Re­de sub­di­men­si­o­na­da pro­vo­ca ala­ga­men­tos

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pe­dro Re­al Es­pe­ci­al pa­ra O Diá­rio

A Se­cre­ta­ria de Pla­ne­ja­men­to e Ur­ba­nis­mo de Ma­rin­gá vai al­te­rar o sis­te­ma de dre­na­gem e ab­sor­ção de água nos lo­cais on­de os ala­ga­men­tos são fre­quen­tes. O se­cre­tá­rio Laér­cio Bar­bão afir­ma exis­tir dois pon­tos crí­ti­cos na ci­da­de: nas ave­ni­das Mo­ran­guei­ra e Ale­xan­dre Ras­gu­la­eff.

De acor­do com ele, o pro­ble­ma se­rá so­lu­ci­o­na­do com a exe­cu­ção do pro­je­to de cons­tru­ção do ter­mi­nal ro­do­viá­rio intermodal - apro­va­do pe­la Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral no va­lor de R$ 70 mi­lhões. “Te­mos di­men­si­o­na­do uma ga­le­ria de es­go­to que vai ti­rar o flu­xo de água da Ave­ni­da Mo­ran­guei­ra pa­ra uma via per­pen­di­cu­lar, a Ave­ni­da Pi­o­nei­ro Alí­cio Aran­tes Cam­po­li­na”, in­for­ma.

O se­cre­tá­rio res­sal­ta que o pro­je­to bus­ca sa­nar o pro­ble­ma de trans­bor­da­men­to na ga­le­ria de es­go­to da Ave­ni­da Ale­xan­dre Ras­gu­la­eff. “Qu­e­re­mos au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de es­co­a­men­to por de­bai­xo da ave­ni­da”, diz.

O se­cre­tá­rio lem­bra que as tu­bu­la­ções fo­ram cons­truí­das na dé­ca­da­de­ses­sen­ta­do­sé­cu­lo­pas­sa­do e não su­por­tam as ne­ces­si­da­des atu­ais do mu­ni­cí­pio. “Es­ta­mos­re­féns­do­sub­di­men­si­o­na­men­to­fei­tohá­tem­pos”,diz.

Par­te das tu­bu­la­ções da ci­da­de tem qu­a­ren­ta cen­tí­me­tros (cm) de diâmetro - ta­ma­nho in­fe­ri­or ao ade­qua­do. “Nós fi­ze­mos uma no­va le­gis­la­ção de pa­vi­men­ta­ção e dre­na­gem plu­vi­al que pre­vê um diâmetro mí­ni­mo de ses­sen­ta cen­tí­me­tros”, co­men­ta. O pra­zo pa­ra a exe­cu­ção do pro­je­to ain­da não foi de­fi­ni­do.

Re­a­de­qua­ção

O se­tor de Con­ser­va­ção de Ga­le­ri­as Plu­vi­ais da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Ser­vi­ços Pú­bli­cos (Se­musp) es­ta­rá en­vol­vi­do, até a pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, na re­a­de­qua­ção das ga­le­ri­as pró­xi­mas da Rua Pi­o­nei­ro Do­min­gos Da­nho­ni. Se­gun­do in­for­ma­ções da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá, o ob­je­ti­vo das obras é au­men­tar a va­zão da água, pois as chu­vas da se­ma­na pas­sa­da in­va­di­ram quin­tais de re­si­dên­ci­as e até a igre­ja do bair­ro. Na obra, as tu­bu­la­ções de 40cm­vão­ser­tro­ca­das­pa­ra­a­ten­der à no­va le­gis­la­ção.

Fa­to­res

A en­ge­nhei­ra ci­vil Do­ra­li­ce Apa­re­ci­da Fa­va­ro Soares, pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), ci­ta três prin­ci­pais fa­to­res pa­ra a ocor­rên­cia de ala­ga­men­tos na ci­da­de: a im­per­me­a­bi­li­za­ção do so­lo, o vo­lu­me de chu­vas e a cons­ci­ên­cia ci­vil. A Lei Com­ple­men­tar 888/2011 so­bre o uso e a ocu­pa­ção do so­lo no mu­ni­cí­pio pre­vê, no Ar­ti­go 25, que, no mí­ni­mo, 10% da área to­tal dos lo­tes em zo­nas ur­ba­nas se­jam de áre­as per­meá­veis, sen­do proi­bi­do a pa­vi­men­ta­ção, re­ves­ti­men­to­ou­co­ber­tu­ra.

