Mar­cos Pon­tes

“A gen­te tem a im­pres­são de que do­mi­na tan­ta coi­sa e, quan­do che­ga ao es­pa­ço, sen­te que não é na­da.”

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Eder­son Hi­sing eder­son@odi­a­rio.com

OO as­tro­nau­ta Mar­cos Pon­tes, 52 anos, re­a­li­zou um so­nho não ape­nas de sua in­fân­cia, mas da vi­da de mui­ta gen­te ao par­ti­ci­par da Mis­são Cen­te­ná­rio, no es­pa­ço, du­ran­te 10 di­as em 2006. O úni­co brasileiro da his­tó­ria a con­quis­tar tal fei­to pas­sou a in­fân­cia e par­te da ju­ven­tu­de na pe­ri­fe­ria deBau­ru(SP).

En­ga­ja­do­co­ma­e­du­ca­ção,oas­tro­nau­ta de­di­ca boa par­te de seu tem­po mi­nis­tran­do pa­les­tras e dan­do au­las - ele é pro­fes­sor de En­ge­nha­ri­aAe­ro­náu­ti­ca­daU­ni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP). Au­tor de qua­tro li­vros, o exe­le­tri­cis­ta apos­ta na pre­pa­ra­ção das ge­ra­ções fu­tu­ras pa­ra que o ho­mem pos­sa ex­plo­rar ain­da mai­so­es­pa­ço.

O as­tro­nau­ta é do­no de um cur­rí­cu­lo in­ve­já­vel. Ofi­ci­al de re­ser­va da For­ça Aé­rea Bra­si­lei­ra (FAB), Pon­tes tam­bém é en­ge­nhei­ro ae­ro­náu­ti­co for­ma­do pe­lo Ins­ti­tu­to Tec­no­ló­gi­co de Ae­ro­náu­ti­ca (ITA) e re­pre­sen­tan­te brasileiro na Na­sa (Agên­cia Es­pa­ci­al dos Es­ta­dos Unidos). Na quin­ta-fei­ra pas­sa­da, ele es­te­ve em Ma­rin­gá par­ti­ci­pan­do de um even­to na Uni­ce­su­mar e da inau­gu­ra­ção de uma em­pre­sa de tá­xi aé­reo. Con­fi­ra, a se­guir, a con­ver­sa com o as­tro­nau­ta brasileiro.

P.—Con­teum­pou­co­da­sua ex­pe­ri­ên­ci­a­no­es­pa­ço,em 2006.Do­que­se­lem­brou quan­do­che­gou­lá? R.—

É sem­pre mar­can­te quan­do se re­pre­sen­ta um país no es­pa­ço e po­der par­ti­ci­par não só do pro­gra­ma es­pa­ci­al ame­ri­ca­no, em Hous­ton, mas tam­bém tra­ba­lhar com os rus­sos e com os ja­po­ne­ses. É mui­to in­te­res­san­te es­sa trans­fe­rên­cia, o con­ta­to com cul­tu­ras di­fe­ren­tes. Mas a pri­mei­ra coi­sa que me lem­brei no es­pa­ço foi da mi­nha mãe, a do­na Zu­lei­ka, lá em Bau­ru. Ela ti­nha os olhos bem azuis, era uma ita­li­a­na bra­va. Um dia es­ta­va cha­te­a­do por­que uns ami­gos dis­se­ram que eu não con­se­gui­ria ser pi­lo­to, uma vez que não era ri­co, ela olhou pa­ra mim e fa­lou que eu con­se­gui­ria fa­zer o que qui­ses­se na vi­da, desde que es­tu­das­se, tra­ba­lhas­se, per­sis­tis­se e sem­pre fi­zes­se mais do que es­pe­ra­vam de mim. No mo­men­to em que che­guei no es­pa­ço, lem­brei da­que­les olhos azuis de­la fa­lan­do aqui­lo. Exa­ta­men­te o azul da cor da Ter­ra vis­ta do es­pa­ço.

