es­pan­can­do e es­ca­par ile­so de uma sequên­cia de dis­pa­ros de ar­ma em uma fes­ta em Fló­ri­da, o so­bri­nho­re­tor­nou­pa­raLon­dri­na.

De vol­ta a Fló­ri­da, o ra­paz foi no­va­men­te espancado pe­lo PM em via pú­bli­ca. Ain­da se­gun­do a tia do jovem, o so­bri­nho não re­gis­trou BO por me­do. O pai do ser­ven­te de pe­drei­ro re­a­fir­mou o me­do do fi­lho que, se­gun­do ele, gra­vou­um­ví­de­o­no­qual­res­pon­sa­bi­li­za o po­li­ci­al ca­so al­gu­ma coi­sa gra­ve lhe acon­te­ces­se.

PM

O co­man­dan­te do 4º BPM de Ma­rin­gá, tenente-coronel Antonio Roberto dos An­jos Pa­di­lha, dis­se on­tem que foi in­for­ma­do pe­la Po­lí­cia Ci­vil so­bre as sus­pei­tas que re­ca­em con­tra o po­li­ci­al mi­li­tar no cri­me. “O de­le­ga­do Os­mir nos in­for­mou so­bre o su­pos­to en­vol­vi­men­to de um PM, mas até o mo­men­to são ape­nas re­la­tos, não há na­da con­clu­si­vo. Es­sa é ape­nas uma das li­nhas de in­ves­ti­ga­ção, exis­tem ou­tras. Es­ta­mos acom­pa­nhan­do as in­ves­ti­ga­ções e ofe­re­ce­mos o apoio ne­ces­sá­rio pa­ra a elu­ci­da­ção do ca­so, in­clu­si­ve por meio da equi­pe do Ser­vi­ço Re­ser­va­do do Batalhão. Um cri­me co­mo es­se não po­de fi­car im­pu­ne”, dis­se o co­man­dan­te. “Ca­so a in­ves­ti­ga­ção con­fir­me es­sa li­nha de in­ves­ti­ga­ção a cor­po­ra­ção to­ma­rá as me­di­das ca­bí­veis.” “É mui­to tris­te pa­ra uma mãe ver uma fi­lha nes­te es­ta­do”, dis­se, cho­ran­do, Ma­ri­nal­va Fer­rei­ra Al­ves, mo­ra­do­ra no dis­tri­to de Flo­ri­a­no, em Ma­rin­gá, ao aca­bar de fa­zer a iden­ti­fi­ca­ção do cor­po da fi­lha Ana Cláu­dia, na ma­nhã de on­tem, no Ins­ti­tu­to Mé­di­coLe­gal (IML).

Ela já ti­nha pas­sa­do a noi­te in­tei­ra acor­da­da e cho­ran­do de­pois de ser in­for­ma­da que os cor­pos de dois jo­vens ha­vi­am si­do en­con­tra­dos na zo­na ru­ral de Fló­ri­da, mes­mo mu­ni­cí­pio on­de Ana Cláu­dia e três ami­gos ti­nham de­sa­pa­re­ci­do. “Eu não ti­nha dú­vi­das que a mo­ça acha­da era mi­nha fi­lha, mas en­quan- to a gen­te não vê não tem cer­te­za, fi­ca a es­pe­ran­ça que não se­ja ela e que ela pos­sa es­tar vi­va em al­gum lu­gar”, la­men­ta­va a mãe. A ir­mã de Ana Cláu­dia, Ana Pau­la Al­ves, tam­bém en­trou pa­ra fa­zer o re­co­nhe­ci­men­to e dis­se que aque­le é o mo­men­to em que se aca­bam to­das as es­pe­ran­ças. A ga­ro­ta dei­xou de mo­rar com a mãe pa­ra vi­ver com uma ami­ga no Jar­dim Di­a­man­te, em Ma­rin­gá, e vi­a­ja­va com frequên­cia pa­ra Fló­ri­da.

O pai de Jo­nathan Wil­li­an Mo­rei­ra da Silva, o ope­ra­dor de má­qui­na de cor­tar ca­na-de-açú­car, Da­vi Mo­rei­ra da Silva, dis­se que tão di­fí­cil quan­to fa­zer o re­co­nhe­ci­men­to do cor­po de um fi­lho assassinado com tan­ta cru­el­da­de foi in­for­mar à mãe que re­al­men­te o cor­po en­con­tra­do é do me­ni­no. Da­vi mo­ra em São To­mé, no no­ro­es­te do Pa­ra­ná, e con­vi­via pou­co com Jo­nathan desde que se se­pa­rou da mãe do ga­ro­to,há­cer­ca­de10a­nos.

—FO­TO: JOÃO PAU­LO SAN­TOS

TRIS­TE­ZA. Ma­ri­nal­va (cen­tro) ao la­do da fi­lha Ana Pau­la (à es­quer­da), no IML.

CA­NA­VI­AL. Pe­ri­to cri­mi­nal tra­ba­lha no lo­cal em que os cor­pos de dois jo­vens fo­ram lo­ca­li­za­dos on­tem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.