Pe­na de cor­rup­ção é ‘piada de Pors­che de do­lei­ra vai a lei­lão mau gos­to’, diz pro­cu­ra­dor

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Be­a­triz Bul­la Agên­cia Es­ta­do

Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da La­va Ja­to, diz que pe­nas têm que ser mai­o­res MPF en­ca­mi­nha ao Con­gres­so dez me­di­das pa­ra al­te­rar pu­ni­ção de atos ilí­ci­tos

O pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca, Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da for­ça-ta­re­fa do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), na Ope­ra­ção La­va Ja­to, dis­se, on­tem pe­la ma­nhã, que a pu­ni­ção da cor­rup­ção no País é, “em re­gra, uma piada de mau gos­to”. Ele de­fen­de o au­men­to da pe­na pa­ra o cri­me de mí­ni­mo de qua­tro anos e má­xi­mo de 25. Ho­je, a pu­ni­ção va­ria de dois a 12 anos de pri­são. Pe­la pro­pos­ta, tam­bém pas­sa a ser he­di­on­do o cri­me de cor­rup­ção, quan­do o va­lor for su­pe­ri­or a cem sa­lá­ri­os mí­ni­mos - cer­ca deR$80mil.

On­tem, o MPF apre­sen­tou dez me­di­das pa­ra o en­fren­ta­men­to da cor­rup­ção no País. A ideia é apre­sen­tar an­te­pro­je­tos de lei ao Con­gres­so Na­ci­o­nal so­bre os te­mas pro­pos­tos. Uma das su­ges­tões é au­men­tar pe­nas tam­bém de cri­mes re­la­ci­o­na­dos à cor­rup­ção,co­mo­es­te­li­o­na­to.

Pa­ra Dal­lag­nol, o nú­me­ro de de­la­ções pre­mi­a­das de­ve au­men­tar com o au­men­to da pe­na de cor­rup­ção. Nas in­ves­ti­ga­ções con­du­zi­da por ele, no Pa­ra­ná, hou­ve de­la­ção pre­mi­a­da do ex­di­re­tor de Abas­te­ci­men­to da Petrobras, Pau­lo Roberto Cos­ta; do do­lei­ro Al­ber­to Yous­sef; do ex­ge­ren­te de Ser­vi­ços da es­ta­tal, Pe­dro Ba­rus­co, e de exe­cu­ti­vos de em­pre­sas co­mo a Ca­mar­go Cor­rêa e Toyo Se­tal, além do ope­ra­dorShin­koNa­kan­da­ka­ri.

O an­te­pro­je­to de lei que o MPF vai en­vi­ar ao Con­gres­so pre­vê pe­nas mai­o­res pa­ra a cor­rup­ção e gra­da­ção de acor­do com o va­lor des­vi­a­do. A pro­pos­ta é que pa­ra pre­juí­zos de até R$ 78 mil, a pe­na de cor­rup­ção ati­va e pas­si­va va­rie de qua­tro a 12 anos. Nos ca­sos de des­vio en­tre R$ 78,8 mil e R$ 788 mil, a pe­na se­ria de se­te a 15 anos. Quan­do o prejuízo for su­pe­ri­or a R$ 788 mil e in­fe­ri­or a R$ 7,8 mi­lhões, a pe­na se­ria de 10 a 18 anos. Já pa­ra ca­sos de mais de R$ 7,8 mi­lhões, a pu­ni­ção se­ria má­xi­ma: en­tre 12 e 25 anos­de­pri­são.

Tam­bém são pre­vis­tos au­men­tos e gra­da­ções nos ca­sos de pe­cu­la­to, in­ser­ção de da­dos fal­sos em sis­te­ma de in­for­ma­ções, con­cus­são, es­te­li­o­na­to e ex­ces­so de exa­ção qua­li­fi­ca­da.

“A pe­na co­me­ça com dois anos, em se­gui­da é subs­ti­tuí­da por res­tri­ti­va de di­rei­tos, de­pois ex­tin­ta com de­cre­to de in­dul­to na­ta­li­no”, cri­ti­cou Dal­lag­nol, so­bre o sis­te­ma atu­al, ao de­fen­der pro­pos­ta da Pro­cu­ra­do­ria pa­ra au­men­tar as pe­nas de cor­rup­ção. No iní­cio des­te mês, o ex-pre­si­den­te do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT), Jo­sé Ge­noi­no, con­de­na­do no pro­ces­so do men­sa­lão, foi be­ne­fi­ci­a­do pe­lo in­dul­to na­ta­li­no e te­ve ex­tin­ta a pe­na im­pos­ta pe­lo Su- pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), por cor­rup­ção ati­va. To­do o nú­cleo po­lí­ti­co do men­sa­lão cum­pre, atu­al­men­te, pe­na em re­gi­me aber­to, no qual po­dem per­ma­ne­cer em ca­sa.

Uma das in­ten­ções com o au­men­to da pe­na é evi­tar que a pri­são se­ja subs­ti­tuí­da por ou­tras pu­ni­ções, res­tri­ti­vas de di­rei­tos. Is­so por­que réus de cri­mes de co­la­ri­nho bran­co, nor­mal­men­te, são pri­má­ri­os e, por is­so, as pe­nas ficam pró­xi­mas ao mí­ni­mo le­gal. Os pro­cu­ra­do­res tam­bém de­se­jam evi­tar a pres­cri­ção dos cri­mes.

Dal­lag­nol men­ci­o­na que a cor­rup­ção é “se­me­lhan­te” ao la­tro­cí­nio - rou­bo se­gui­do de mor­te -, pois há des­vio de al­tos va­lo­res e “pes­so­as so­frem con­sequên­ci­as co­mo mor­te in­clu­si­ve, por fal­ta de hos­pi­tais, se­gu­ran­ça e sa­ne­a­men­to bá­si­co”. De­pois de ama­nhã, a Jus­ti­ça Fe­de­ral, no Pa­ra­ná, fa­rá o pri­mei­ro lei­lão de um bem apre­en­di­do na Ope­ra­ção La­va Ja­to: um Pors­che Cay­man, ava­li­a­do em R$ 200 mil, que per­ten­cia à do­lei­ra Nel­ma Ko­da­ma. Ela foi de­nun­ci­a­da pe­la Pro­cu­ra­do­ria e con­de­na­da por or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, cri­mes fi­nan­cei­ros e de la­va­gem­de­di­nhei­ro.

Na ma­dru­ga­da de 15 de mar­ço de 2014, dois di­as an­tes do es­tou­ro da La­va Ja­to, Nel­ma foi pre­sa, em fla­gran­te, no Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de São Pau­lo, em Gu­a­ru­lhos (Cum­bi­ca), ten­tan­do em­bar­car pa­ra Mi­lão, na Itá­lia, com 200 mil eu­ros es­con­di­dos na cal­ci­nha.

O ob­je­ti­vo da for­ça-ta­re­fa, que atua na La­va Ja­to, é pe­dir a ali­e­na­ção an­te­ci­pa­da de to­dos os bens apre­en­di­dos que es­tão su­jei­tos à de­pre­ci­a­ção. ///AE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.