P.—Eéa­zul­mes­mo?Co­mo ex­pli­car? R.—

É bo­ni­to, é azul, é bran­co, é o la­ran­ja dos de­ser­tos, ver­de. É um ne­go­cio di­fe­ren­te. É di­fí­cil até pa­ra dor­mir. Eu sou da ma­nu­ten­ção da es­ta­ção es­pa­ci­al, as ve­zes brin­co que sou me­câ­ni­co de es­pa­ço­na­ve, por­que es­pe­ci­a­lis­ta de mis­são, co­mo fui for­ma­do, é um no­me mais bo­ni­to pra me­câ­ni­co. Ti­nha que fa­zer ma­nu­ten­ção dos sis­te­mas, man­ter tu­do fun­ci­o­nan­do e le­va­va o dia in­tei­ro fa­zen­do is­so. Eu ti­nha de 6 a 8 ho­ras pa­ra dor­mir por dia, e nes­sas ho­ras que eu ob­ser­va­va, es­cre­via um diá­rio e co­me­cei um dos­meus­li­vros.

P.—Já­tem­no­vas­mis­sões sen­do­pro­gra­ma­das? R.—

Eu gos­ta­ria de ter uma ou­tra mis­são. Fico à dis­po­si­ção do Bra­sil pa­ra ou­tras es­ca­la­ções, mas do jei­to que es­ta­mos em ter­mo de pro­gra­ma es­pa­ci­al é mui­to im­pro­vá­vel. Não di­go que é im­pos­sí­vel­por­que­es­se­sa­cor­do­sin­ter­na­ci­o­nais de uma ho­ra pa­ra ou­tra mu­dam. Exis­tem vá­ri­as em­pre­sas, vá­ri­as ins­ti­tui­ções no mundo, es­pe­ci­al­men­te nos Es­ta­dos Unidos (EUA), de­sen­vol­ven­do tra­ba­lhos no es­pa­ço pa­ra subs­ti­tui­ção dos ôni­bus es­pa­ci­ais. Têm vá­ri­os ami­gos meus que já se trans­fe­ri­ram pa­ra es­sas ini­ci­a­ti­vas.

P.—Em­ter­mos­de­pla­no es­pa­ci­al,oB­ra­si­les­tá­mui­to atra­sa­do? R.—

Eu di­ria que a gen­te es­tá mui­to mais atra­sa­do do que po­de­ria es­tar. O Bra­sil foi um dos pri­mei­ros­paí­se­sa­en­tra­rem­pro­gra­mas ou pro­je­tos es­pa­ci­ais. E com o tem­po, es­ses pro­je­tos fo­ram fi­can­do à mín­gua. É di­fí­cil en­ten­der ou ex­pli­car o porquê. O que eu sin­to é que é ne­ces­sá­rio um pla­ne­ja­men­to e a exe­cu­ção de­le de uma for­ma mais as­sí­dua ou mais con­tí­nua ao lon­go do tem­po. Lem­bran­do que um pro­gra­ma ou qual­quer pro­je­to nes­sa área da ci­ên­cia e tec­no­lo­gia du­ram anos, prin­ci­pal­men­te se en­vol­ver a par­te de ci­ên­cia bá­si­ca. Pa­ra is­so é pre­ci­so de cer­ta cons­tân­cia e fi­xar um ob­je­ti­vo e per­se­gui-lo até o fi­nal, o que não vem acon­te­cen­do. A gen­te per­deu mui­tas opor­tu­ni­da­des. E não es­tou fa­lan­do is­so em crí­ti­ca ao pro­gra­ma, por­que tam­bém fa­ço par­te de­le, en­tão cri­ti­co o meu tra­ba­lho tam­bém. Eu ten­to fa­zer o meu me­lhor, mas in­fe­liz­men­te não de­pen­de só da par­te téc­ni­ca. De­pen­de de mui­tas ou- tras par­tes e al­gu­mas de­las são di­fí­ceis de en­ten­der.

