Ado­les­cen­te com­pra be­bi­da al­coó­li­ca com fa­ci­li­da­de

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Le­o­nar­do Fi­lho le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com

A pe­di­do do Diá­rio, e com au­to­ri­za­ção dos pais, me­nor mos­tra que as vendas ocor­rem sem con­tro­le An­tes con­tra­ven­ção pe­nal, cri­me tem pe­nas mais rí­gi­das

O cor­po fran­zi­no, os pri­mei­ros pê­los de bar­ba, ber­mu­da, ca­mi­se­ta e os in­se­pa­rá­veis fo­nes de ou­vi­do. Ca­rac­te­rís­ti­cas co­muns em ado­les­cen­tes. Mes­mo com es­se per­fil, um ga­ro­to de 16 anos con­se­guiu com­prar com fa­ci­li­da­de be­bi­das al­coó­li­cas em es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais de Ma­rin­gá. A con­vi­te do Diá­rio, e com au­to­ri­za­ção dos pais, o ga­ro­to fez o tes­te na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra e foi a qua­tro ti­pos de co­mér­cio. Em ne­nhum mo­men­to foi ques­ti­o­na­do pe­lo ven­de­dor so­bre a ida­de.

A con­du­ta que há mais de 10 anos é con­si­de­ra­da cri­me pas­sou a ter um tex­to di­re­to e cla­ro, com pu­ni­ções mais se­ve­ras, há pou­cos di­as no País. En­trou em vi­gor a Lei 13.106, que al­te­ra ar­ti­gos do Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e Ado­les­cen­te (ECA). De acor­do com a mu­dan­ça, ven­der ou en­tre­gar be­bi­da al­coó­li­ca a me­nor de 18 anos po­de re­sul­tar em pri­são, mul­ta que va­ria de R$ 3 mil a R$ 10 mil, além de in­ter­di­ção do es­ta­be­le­ci­men­to.

Oob­je­ti­voé­com­ba­te­ru­ma­prá­ti­ca ain­da mui­to co­mum e con­si­de­ra­da cul­tu­ral. “É pre­ci­so que com o tem­po as pes­so­as mu­dem es­sa pos­tu­ra e não ba­na­li­zem o for­ne­ci­men­to de ál­co­ol ao ado- les­cen­te, já que a be­bi­da al­coó­li­ca é a por­ta de en­tra­da de mui­tas ou­tras dro­gas”, afir­mou o con­se­lhei­ro­tu­te­larVan­dréFer­nan­do.

Es­sa­ques­tão­cul­tu­ra­les­tá­tam­bém no ato de ven­der, já que nos lo­cais em que o ado­les­cen­te con­vi­da­do por O Diá­rio es­te­ve a ven­da ocor­reu na­tu­ral­men­te. No pri­mei­ro lo­cal, um bar na zo­na oes­te, a me­nos de mil me­tros de uma es­co­la pú­bli­ca, fal­tou ‘diá­lo­go’. “En­trei, pe­di du­as la­tas de cer­ve­ja e uma sa­co­la. A ven­de­do­ra não fa­lou uma pa­la­vra”, des­cre­veu o ado­les­cen­te ao re­tor­nar­co­mas­cer­ve­jas.

No se­gun­do es­ta­be­le­ci­men­to, uma lo­ja de con­ve­ni­ên­cia de um pos­to na re­gião norte, ao pe­gar du­as gar­ra­fas de vod­ca, a bal­co­nis­ta ain­da ori­en­tou o ga­ro­to. “Tem mais ge­la­da, não quer?”, co­men­tou o ga­ro­to. O ter­cei­ro lo­cal em que com­prou a be­bi­da foi um pe­que­no mer­ca­do. O ado­les­cen­te foi um tan­to ‘abu­sa­do’ ao per­gun­tar aon­de fi­ca­vam as be­bi­das des­ti­la­das. “Um fun­ci­o­ná­rio me ori­en­tou e con­se­gui­com­prar­sem­pro­ble­mas”,co­men­tou o ado­les­cen­te, que saiu do es­ta­be­le­ci­men­to com uma gar­ra­fa de vi­nho (750 ml) e 1 li­tro de­vod­ca.

Ao che­gar em um em­pó­rio – que fi­ca a me­nos de 500 me­tros de uma es­co­la no Jar­dim Al­vo­ra­da – mais fa­ci­li­da­de. O ga­ro­to com­prou dois ‘ la­tões’ con­ten­do 550 ml de cer­ve­ja ca­da. En­quan­to a re­por­ta­gem re­gis­tra­va a com­pra da be­bi­da era pos­sí­vel ver vá­ri­os es­tu­dan­tes pas­san­do nas pro­xi­mi­da­des do co­mér­cio. “Em ne­nhu­ma ação fui ques­ti­o­na­do, me pe­di­ram do­cu­men­to ou al­go as­sim. Foi bas­tan­te tran­qui­lo”, co­men­tou o jovem. Os pro­du­tos com­pra­dos não fo­ram con­su­mi­dos pe­lo ado­les­cen­te. (Co­la­bo­rou Mu­ri­lo Gat­ti)

—FO­TO: J. C. FRA­GO­SO

COM­PROU CER­VE­JA, VI­NHO E VOD­KA. Em ne­nhum dos es­ta­be­le­ci­men­tos vi­si­ta­dos foi so­li­ci­ta­do ao ado­les­cen­te a apre­sen­ta­ção de do­cu­men­tos: “Foi bas­tan­te tran­qui­lo”, dis­se ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.