Antonio Mar­cos vi­ve

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Ju­lio Ma­ria Agên­cia Es­ta­do

Se­lo re­lan­ça cai­xa com oi­to CDs do com­po­si­tor e can­tor ain­da in­jus­ti­ça­do na his­to­ro­gra­fia da MPB Fã nú­me­ro 1, o apo­sen­ta­do Dár­cio Tei­xei­ra ain­da guar­da dis­cos e pôs­te­res de Antonio Mar­cos

Es­ca­lar a mon­ta­nha não era pro­pri­a­men­te uma ques­tão; pi­or era es­tar lá em ci­ma. Is­so por­que, uma vez que o to­po che­ga­va, a ter­ra tre­mia e ele des­pen­ca­va pe­lo mes­mo pre­ci­pí­cio. “Co­mi­go é as­sim. Quan­do che­go lá, pa­re­ce que um abis­mo se abre. Mas es­tou sain­do des­sa”, dis­se Antonio Mar­cos ao jor­nal O Es­ta­do de S.Pau­lo em 1990, dois anos an­tes da úl­ti­ma que­da, quan­do seu fí­ga­do, bom­bar­de­a­do por do­ses e do­ses de ál­co­ol, pa­rou de vez e ele se foi, aos 46 anos.

Antonio Mar­cos Pen­sa­men­to da Silva cri­ou-se em uma Jovem Guar­da em iní­cio de des­cons­tru­ção. Her­dou al­go de seu for­ma­to, so­bre­tu­do dos con­cei­tos de ar­ran­jo que mar­ca­ram a pri­mei­ra fa­se de Roberto Car­los, mas ra­pi­da­men­te cri­ou uma in­ter­pre­ta­ção de mú­si­ca e poé­ti­ca pró­pri­as. Ele fa­ria 70 anos no pró­xi­mo dia 8 de no­vem­bro e, nes­ta se­ma­na, pro­por­ci­o­nan­do uma im­por­tan­te re­a­va­li­a­ção de um per­so­na­gem ain­da per­ce­bi­do com su­per­fi­ci­a­li­da­des e pre­con­cei­to, che­gam às lo­jas du­as cai­xas de sua dis­co­gra­fia.

Elas com­pre­en­dem a fa­se de Antonio Mar­cos na gra­va­do­ra RCA, ini­ci­a­da em 1969 e fi­na­li­za­da em 1976. A pri­mei­ra traz os dis­cos de 1969 e 1970, os dois pri­mei­ros cha­ma­dos ape­nas “Antonio Mar­cos” e os ál­buns “08-11-45” (1971), e “Sem­pre” (1972). A se­gun­da com­pi­la­ção vem com “Antonio Mar­cos” (1973), “Ci­ca­tri­zes” (1974), “Ele...Antonio Mar­cos” (1975) e “Fe­li­ci­da­de” (1976). To­dos es­ses dis­cos da se­gun­da fa­se fo­ram re­gra­va­dos tam­bém em es­pa­nhol, com lan­ça­men­tos na Ar­gen­ti­na e nos Es­ta­dos Unidos.

Marcelo Fro­es, pes­qui­sa­dor e pro­pri­e­tá­rio do se­lo Dis­co­ber­tas, res­pon­sá­vel pe­los lan­ça­men­tos, não­vêu­main­jus­ti­çahis­tó­ri­cai­so­la­da quan­do pen­sa em uma pos­sí­vel sub­va­lo­ri­za­ção de Antonio Mar­cos. “A fi­gu­ra do can­tor e com­po­si­tor não en­ga­ja­da no Bra­sil é mui­to in­jus­ti­ça­da. É só olhar pa­ra­ou­tros­can­to­res­que­não­ti­ve­ram com­pro­mis­so com a in­tel­li­gent­sia (da MPB). Ele faz par­te de uma ge­ra­ção que veio ao mundo a pas­seio, de uma ju­ven­tu­de que que­ri­a­se­di­ver­tir.”

Mas ha­via um pe­so ali. O To­ni­nho, co­mo era cha­ma­do pe­los ami­gos, ga­nhou lo­go um ou­tro ad­je­ti­vo co­la­do ao de ro­mân­ti­co: “re­bel­de”. De pou­cas e cor­tan­tes pa­la­vras, ali­men­ta­va cer­ta pre­po­tên­cia. “Ele an­ga­ri­a­va an­ti­pa­ti­as por­que di­zia ‘eu sou as­sim mes­mo’. Era in­te­li­gen­te, sen­sí­vel ear­ro­gan­te”,lem­braO­dairJo­sé.