P.—Co­mo­mu­da­res­te ce­ná­rio? R.—

Quem me co­nhe­ce bas­tan­te fa­la que sou meio ob­ce­ca­do por edu­ca­ção e is­so de cer­ta for­ma é ver­da­de por­que eu ve­jo a edu­ca­ção co­mo um ca­mi­nho pa­ra que a gen­te mo­di­fi­que, não a pe­que­no nem a mé­dio, mas a lon­go pra­zo a cul­tu­ra em­pre­ga­da nos al­tos es­ca­lões de ca­da país. Se a gen­te pre­pa­rar bem a pró­xi­ma ou al­gu­mas pró­xi­mas ge­ra­ções po­de­re­mos ter um País que re­al­men­te tra­ba­lhe co­e­so e na di­re­ção de al­guns ob­je­ti­vos fi­xa­dos. Mas pra is­so a gen­te pre­ci­sa tra­ba­lhar a edu­ca­ção. Por is­so gos­to­tan­to­dei­re­mes­co­la­seu­ni­ver­si­da­des.

P.—Qu­al­foi­o­ca­mi­nho que­tri­lhou­pa­ra­che­gar atéo­pro­gra­ma­es­pa­ci­al ame­ri­ca­no? R.—

Es­tu­do. Des­cul­pa fi­car fa­lan­do de edu­ca­ção, mas edu­ca­ção é o ca­mi­nho. Meu pai era au­xi­li­ar de ser­vi­ços ge­rais do Ins­ti­tu­to Brasileiro do Ca­fé, em Bau­ru, e vi­vía­mos na pe­ri­fe­ria. Não ti­nha di­nhei­ro ne­nhum, tan­to é que ti­ve que co­me­çar a tra­ba­lhar aos 14 anos pa­ra co­lo­car di­nhei­ro em ca­sa. E co­mo foi pos­sí­vel con­se­guir? Es­tu­dan­do. No meu tem­po de fol­ga eu es­tu­da­va pa­ra pas­sar na aca­de­mia da For­ça Aé­rea e en­trei lá gra­ças a is­so. De­pois ti­ve uma car­rei­ra to­da co­mo pi­lo­to, mas nun­ca pa­rei de es­tu­dar. Ou­tro pon­to im­por­tan­te é não se aco­mo­dar, fi­car na zo­na de con­for­to que a mai­o­ria das pes­so­as ten­de a fi­car quan­do se es­ta­be­le­ce nu­ma car­rei­ra. Vo­cê tem que fa­zer ou­tras coi­sas, fui fa­zer en­ge­nha­ria, mes­tra­do, dou­to­ra­do, sem­pre cor­ren­do atrás de apren­der mais. En­tão, foi is­so que mu­dou as coi­sas. Quan­do sou­be que a Na­sa ia abrir uma tur­ma de as­tro­nau­tas e que o Bra­sil par­ti­ci­pa­ria, me ins­cre­vi no con­cur­so pú­bli­co e fui se­le­ci­o­na­do. A par­tir da­que­le mo­men­to, dei­xei mi­nha fun­ção mi­li­tar da ati­va pa­ra pas­sar a ter a fun­ção de as­tro­nau­ta, que é ci­vil. Eu re­a­li­zei um so­nho de in­fân­cia.

P.—Por­que­as­vi­a­gens es­pa­ci­ai­sain­da­são­tão res­tri­tas? R.—

O cus­to des­sas vi­a­gens ain­da é mui­to al­to. En­quan­to não se de­sen­vol­vem sis­te­mas mais ca­pa­zes em ter­mos de nú­me­ro de pes­so­as e in­clu­si­ve a sim­pli­ci­da­de que vo­cê aca­ba ten­do com o au­men­to de tec­no­lo­gi­as, o pre­ço não cai. Quem sa­be a gen­te não con­si­ga no fu­tu­ro fa­zer mais vi­a­gens. E eu acre­di­to nes­sas em­pre­sas que co­me­ça­ram a tra­ba­lhar com a par­te co­mer­ci­al do es­pa­ço, pa­ra fa­zer tu­ris­mo es­pa­ci­al. En­tão, tem mui­ta coi­sa in­te­res­san­te pe­la fren­te. À me­di­da em que is­so apa­re­cer, o cus­to abai­xa e mais­pes­so­as­so­bem.Mi­nha­mis­são cus­tou 10 mi­lhões de dó­la­res. Ho­je, es­tá em 56 mi­lhões. Es­se é o pre­ço que a Na­sa pa­ga a uma agên­cia es­pa­ci­al rus­sa pa­ra ca­da as­tro­nau­ta ame­ri­ca­no ir ao es­pa­ço. To­da vez que pen­sa nes­se ti­po de ne­gó­cio, tem que pen­sar tam­bém que a tec­no­lo­gia po­de ter de im­pac­to social mui­to po­si­ti­vo. Fo­ra a par­te da ci­ên­cia, de pro­du­tos, tem a ge­ra­ção de em­pre­gos.Ma­sis­so­não­se­con­se­gue so­zi­nho, tem que tra­ba­lhar em­con­jun­to.

