AÇÕES EM MA­RIN­GÁ

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Eder­son Hi­sing eder­son@odi­a­rio.com

Re­des so­ci­ais são usa­das co­mo ca­nais pa­ra dis­se­mi­nar dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al Pa­ra a so­ció­lo­ga, com­por­ta­men­to ra­cis­ta na in­ter­net é re­fle­xo das re­la­ções so­ci­ais

A es­cra­vi­dão aca­bou, mas o pre­con­cei­to per­du­ra. Os ne­gros, en­xo­ta­dos das sen­za­las pa­ra o mundo, sem na­da, há 126 anos, ain­da so­frem di­a­ri­a­men­te com a dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al. E, nos úl­ti­mos anos, com um agra­van­te: a in­ter­net - em es­pe­ci­al, as re­des so­ci­ais .

Não fo­ram pou­cas as ve­zes em que a es­tu­dan­te de Di­rei­to Sai­la Ma­ri­a­ne Ba­tis­ta da Cruz, 20 anos, ou­viu - ou leu - que pre­to não ser­ve pa­ra na­da. “Di­a­ri­a­men­te, a gen­te é ví­ti­ma de pre­con­cei­to. Ma­goa mui­to por­que eu fa­ço as mes­mas coi­sas que as ou­tras pes­so­as: es­tu­do, tra­ba­lho, pa­go im­pos­tos. Dói ten­tar mu­dar es­sa vi­são das pes­so­as e não con­se­guir”, de­sa­ba­fa a es­tu­dan­te.

Nes­ta se­ma­na, ao opi­nar em uma pos­ta­gem de um ví­deo em que um po­li­ci­al mi­li­tar fa­zia uso da for­ça pa­ra co­lo­car um ci­da­dão na vi­a­tu­ra, na re­de social Fa­ce­bo­ok, mais uma vez o pre­con­cei­to nos ar­gu­men­tos alhei­os. “De­fen­di o ci­da­dão por­que achei in­co­e­ren­te a ati­tu­de do po­li­ci­al, e um ca­ra já co­me­çou a me xin­gar e fa­lar da cor da mi­nha pe­le, que meu ca­be­lo era su­jo e que eu de­fen­di o ra­paz por­que era igual”, re­la­ta.

Ela não o de­nun­ci­ou por acre­di­tar que só in­ci­ta­ria ain­da mais a rai­va. No en­tan­to, es­se não é o con­se­lho do ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to di­gi­tal, Le­o­nar­doSer­ra­deAl­mei­daPa­che­co.Se- gun­do ele, as ví­ti­mas pre­ci­sam rom­per a bar­rei­ra do re­ceio de de­nun­ci­ar.

“O mais di­fí­cil não é pro­var, pro­ces­sar e con­de­nar. Ge­ral­men­te, as pes­so­as se ca­lam e es­sa é a mai­or di­fi­cul­da­de. É pre­ci­so le­van­tar a ca­be­ça e lu­tar pe­la apli­ca­ção da lei”, jus­ti­fi­ca o ad­vo­ga­do.

Pa­che­co­es­cla­re­ce­que,con­for­me a lei, não há dis­tin­ção en­tre mundo re­al e vir­tu­al. “Nos­so com­por­ta­men­to na in­ter­net é o mes­mo com­por­ta­men­to na vi­da em ge­ral”, ex­pli­ca. “A ví­ti­ma não pre­ci­sa dis­cu­tir. Prin­ci­pal­men­te em re­des so­ci­ais va­le a má­xi­ma do jor­na­lis­ta Millôr Fer­nan­des de que ‘não se de­ve am­pli­ar a voz dos idi­o­tas’”, opi­na.

De acor­do com a es­tu­dan­te, em­bo­ra as re­des so­ci­ais tam­bém sir­vam­co­mou­ma­no­va­pla­ta­for­ma pa­ra ati­tu­des pre­con­cei­tu­o­sas, no dia a dia, o ra­cis­mo ain­da im­pe­ra. “Uma vez che­guei na ca­sa de um ami­go e fui en­tran­do, pois ti­nha in­ti­mi­da­de. Uma vi­a­tu­ra pas­sou no mo­men­to e fui abor­da­da. A es­cra­vi­dão só aca­bou no pa­pel. O pre­to é tra­ta­do co­mo es­có­ria em mui­tos ca­sos”, dis­pa­ra Sai­la.

Co­mo­de­nun­ci­ar

O ad­vo­ga­do ex­pli­ca que, o pri­mei­ro pas­so pa­ra fa­zer uma de­nún­cia de cri­me na in­ter­net à po­lí­cia ou pro­cu­rar um ad­vo­ga­do, é a cons­ti­tui­ção de pro­vas. “É im­por­tan­te ter is­so em ima­gem, mas mais im­por­tan­te ain­da é a pes­soa ter o en­de­re­ço que dá aces­so à pá­gi­na es­pe­cí­fi­ca”, in­di­caPa­che­co.

O com­ba­te ao ra­cis­mo tem ba­se no ar­ti­go 5º da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. Além dis­so, o ar­ti­go 140 do Có­di­go Pe­nal Brasileiro pre­vê mul­ta e pe­na de re­clu­são de 1 a 3 anos, ca­so se­ja com­pro­va­da a in­jú­ria ra­ci­al.

Cri­mes­mais­co­muns

Se­gun­do o ad­vo­ga­do, o cri­me mais co­me­ti­do na in­ter­net é a ex­po­si­ção de por­no­gra­fia por vin­gan­ça. Na sequên­cia, ele diz que apa­re­cem os ca­sos de vi­o­lên­cia de gê­ne­ro e ori­en­ta­ção se­xu­al. “Se fos­se co­lo­car em um ran­king, o ra­cis­mo apa­re­ce­ria de­pois des­ses cri­mes. Is­so ocor­re por­que o pre­con­cei­to ra­ci­al é mais co­nhe­ci­do das pes­so­as. En­tão, elas ten­tam evi­tar es­sa for­ma, mas aca­bam dis­se­mi­nan­do de ou­tra”, ava­lia. A As­ses­so­ria de Pro­mo­ção da Igual­da­de Ra­ci­al da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá pro­mo­ve ho­je uma sé­rie de ações pa­ra mar­car o Dia In­ter­na­ci­o­nal Con­tra a Dis­cri­mi­na­ção Ra­ci­al, co­me­mo­ra­do em to­do o mundo em 21 de mar­ço. A par­tir das 9 ho­ras gru­pos cul­tu­rais e in­te­gran­tes da As­ses­so­ria de Pro­mo­ção es­ta­rão se apre­sen­tan­do na Pra­ça Ra­po­so Ta­va­res, on­de se­rá fei­ta ex­po­si­ção cul­tu­ral e dis­tri­bui­ção de ma­te­ri­al so­bre o te­ma e ori­en­ta­ção pa­ra as for­mas de de­nún­cia de dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al. O as­ses­sor de Pro­mo­ção da Igual­da­de Ra­ci­al da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá, Her­cu­les Ana­ni­as de Sou­za, re­for­ça que as ações de ho­je fa­zem par­te de uma sé­rie de ati­vi­da­des de­sen­vol­vi­das du­ran­te to­do o ano, e vi­sa, além de ce­le­brar a da­ta in­ter­na­ci­o­nal, ori­en­tar as pes­so­as so­bre a dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al e os ca­nais de de­nún­cia. “Dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al é cri­me, pre­vis­to no Có­di­go Pe­nal e de­ve ser de­nun­ci­a­do sem­pre. Qu­e­re­mos a so­ci­e­da­de nes­sa lu­ta”. /// Da Re­da­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.