Jer­ryA­dri­a­ni,ou­tro­con­tem­po­râ­neo jovem-guar­dis­ta, pres­tou um de­poi­men­to pa­ra Fróes, fa­lan­do de su­as im­pres­sões. “Ele era des­se ti­po ra­ro de pes­soa que a gen­te en­con­tra uma vez e não es­que­ce mais. Con­fes­so que, na pri­mei­ra vez que o vi, achei-o com uma ca­ra meio que de mar­ru­do. Ele me olhou meio que de sos­laio, sem que­rer de­mons­trar que es­ta­va me ob­ser­van­do. Acho que de­mo­rou um pou­co pa­ra que eu­o­co­nhe­ces­se­mai­sin­ti­ma­men­te.” Aos pou­cos, vai se apro­fun­dan­do no per­so­na­gem. “O To­ni­nho­ti­nha­al­ma­de­ar­tis­ta­na­a­cep­ção da pa­la­vra e de um le­gí­ti­mo po­e­ta.Etu­do,co­mo­a­con­te­ce­com os hi­per­sen­sí­veis, ele pro­cu­ra­va ver pe­lo ân­gu­lo de um in­ve­te­ra­do ro­mân­ti­co, pas­si­o­nal, in­ten­so. Bas­ta vo­cê con­ver­sar com as mu­lhe­res que vi­ve­ram com ele his­tó­ri­as de amor e ve­ri­fi­ca­rá que nun­ca­e­ra­al­go­ra­so,su­per­fi­ci­al.”

Asu­per­fi­ci­a­li­da­de­po­de­ter­fi­ca­do nas aná­li­ses so­bre sua obra. Antonio Mar­cos es­cre­via le­tras e po­e­mas ins­pi­ra­dos. “Eu fiz mais de três mil em 15 anos. Vinicius de Moraes cur­tia e qu­e­ria fa­zer o pre­fá­cio quan­do eu lan­ças­se um li­vro”, dis­se ele mes­mo, em 1987. Eras­mo Car­los ates­ta sua pro­du­ção com mo­men­tos de an­gús­tia, es­cre­ven­do pa­ra Fróes. “Seu la­do po­e­ta e mú­si­co pro­cu­ra­va res­pos­tas que, in­fe­liz­men­te, não te­ve tem­po­de­en­con­trar.”

À par­te de seu tem­pe­ra­men­to, sua pos­tu­ra de ga­lã ator de fil­me­se­no­ve­la­se­seus­sé­ri­os­pro­ble­mas com o ál­co­ol, Antonio Mar­cos tem um la­do so­bre o qual pou­cos se de­bru­ça­ram. O ar­tis­ta que se ou­ve ago­ra em re­tros­pec­to dis­tan­te não soa va­zio de pro­pos­tas. Cor­ria em pa­ra­le­lo, e não atrás, de Roberto Car­los, con­se­guia ven­der 500 mil có­pi­as de um LP pu­xa­do por uma mú­si­ca co­mo “O Ho­mem de Na­za­ré” ou 700 mil gra­ças a “Co­mo Vai Vo­cê”, e abriu um le­que de par­cei­ros que ia de Do­min­gui­nhos e Fag­ner a Lin­coln Oli­vet­ti e o ir­mãos Mário Mar­cos.

Che­ga a gra­var, em 1975, “Hi­no” (Pau­lo Ce­sar Pinheiro e Edu­ar­do Gu­din)edu­as­mú­si­cas­queRo­ber­to pre­fe­riu não re­gis­trar: “Men­sa­gens de um Pla­ne­ta Per­di­do”, de Tai­gua­ra, no dis­co de 1973 e “Som­bras Num Quar­to de Lon­dres”, que es­tá co­mo um dos vá­ri­osbô­nus­tra­zi­dos­pe­lo­pro­je­to.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

TO­NI­NHO. Antonio Mar­cos: com­po­si­tor que al­can­çou es­ti­lo pró­prio ao fim da Jovem Guar­da, mor­reu ce­do, aos 46.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.