P.—Exis­tem­crí­ti­cas­quan­to aoin­ves­ti­men­to­do­go­ver­no fe­de­ra­lem­su­a­mis­são.Mas vo­cêa­ju­dou­a­le­va­ra­di­an­te pes­qui­sas­ci­en­tí­fi­cas­fei­tas­no Bra­sil­tam­bém,nãoé?

R.— Os pes­qui­sa­do­res bra­si­lei­ros­fo­ram­mui­to­e­lo­gi­a­dos­no­ex­te­ri­or. Des­ta­co dois pro­je­tos que fo­ram le­va­dos. Um da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al do Rio de Ja­nei­ro, re­pro­du­zi­do em vá­ri­os paí­ses, e que tra­ta da al­te­ra­ção de DNA em vo­os de lon­ga du­ra­ção. Ou­tro, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de San­ta Ca­ta­ri­na, tra­ta da trans­fe­rên­cia de ca­lor de for­ma pas­si­va. A gen­te pa­ga­va mi­lhões por es­sa tec­no­lo­gia que ho­je é fei­ta aqui, por uma pe­que­na fra­ção do­pre­ço.

P.—Éver­da­de­quei­rao es­pa­ço­po­de­tra­ze­rim­pac­tos ne­ga­ti­vosà­saú­de? R.—

Exis­tem,sim,al­gu­mas­ques­tões im­por­tan­tes de saú­de li­ga­das à de­te­ri­o­ra­ção do sis­te- ma imu­no­ló­gi­co, car­di­o­vas­cu­lar, hor­mo­nal e tam­bém de den­si­da­de ós­sea. O es­pa­ço faz mal pa­ra­a­gen­te.Po­ren­quan­to.

P.—Em2014,ose­nhor­ten­tou uma­va­ga­naCâ­ma­raFe­de­ral. Fez­mais­de43­mil­vo­tos,mas não­se­e­le­geu.Além­dis­so, tam­bé­mar­ti­cu­la­a­cri­a­ção doPMB(Par­ti­doMi­li­tar Brasileiro).Vai­se­can­di­da­tar no­va­men­te­em2018? R.—

Is­so é uma coi­sa que, pa­ra fa­lar a ver­da­de, es­tou um tan­to in­de­ci­so ain­da. Es­tou no PSB (Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Brasileiro) e te­nho aju­da­do a mon­tar o PMB pe­lo Bra­sil afo­ra. Fal­tam al­gu­mas coi­sas a se­rem fei­tas ain­da, mas o par­ti­do es­tá aí, sur­gin­do. Eu acho im­por­tan­te a gen­te ter tam­bém a par­ti­ci­pa­ção do PMB, por­que é um la­do im­por­tan­te a ser co­lo­ca­do. Não por qual­quer ques­tão­de­di­ta­du­ra,mes­mo­por­que­não­gos­to­des­te­no­me­que­pa­re­ce que é uma coi­sa clas­sis­ta, quan­do, de fa­to, não é. A mai­or par­te são ci­vis. Eu gos­to da ide­o­lo­gia co­lo­ca­da por eles. Acho que es­tá fal­tan­do is­so no Bra­sil. Me per­gun­ta­ram di­as atrás se vou me can­di­da­tar a pre­fei­to de Bau­ru. Dis­so te­nho cer­te­za que não. Te­nho uma sé­rie de coi­sas pa­ra fa­zer até 2018 e vou ana­li­sar. Se eu ti­ver, en­tre as­pas, dis­po­ní­vel, ou se­ja, não es­ti­ver no es­pa­ço em 2018, por exem­plo, po­de ser que me can­di­da­te, sim. Mas ain­da não sei. Não sei nem se vou fi­car no PSB ou sair. Es­tou na dú­vi­da,es­teéu­ma­no­pa­ra­re­fle­xão.

