Obra in­te­gral de Vieira é lan­ça­da em 30 vo­lu­mes

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Antonio Gon­çal­ves Fi­lho (Agên­cia Es­ta­do)

Mis­si­o­ná­rio, pre­ga­dor, con­se­lhei­ro po­lí­ti­co, em­bai­xa­dor e vi­si­o­ná­rio, o pa­dre Antô­nio Vieira (1608-1697) dei­xou uma obra abran­gen­te en­tre ser­mões, cartas, po­e­mas, tex­tos pa­ra o te­a­tro e es­cri­tos po­lí­ti­cos, ago­ra reu­ni­da nu­ma co­le­ção com­ple­ta de 30 vo­lu­mes­que­aE­di­çõesLoyo­la­pu­bli­ca no Bra­sil as­so­ci­a­da ao Cír­cu­lo de Lei­to­res de Por­tu­gal. Até ago­ra já fo­ram lan­ça­dos dez li­vros. Os20­vo­lu­mes­res­tan­tes,se­gun­do o pro­fes­sor de Fi­lo­so­fia e edi­torMar­ce­loPe­ri­ne,daLoyo­la, de­ve­rão che­gar às li­vra­ri­as até o fim­do­a­no.

Con­cluí­da em de­zem­bro pas­sa­do, em Por­tu­gal, sob co­or­de­na­ção dos his­to­ri­a­do­res Jo­sé Edu­ar­do Fran­co e Pe­dro Ca­la­fa­te, a co­le­ção foi do­a­da ao pa­pa Francisco e es­tá sen­do con­si­de­ra­da o mai­or pro­je­to da his­tó­ria editorial por­tu­gue­sa. As ra­zões são inú­me­ras. Ela exi­giu anos de tra­ba­lho de 52 es­pe­ci­a­lis­tas por­tu­gue­ses e bra­si­lei­ros, uma equi­pe de tra­du­to­res de la­tim e um investimento su­pe­ri­or a 1 mi­lhão de eu­ros (me­ta­de ga­ran­ti­da pe­la San­ta Ca­sa de Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, que tem o mo­no­pó­lio da lo­te­ria em Por­tu­gal).

Or­ga­ni­za­da por te­mas, a co­le­ção reú­ne não só os es­cri­tos de Vieira já pu­bli­ca­dos co­mo vá­ri­os ma­nus­cri­tos iné­di­tos – cor­res­pon­den­tes a um quar­to das 15 mil pá­gi­nas da co­le­ção, se­gun­do o co­or­de­na­dorJo­séE­du­ar­doF­ran­co, que des­ta­ca a atu­a­li­da­de des­ses tex­tos. Es­cri­tos por um des­te­mi­do re­li­gi­o­so, eles de­fen­dem os ín­di­os, con­de­nam a vi­o­lên­cia dos co­lo­nos no Bra­sil, cri­ti­cam o an­tis­se­mi­tis­mo e de­sa­fi­am os po­de­ro­sos.Por­cau­sa­des­ses­po­lê­mi­cos es­cri­tos, Vieira foi al­vo de uma per­se­gui­ção sem tré­guas do Tri­bu­nal­doSan­toO­fí­cio.

Cha­ma­do pe­lo po­e­ta Fer­nan­do Pes­soa de “im­pe­ra­dor da lín­gua por­tu­gue­sa”, Vieira bem me­re­ce o tí­tu­lo de pro­fe­ta dos tem­pos mo­der­nos. Pro­va dis­so é sua obra mag­na, “A Cha­ve dos Pro­fe­tas”, um tra­ta­do te­o­ló­gi­co e po­lí­ti­co em dois vo­lu­mes ini­ci­a­do quan­do Vieira cum­pria pe­na de re­clu­são­de­ter­mi­na­da­pe­laIn­qui­si­ção em 1663, da qual es­ca­pou por in­dul­to re­al. O tra­ta­do só foi con­cluí­do quan­do o pa­dre es­ta­va àbei­ra­da­mor­te.

