De­le­ga­do in­ves­ti­ga qua­tro hi­pó­te­ses pa­ra cha­ci­na

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ -

O de­le­ga­do de San­ta Fé, Luiz Hen­ri­que Vi­cen­ti­ni, res­pon­sá­vel pe­las in­ves­ti­ga­ções da cha­ci­na de qua­tro jo­vens em Fló­ri­da (a 47km de Ma­rin­gá), afir­mou on­tem que tra­ba­lha com qua­tro hi­pó­te­ses pa­ra o cri­me. En­tre as li­nhas de in­ves­ti­ga­ções es­tão cri­me pas­si­o­nal, gu­er­ra do trá­fi­co, ri­xa por su­pos­ta agres­são con­tra uma das ví­ti­mas e o su­pos­to en­vol­vi­men­to de um po­li­ci­al do 4º Batalhão da Po­lí­cia Mi­li­tar (BPM). Vi­cen­ti­ni , no en­tan­to, não apre­sen­tar in­dí­ci­os re­fe­ren­tes a ne­nhu­ma das pos­si­bi­li­da­des.

No iní­cio da noi­te, o de­le­ga­do-che­fe da 9ª SDP, Os­mir Fer­rei­ra Neves Ju­ni­or, con­fir­mou que a Po­lí­cia Ci­vil e o 4º BPM tra­ba­lham em con­jun­to pa­ra elu­ci­dar as exe­cu­ções de Da­ni­el Gon­çal­ves de Araú­jo Jú­ni­or, 20 anos, co­nhe­ci­do co­mo ‘Ju­ni­nho’; Eder das Neves da Oli­vei­ra, 21; Ana Cláu­dia Al­ves, 22; e Jo­nathan Wil­li­an Mo­rei­ra da Silva, 17. Os qua­tro fo­ram mor­tos na ma­dru­ga­da do dia 11, após te­rem si­do le­va­dos da re­si­dên­cia de Ju­ni­nho por des­co­nhe­ci­dos em um Gol bran­co. Os cor­pos fo­ram en­con­tra­dos em dois pon­tos dis­tin­tos, na zo­na ru­ral de Fló­ri­da, na quar­ta-fei­ra (18) e quin­ta-fei­ra (19).

O tra­ba­lho con­jun­to en­tre as po­lí­ci­as re­for­ça a hi­pó­te­se so­bre o su­pos­to en­vol­vi­men­to de po­li­ci­al mi­li­tar na cha­ci­na, já que não é com­pe­tên­cia da PM atu­ar na in­ves­ti­ga­ção de ho­mi­cí­di­os, a não ser em ca­sos en­vol­ven­do possíveis in­te­gran­tes da cor­po­ra­ção. À tar­de, ha­via uma gran­de mo­vi­men­ta­ção de vi­a­tu­ras ca­rac­te­ri­za­das e des­ca­rac­te­ri­za­das da Po­lí­cia Mi­li­tar em Fló­ri­da. No lo­cal on­de os cor­pos fo­ram en­con­tra­dos, um sub­te­nen­te da PM aguar­da­va uma equi­pe do Ser­vi­ço Re­ser­va­do (P2) do 4º BPM. Ele não deu de­ta­lhes so­bre a sua pre­sen­ça na ce­na do cri­me.

Ao ser abor­da­do pe­la re­por­ta­gem em um res­tau­ran­te pró­xi­mo ao pos­to da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Es­ta­du­al (PRE) de Igua­ra­çu, Vi­cen­ti­ni es­ta­va acom­pa­nha­do de um sar­gen­to do 4º BPM, além de dois in­ves­ti­ga­do­res. Na oca­sião, ele se ne­gou a dar de­ta­lhes so­bre a in­ves­ti­ga­ção limitando-se a di­zer que aguar­da­va os lau­dos dos exa­mes de ne­cróp­sia do IML so­bre o ca­li­bre da ar­ma ou ar­mas uti­li­za­das na cha­ci­na. “Qual­quer in­for­ma­ção so­bre a in­ves­ti­ga­ção de­ve ser co­lhi­da jun­to ao de­le­ga­do-che­fe da 9ª SDP”, dis­se.