Co­mo o se­nhor ava­lia a atu­al­cri­se­po­lí­ti­ca­doPaís?

P.— R.— Fa­lan­do em lin­gua­gem de pi­lo­to, o Bra­sil es­tá nu­ma tem­pes­ta­de. Quan­do vo­cê de­co­la e vê aque­la tem­pes­ta­de to­da, o mais im­por­tan­te a se fa­zer nes­sa ho­ra é man­ter a proa, o na­riz [da ae­ro­na­ve] pa­ra ci­ma e man­ter a ra­zão de su­bi­da por­que vai che­gar um cer­to mo­men­to em que a tem­pes­ta­de vai pas­sar. Vai che­gar um mo­men­to em que as nu­vens ruins vão fi­car pa­ra bai­xo e vo­cê vai ter aque­le ta­pe­tão bran­co com céu azul em ci­ma que só aque­les que re­al­men­te se ar­ris­cam vão con­se­guir ver. Só quem se ar­ris­ca, se man­tém pa­ra ci­ma nos mo­men­tos di­fí­ceis, é que vai ven­cer a tem­pes­ta­de.

P.—Eu­li­que­o­se­nhor­tem en­tre­oshob­bi­e­sa­li­te­ra­tu­ra, apin­tu­ra­e­a­mú­si­ca,além de­es­cre­ver.Co­mo­ai­da­ao es­pa­çoin­flu­en­ci­ou­nis­to?

R.— É um ne­gó­cio tão es­qui­si­to, mas es­qui­si­to no sen­ti­do po­si­ti­vo. Quan­do a gen­te es­tá aqui o ho­ri­zon­te é mui­to per­to, é cheio de obs­tá­cu­los. De re­pen­te, de lá, vo­cê con­se­gue en­xer­gar um pla­ne­ta sem ho­ri­zon­te, vo­cê vê a cur­va­tu­ra, e é uma sen­sa­ção es­tra­nha quan­do se co­lo­ca co­mo tri­pu­lan­te de uma es­pa­ço­na­ve. É uma ve­lo­ci­da­de in­crí­vel que a gen­te não se dá con­ta. Vo­cê co­me­ça pen­sar em ter­mos de universo, sei que pa­re­ce con­ver­sa de lou­co is­so, mas a gen­te vi­ve mui­to pou­co. Se con­si­de­rar em ter­mos de universo, a gen­te não vi­ve na­da. Uma pes­soa vi­ver 100 anos pa­re­ce mui­to, mas 100 anos não são na­da. E so­mos mui­to pe­que­ni­nos. A gen­te tem a im­pres­são de que faz tan­ta coi­sa, que do­mi­na tan­ta coi­sa e, de re­pen­te, quan­do che­ga ao es­pa­ço, sen­te que não é na­da. Is­so mu­da sua vi­da.

P.—Co­mo­o­se­nhor­li­da­com es­sa­bre­vi­da­de­da­vi­da­e­as ques­tões­do­sur­gi­men­to­do universo?

R.— Ten­to fa­zer o má­xi­mo no dia a dia. A coi­sa mais im­por­tan­te de tu­do no fi­nal das con­tas são as pes­so­as. Se vo­cê no­tar, o cen­tro da nos­sa vi­da não é o quan­to vo­cê tem na con­ta do ban­co, mas as pes­so­as. Ti­re as pes­so­as da sua vi­da que ela fi­ca­rá va­zia e não te­rá va­lor ne­nhum. En­tão, eu ten­to vi­ver a mi­nha vi­da de uma ma­nei­ra fe­liz. Gos­to de con­ver­sar com as pes­so­as, de sen­tir. Ten­to ser o mais pro­du­ti­vo que con­si­go, não por­que te­nho me­do de mor­rer, na­da dis­so. Eu não te­nho me­do de mor­rer. Só te­nho me­do de que as coi­sas que eu sei mor­ram co­mi­go. Vo­cê tem que achar uma ma­nei­ra de es­co­ar is­so. Por is­so dou pa­les­tras, au­la, es­cre­vo li­vros, fa­lo pa­ra ca­ram­ba. Quan­to mais con­se­guir es­co­ar es­sas coi­sas, me­lhor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.