O his­to­ri­a­dor Jo­sé Edu­ar­do Fran­co, ci­tan­do seu co­le­ga fran­cês Ray­mond Can­tel, afir­ma que a ideia do Quin­to Império de­fen­di­da por Vieira nes­se tex­to utó­pi­co foi pre­cur­so­ra da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) er­gui­da no sé­cu­lo 20. É, en­fim, a “Ci­da­de de Deus” de Vieira, pa­ra fa­zer jus­ti­ça a uma obra que não é um ag­gi­or­na­men­to de Agos­ti­nho, mas ce­le­bra o amor uni­ver­sal e a des­ti­na­ção úl­ti­ma do ho­mem se­gun­do o fun­da­men­to cris­to­ló­gi­co.

Es­se dom pro­fé­ti­co de Vieira é co­mum a to­dos os gran­des es­cri- to­res, ob­ser­va a es­cri­to­ra por­tu­gue­sa Inês Pe­dro­sa, que com­pa­ra Vieira a Dos­toiévs­ki. A exem­plo do es­cri­tor rus­so, a in­jus­ti­ça e a cor­rup­ção­fo­ram­dois­te­mas­mar­te­la­dos nos ser­mões do pa­dre que, afir­man­do seus do­tes de ora­tó­ria, se tor­nou um ce­le­bra­do pre­ga­dor ré­gio, con­se­lhei­ro de D. João IV, par­ti­ci­pan­do de mis­sões di­plo­má­ti­cas. Os ser­mões ocu­pam exa­ta­men­te 15 vo­lu­mes, ou se­ja, me­ta­de da co­le­ção. Eles são tão atem­po­rais que po­dem ser li­dos ho­je sem que se des­con­fie que os ser­mões se di­ri­gem ao pú­bli­co do sé­cu­lo 17. Foi es­sa atu­a­li­da­de que le­vou dois ci­ne­as­tas de­van­guar­da,opor­tu­guêsMa­no­el de Oli­vei­ra e o brasileiro Ju­lio Bres­sa­ne, a adap­tar pa­ra o ci­ne­ma, ca­da um a seu mo­do, a obra des­se es­cri­tor aves­so ao gon­go­ris­mo e ao dis­cur­so obs­cu­ro vi­gen­te no sé­cu­lo 17. Vieira pre­fe­ria um es­ti­lo di­re­to. O “tal es­ti­lo cul­to” da épo­ca, se­gun­do Vieira, “era bo­çal”. O pa­dre re­co­men­da­va: um ser­mão ti­nha de ser sim­ple­se­mo­no­te­má­ti­co.

Ma­no­el de Oli­vei­ra diz que não fez uma re­cons­ti­tui­ção da vi­da de Vieira em seu fil­me “Pa­la­vra e Uto­pia”, mas uma “evo­ca­ção”. De fa­to, Li­ma Du­ar­te, no pa­pel do je­suí­ta, per­cor­re os lu­ga­res po­ron­de­o­pre­ga­dor­pas­sou,mas nãoháa­pre­o­cu­pa­ção­de­fi­de­li­da­de his­tó­ri­ca. O mes­mo po­de ser di­to a res­pei­to da obra de Bres­sa­ne, “Os Ser­mões” (1989), em que en­tram frag­men­tos dos fil­mes mu­dos do fran­cês Ge­or­ges Mé­liè­se­do­clás­si­co­deOr­sonWel­les, “Ci­da­dão Ka­ne”, em que o mag­na­ta, no lu­gar de mo­ver os lá­bi- os e di­zer “ro­se­bud”, mur­mu­ra o no­me­deVi­ei­ra­naho­ra­da­mor­te. Po­de­res de ab­sol­vi­ção ele ti­nha. Em 1654, de­pois de pro­fe­rir o ser­mão de San­to Antonio aos Pei­xes, em São Luiz do Ma­ra­nhão, em­bar­cou pa­ra Lis­boa e foi ví­ti­ma de um nau­frá­gio. Após ab­sol­ver a to­dos, Vieira re­zou e o na­vio vol­tou à po­si­ção ori­gi­nal, em­bo­ra­te­nha­si­do­sa­que­a­do­por­cor­sá­ri­os, que, no en­tan­to, pou­pa­ram os­náu­fra­gos.

—FO­TO: REPRODUÇÃO

VO­LU­MO­SA. Pa­dre Vieira: dez vo­lu­mes da co­le­ção já saí­ram; mais vin­te de­vem sair até o fi­nal do ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.