O de­le­ga­do-che­fe Os­mir se re­cu­sou a res­pon­der quan­do ques­ti­o­na­do se cáp­su­las ou pro­jé­teis fo­ram re­co­lhi­dos no lo­cal do cri­me. Ele tam­bém não quis fa­lar so­bre a hi­pó­te­se de en­vol­vi­men­to de mais de uma pes­soa na cha­ci­na. “Eu só pos­so ga­ran­tir que o ca­so se­rá es­cla­re­ci­do. Es­ta­mos ape­nas aguar­dan­do as pro­vas pe­ri­ci­ais ne­ces­sá­ri­as”, afir­mou.

No iní­cio da noi­te, ao che­gar na 9ª SDP pa­ra uma reu­nião com o de­le­ga­do Os­mir, Vi­cen­ti­ni dis­se que mais de 15 pes­so­as já fo­ram ou­vi­das no inqué­ri­to po­li­ci­al, en­tre fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas e mo­ra­do­res de Fló­ri­da. Desde a des­co­ber­ta dos cor­pos, a cha­ci­na é as­sun­to cor­ren­te en­tre os pou­cos mais de 3 mil mo­ra­do­res de Fló­ri­da.

Pis­ta

Em uma pos­ta­gem fei­ta em 18 de ou­tu­bro de 2014, no Fa­ce­bo­ok, uma das ví­ti­mas de­mons­trou não te­mer a po­lí­cia. No tex­to pos­ta­do às 22h24, Ju­ni­nho es­cre­veu que apa­nhou de cin­co po­li­ci­ais e os des­fia a pro­cu­rá-lo sem a far­da.

Mo­ti­va­ção, his­tó­ri­co e tes­te­mu­nhos sus­ten­tam a in­for­ma­ção pu­bli­ca­da com ex­clu­si­vi­da­de e des­ta­que pe­lo O Diá­rio de que um PM é sus­pei­to da cha­ci­na dos qua­tro jo­vens. Uma das ví­ti­mas man­ti­nha um na­mo­ro proi­bi­do com a ir­mã ado­les­cen­te do po­li­ci­al. Da­ni­el de Araú­jo Jú­ni­or so­freu uma ten­ta­ti­va de ho­mi­cí­dio e foi sur­ra­do pu­bli­ca­men­te du­as ve­zes pe­lo sol­da­do. xx Uma vi­zi­nha da ca­sa on­de os jo­vens es­ta­vam in­for­mou que um po­li­ci­al, usan­do um Gol bran­co, ha­via le­va­do os três ra­pa­zes e a ga­ro­ta du­ran­te a noi­te do de­sa­pa­re­ci­men­to. O sus­pei­to tem um veí­cu­lo da mes­ma mar­ca e cor. Pos­ta­gens nas re­des so­ci­ais tam­bém dão con­ta da ri­va­li­da­de en­tre os dois. O jor­nal cum­priu a res­pon­sa­bi­li­da­de de in­for­mar e em ne­nhum mo­men­to de­ne­griu uma ins­ti­tui­ção im­por­tan­te e res­pei­tá­vel co­mo a da Po­lí­cia Mi­li­tar, mes­mo por­que, se a hi­pó­te­se se com­pro­var, o cri­me te­rá ocor­ri­do por ques­tões ab­so­lu­ta­men­te pes­so­ais, sem ne­nhu­ma re­la­ção com even­tu­ais des­li­zes às atri­bui­ções cons­ti­tu­ci­o­nais da cor­po­ra­ção. Os ci­da­dãos de bem es­pe­ram que as in­ves­ti­ga­ções tra­gam res­pos­tas e ob­te­nham pro­vas ir­re­fu­tá­veis de au­to­ria, ca­pa­zes de fa­zer com que os cul­pa­dos se­jam exem­plar­men­te pu­ni­dos pe­la bar­bá­rie co­me­ti­da - o que só irá for­ta­le­cer a ima­gem e a con­fi­an­ça da po­pu­la­ção aos ór­gãos de se­gu­ran­ça pú­bli­ca e de jus­ti­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.