Per­dão é prá­ti­ca a ser res­ga­ta­da, diz Di­val­do

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Van­da Mu­nhoz van­da@odi­a­rio.com

A fi­la pa­re­cia in­ter­mi­ná­vel. Ca­da um com o li­vro que com­prou ali mes­mo ou o que ti­nha em ca­sa pa­ra que o mé­dium Di­val­doPe­rei­raF­ran­co­au­to­gra­fas­se. Eram 19 ho­ras da quar­ta-fei­ra pas­sa­da e, até as 20 ho­ras, ele aten­deu a to­dos na an­tes­sa­la do Cen­tro de Even­tos Ex­cel­len­ce, emMa­rin­gá.

Al­guns fa­zi­am ques­tão de to­car-lhe as mãos e pe­dir ben­ção. Ou­tros, fa­zi­am sel­fi­es, sor­ri­den­tes, en­quan­to o ex­po­en­te da di­vul­ga­ção da dou­tri­na es­pí­ri­ta as­si­na­va as obras. Ha­via tam­bém os que pe­di­am aos es­tra­nhos pa­ra que fo­to­gra­fas­sem o mo­men­to. Tu­do sem qual­quer tu­mul­to.

As­sim era o cli­ma no dia da pa­les­tra de Di­val­do Pereira Fran­co. Mais de três mil pes­so­as se aco­mo­da­vam nas ca­dei­ras do sa­lão prin­ci­pal. Ou­tras, fi­ca­vam em pé, nos cor­re­do­res la­te­rais. Al­guns, sen­ta­ram-se no chão. Em cer­to mo­men­to, por me­di­da de se­gu­ran­ça, não foi mais per­mi­ti­da a en­tra­da no cen­tro de even­tos. A lo­ta­ção es­ta­va es­go­ta­da.

Após o ce­ri­mo­ni­al, o mé­dium, que tem uma ora­tó­ria im­pe­cá­vel e gran­de ca­ris­ma, di­ri­giu-se à tri­bu­na e fez uma pa­les­tra que du­rou mais de uma ho­ra. Fa­lou, emes­sên­cia,so­bre­o­per­dão.

“Vi­ve­mos uma ho­ra na so­ci­e­da­de, on­de o per­dão de­ve de­sem- pe­nhar pa­pel fun­da­men­tal, por­que to­dos nós ne­ces­si­ta­mos re­ce­ber o per­dão. To­dos nós ne­ces­si­ta­mos de per­do­ar e pra­ti­car o au­to­per­dão. Es­se trí­pli­ce as­pec­to do per­dão, na atu­a­li­da­de, sai das pá­gi­nas da te­o­lo­gia, pa­ra ocu­par o des­ta­que nas pá­gi­nas da psi­co­te­ra­pia. Por­que, quem per­doa, é fe­liz. Quem guar­da res­sen­ti­men­to faz com que o or­ga­nis­mo ab­sor­va ema­na­ções mor­bí­fi­cas, que ter­mi­nam por so­ma­ti­zar en­fer­mi­da­des de­ge­ne­ra­ti­vas”, des­ta­cou Di­val­do, em um mo­men­to da pa­les­tra. O pú­bli­co, em si­lên­cio, ab­sor­via as pa­la­vras, mos­tran­do-se con­cen­tra­dos.

O mé­dium ci­tou tam­bém os be­ne­fí­ci­os do per­dão. “No­tá­veis fí­si­cos quân­ti­cos, ateus, da Uni­ver­si­da­de Har­vard, fa­zen­do uma aná­li­se de nos­sos cem bi­lhões de neurô­ni­os, es- ta­be­le­cem que, quan­do o in­di­ví­duo ama, quan­do per­doa, quan­do tem mi­se­ri­cór­dia e to­le­rân­cia, os seus neurô­ni­os pro­du­zem on­das se­me­lhan­tes ao fó­ton, que tem a pro­pri­e­da­de de aglu­ti­nar mo­lé­cu­las, e, por con­sequên­cia, as neu­ro-co­mu­ni­ca­ções são sau­dá­veis, pro­por­ci­o­nan­do equi­lí­brio, saú­de e be­mes­tar”, res­sal­tou.

Di­val­do fa­lou tam­bém so­bre aque­les que não per­do­am. “Quan­do, por aca­so, o in­di­ví­duo odeia, tem res­sen­ti­men­tos, de­se­ja vin­gan­ça, é por­ta­dor do ciú­me e cul­ti­va as ma­ni­fes­ta­ções ne­ga­ti­vas. Os neurô­ni­os, da mes­ma for­ma, emi­tem on­das que fa­zem lem­brar o elé­tron, que tem o po­der de de­sar­ti­cu­lar as mo­lé­cu­las e abrir cam­po, no sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, pa­ra as in­fec­ções. En­tão, o sen­ti­men­to de per­dão, é um sen­ti­men­to psi­co­te­ra­pêu­ti­co, que pro­por­ci­o­na ao in­di­ví­duo, paz”, pon­tu­ou.

O pú­bli­co, ao fi­nal do en­con­tro, elo­gi­a­va as pa­la­vras do ora­dor es­pí­ri­ta. Mui­tos afir­ma­vam que se sen­ti­am mui­to bem. Pa­ra o di­re­tor do De­par­ta­men­to de Comunicação Social da As­so­ci­a­ção Es­pí­ri­ta de Ma­rin­gá (Amem), Al­cí­dio Pereira, o mé­dium fa­lou de um te­ma ne­ces­sá­rio pa­ra a hu­ma­ni­da­de. “Quem per­doa, vi­ve me­lhor. Quan­do vo­cê não per­doa, vo­cê to­ma o ve­ne­no que­ren­do que a ou­tra pes­soa (o ini­mi­go) mor­ra”, re­for­çou.

—FO­TO: J. C. FRA­GO­SO

EQUI­LÍ­BRIO. Per­do­ar é sau­dá­vel, pois pro­por­ci­o­na saú­de e bem-es­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.