Ape­sar dos es­for­ços le­gais, Do­ra­li­ce diz que o mu­ni­cí­pio per­deu mui­ta área per­meá­vel nos úl­ti­mos anos. Em de­cor­rên­cia dis­so, a água da chu­va não tem por on­de es­co­ar. “Quan­do ti­nha a es­ta­ção fer­ro­viá­ria no No­vo Cen­tro, por exem­plo, era tu­do per­meá­vel. A água não ia pa­ra a re­de plu­vi­al”, ci­ta. Os ter­re­nos re­si­den­ci­ais tam­bém so­fre­ram al­te­ra­ções nos úl­ti­mos anos. “An­ti­ga­men­te, ape­nas 30% dos lo­tes eram de cons­tru­ções. To­do o res­to era quin­tal”, re­cor­da.

De acor­do com ela, a re­a­de­qua­ção dos sis­te­mas de ga­le­ri­as plu­vi­ais não re­sol­ve o pro­ble­ma por com­ple­to. “Se a nos­sa re­de es­ti­ves­se em per­fei­to es­ta­do, a gen­te ape­nas es­ta­ria em­pur­ran­do o pro­ble­ma. Pois as­sim, quem vai en­cher é o rio”, afir­ma.

Ma­rin­gá ain­da con­ta com um ele­va­do ní­vel de ar­bo­ri­za­ção que po­de co­la­bo­rar com o en­tu­pi­men­to das ga­le­ri­as. “As fo­lhas ca­em e aca­bam sen­do le­va­das, jun­ta­men­te com a pró­pria ter­ra e ou­tras su­jei­ras pa­ra as re­des plu­vi­ais. Is­so di­mi­nui o es­co­a­men­to fa­zen­do com que a água fi­que re­ti­da”, ilus­tra Do­ra­li­ce.

Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta, é ne­ces­sá­rio cons­truir lo­cais on­de a água pos­sa ser le­va­da e in­fil-

Diâmetro dos tu­bos im­pe­de o es­co­a­men­to de água da chu­va Pon­tos crí­ti­cos es­tão na Mo­ran­guei­ra e Ale­xan­dre Ras­gu­la­eff

tra­da,co­mo­re­ser­va­tó­ri­o­ses­con­di­dos ou su­mi­dou­ros - aber­tu­ra que se co­mu­ni­ca com a re­de de ga­le­ri­as - que pre­ci­sam ser re­vi­sa­dos cons­tan­te­men­te. “Em uma ci­da­de co­mo a nos­sa, pre­ci­sa­mos pen­sar ser ne­ces­sá­ria ma­nu­ten­ção pa­ra que es­ses re­ser­va­tó­ri­os fi­quem sem­pre lim­pos”, ad­ver­te. Do­ra­li­ce apon­ta ou­tro fa­tor pa­ra os ala­ga­men­tos na ci­da­de. “Chu­vas rá­pi­das e for­tes têm acon­te­ci­do com mai­or frequên­cia”, diz.

De acor­do com a Es­ta­ção Cli­ma­to­ló­gi­ca Prin­ci­pal de Ma­rin­gá, a mé­dia de pre­ci­pi­ta­ção plu­vi­al nes­te mês, até o dia 18, é de 275,8 mi­lí­me­tros (mm). A mé­dia his­tó­ri­ca pa­ra mar­ço, nos úl­ti­mos 10 anos, é de 168,63 mm. Is­so sig­ni­fi­ca, que tem cho­vi­do 63% aci­ma­da­mé­dia.

Cons­ci­ên­ci­a­ci­vil

Es­pe­ci­a­lis­tas ga­ran­tem que o po­der pú­bli­co pre­ci­sa atu­ar em con­jun­to com a so­ci­e­da­de pa­ra evi­tar que os ala­ga­men­tos con­ti­nu­em. A bió­lo­ga Lí­dia Ma­rós­ti­ca, no li­vro “Ges­tão Am­bi­en­tal Mu­ni­ci­pal Sus­ten­tá­vel”, afir­ma que tam­bém de­ve­mos cui­dar com a po­lui­ção di­fu­sa. “A ci­da­de é um ha­bi­tat ur­ba­no. É pre­ci­so cooperação e en­ten­di­men­to de que es­sa é uma res­pon­sa­bi­li­da­de de to­dos”, diz.

Tra­ta-se da po­lui­ção que não tem um fo­co de­fi­ni­do e, por­tan­to, cos­tu­ma ser ig­no­ra­da. “As pes­so­as jo­gam pa­pel de sor­ve­te, sa­co plás­ti­co, em­ba­la­gem de al­gum ape­ri­ti­vo que co­meu nos bu­ei­ros e is­so vai en­tu­pin­do as tu­bu­la­ções”, afir­ma.

—FO­TO: J. C. FRA­GO­SO

RIO. Na Ave­ni­da Mo­ran­guei­ra, vo­lu­me de água acu­mu­la­da é tan­to que car­ro ao tran­si­tar na via fi­ca meio sub­mer­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.