Sa­cra­men­to da mi­se­ri­cór­dia

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO - DOM ANUAR BATTISTI Ar­ce­bi­po Ma­rin­gá

Es­ta­mos vi­ven­do o tem­po li­túr­gi­co da Quaresma, em que con­ti­nu­a­men­te so­am em nos­sos ou­vi­dos o cha­ma­do a um ca­mi­nho ca­da vez mais con­cre­to de con­ver­são.

Mu­dan­ça, trans­for­ma­ção, vi­da di­fe­ren­te, mar­ca­da por um co­ra­ção ca­paz de amar sem me­di­da. Pa­ra to­mar cons­ci­ên­cia do que re­al­men­te pre­ci­sa mu­dar, te­mos a opor­tu­ni­da­de de ce­le­brar a con­fis­são pes­so­al das nos­sas fal­tas.

Na se­ma­na pas­sa­da o pa­pa Francisco dis­se: “A con­fis­são não de­ve ser uma tor­tu­ra ou um in­ter­ro­ga­tó­rio pe­sa­do, mas um en­con­tro li­ber­ta­dor que ma­ni­fes­ta a mi­se­ri­cór­dia infinita de Deus. Não es­que­ça­mos nun­ca, tan­to co­mo pe­ni­ten­tes que co­mo con­fes­so­res: não exis­te pe­ca­do al­gum que Deus não pos­sa per­do­ar! Ne­nhum! Só o que é sub­traí­do à di­vi­na mi­se­ri­cór­dia não po­de ser per­do­a­do, co­mo quem se sub­trai do sol não po­de ser ilu­mi­na­do nem aque­ci­do”.

À luz des­te ma­ra­vi­lho­so dom de Deus o pa­pa sa­li­en­tou três exi­gên­ci­as: vi­ver o sa­cra­men­to co­mo meio pa­ra edu­car à mi­se­ri­cór­dia; dei­xar-se edu­car por aqui­lo que ce­le­bra­mos; e man­ter o olhar so­bre­na­tu­ral.

Vi­ver o sa­cra­men­to co­mo meio pa­ra edu­car à mi­se­ri­cór­dia, sig­ni­fi­ca aju­dar os nos­sos ir­mãos a fa­zer ex­pe­ri­ên­cia de paz e com­pre­en­são hu­ma­na e cris­tã, rei­te­ran­do que a Con­fis­são não de­ve ser uma “tor­tu­ra”, mas que to­dos de­ve­ri­am dei­xar o con­fes­si­o­ná­rio com a fe­li­ci­da­de no co­ra­ção, com o ros­to ra­di­an­te de es­pe­ran­ça, em­bo­ra por ve­zes tam­bém mo­lha­do pe­las lá­gri­mas da con­ver­são e da alegria que de­la de­ri­va.

Ao re­cor­dar a exi­gên­cia de se dei­xar edu­car por aqui­lo que ce­le­bra­mos, o pa­pa, di­ri­gin­do-se aos con­fes­so­res, con­vi­dou-os a se dei­xa­rem edu­car pe­lo Sa­cra­men­to da Re­con­ci­li­a­ção, pois por ve­zes acon­te­ce de ou­vir con­fis­sões que nos edi­fi­cam, ir­mãos e ir­mãs que vi­vem uma au­tên­ti­ca co­mu­nhão pes­so­al e ecle­si­al com o Se­nhor e um amor sin­ce­ro pa­ra com os ir­mãos; al­mas sim­ples, al­mas de po­bres em es­pí­ri­to, que se aban­do­nam to­tal­men­te ao Se­nhor. Francisco tam­bém acres­cen­tou: “Quan­to po­de­mos apren­der da con­ver­são e do ar­re­pen­di­men­to dos nos­sos ir­mãos! Eles nos en­co­ra­jam a fa­zer tam­bém nós um exa­me de cons­ci­ên­cia: eu, sa­cer­do­te, amo as­sim o Se­nhor, que me fez mi­nis­tro da sua mi­se­ri­cór­dia? Eu, con­fes­sor, es­tou dis­pos­tos pa­ra a mu­dan­ça, a con­ver­são, co­mo es­te pe­ni­ten­te, ao ser­vi­ço do qual fui cha­ma­do?”

To­dos nós fo­mos cons­ti­tuí­dos mi­nis­tros da re­con­ci­li­a­ção por pu­ra gra­ça de Deus, gra­tui­ta­men­te e por o amor, ou me­lhor, pre­ci­sa­men­te por mi­se­ri­cór­dia. So­mos mi­nis­tros da mi­se­ri­cór­dia gra­ças à mi­se­ri­cór­dia de Deus; nun­ca de­ve­mos per­der es­te olhar so­bre­na­tu­ral, que nos tor­na re­al­men­te hu­mil­des, aco­lhe­do­res e mi­se­ri­cor­di­o­sos pa­ra com ca­da ir­mão e ir­mã que pe­de pa­ra se con­fes­sar”.

No sa­cra­men­to da con­fis­são ou pe­ni­tên­cia, tan­to um co­mo ou­tro, so­mos be­ne­fi­ci­a­dos pe­la gra­ça mi­se­ri­cor­di­o­sa de Deus, atra­vés do si­nal sa­cra­men­tal que é a con­fis­são. Não exis­te me­lhor es­ta­do de es­pí­ri­to do que sen­tir-se per­do­a­do, pois pa­ra Deus não exis­te pe­ca­do que não te­nha per­dão. E co­mo não re­cor­dar uma be­la ex­pres­são do pa­pa: “Deus nun­ca se can­sa de per­do­ar, mas nós nos can­sa­mos de pe­dir per­dão”. Por is­so que Francisco anun­ci­ou o “Ano San­to ex­tra­or­di­ná­rio da Mi­se­ri­cór­dia”, de 08 de de­zem­bro 2015 a 20 de no­vem­bro 2016. Anun­ci­ar ao mundo que a mi­se­ri­cór­dia de Deus é o ca­mi­nho da paz e da har­mo­nia. Que Deus te aben­çoe. Uma aben­ço­a­da se­ma­na pa­ra vo­cê e sua fa­mí­lia!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.