Hip­no­se e PNL aju­dam a con­tro­lar a an­si­e­da­de

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Fer­nan­da Ber­to­la fer­nan­da@odi­a­rio.com EM TRAN­SE.

An­si­e­da­de, es­tres­se, pres­são, pro­ble­mas de con­cen­tra­ção e de me­mó­ria. Um ou a so­ma­tó­ria des­tes si­nais é ca­paz de com­pro­me­ter o de­sem­pe­nho de qual­quer can­di­da­to, por mais pre­pa­ra­do que se­ja, nu­ma pro­va de um con­cur­so pú­bli­co ou en­tre­vis­ta de em­pre­go. Mas com aju­da é pos­sí­vel al­can­çar equi­lí­brio. Um dos re­cur­sos é a hip­no­se. Cer­ca­da de es­tig­ma, a hip­no­se é di­fi­cil­men­te acei­ta e dis­se­mi­na­da na co­mu­ni­da­de pro­fis­si­o­nal. Se­gun­do Tâ­nia Mo­li­na­ri, que é psi­có­lo­ga clí­ni­ca, hip­no­te­ra­peu­ta e co­a­ch, a prá­ti­ca por mui­to tem­po foi mal com­pre­en­di­da por ter si­dou­ti­li­za­da­emshows­pa­ra­pro­var a ca­pa­ci­da­de do hip­no­ti­za­dor, mas quan­do uti­li­za­da com o pro­pó­si­to ade­qua­do po­de tra­zer be­ne­fí­ci­os di­ver­sos, in­clu­si­ve pa­ra sa­nar pro­ble­mas en­fren­ta­dos­na­vi­da­pro­fis­si­o­nal.

De­pois das ses­sões de hip­no­se, Tâ­nia ex­pli­ca que a sen­sa­ção ex­pe­ri­men­ta­da pe­lo pa­ci­en­te é de re­la­xa­men­to e sen­ti­dos agu­ça­dos, es­pe­ci­al­men­te a au­di­ção. “Os si­nais do pró­prio cor­po são sen­ti­dos com in­ten­si­da­de, a exem­plo da res­pi­ra­ção e das ba­ti­das do co­ra­ção”, diz. Ela ex­pli­ca que meia ho­ra de re­la­xa­men­to pro­fun­do in­du­zi­do pe­la hip­no­se equi­va­le a oi­to ho­ras de so­no inin­ter­rup­tas. “Pa­ci­en­tes re­la­tam que se sentem mais cal­mos, se­gu­ros, me­nos an­si­o­sos e me­nos com­pul­si­vos. Al- guns­con­quis­ta­me­ma­gre­ci­men­to, mes­mo que o fo­co se­ja o tra­ba­lho. A téc­ni­ca da hip­no­se tem si­do cli­ni­ca­men­te com­pro­va­da ao pro­por­ci­o­nar be­ne­fí­ci­os te­ra­pêu­ti­cos psi­co­ló­gi­cos e mé­di­cos, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção aos sin­to­mas de an­si­e­da­de, es­tres­se, de­pres­são e na mu­dan­ça da per­cep­ção­da­dor”,com­ple­ta.

Po­dem se sub­me­ter à hip­no­se pes­so­as que sentem que al­go não vai­be­me­mo­ci­o­nal­men­te.Aprá­ti­ca po­de be­ne­fi­ci­ar quem vai pres­tar ves­ti­bu­lar, con­cur­so, quem se pre­pa­ra­pa­rau­ma­ci­rur­gia,quem tem fo­bia hos­pi­ta­lar, mu­lhe­res que so­frem com a ten­são pré­mens­tru­al (TPM), pes­so­as que têm me­do de di­ri­gir ou vo­ar de avião. Pes­so­as que têm pro­ble­mas pa­ra ema­gre­cer, que so­frem com com­pul­sões, de­se­jam ace­le­rar o pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção, além de ges­tan­tes po­dem con­quis­tar mais equi­lí­brio. De mo­do ge­ral, as ses­sões au­xi­li­am no ge­ren­ci­a­men­to do es­tres­se. “Os pa­ci­en­tes que mais po­dem ter van­ta­gens são os que re­al­men­te que­rem a hip­no­se, acre­di­tam que po­dem­se­be­ne­fi­ci­ar,os­que­con­fi­am no pro­fis­si­o­nal e que são sus­ce­tí­veisàhip­no­se”,dizTâ­nia.

A es­pe­ci­a­lis­ta ex­pli­ca que a atu­al de­fi­ni­ção de hip­no­se pe­la As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Psi­co­lo­gia é um es­ta­do de cons­ci­ên­cia que en­vol­ve aten­ção fo­ca­da e cons­ci­ên­cia pe­ri­fé­ri­ca re­du­zi­da, ca­rac­te­ri­za­do por uma mai­or ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta à su­ges­tão. Tra­ta-se de um es­ta­do men­tal ou um ti­po de com­por­ta­men­toin­du­zi­do,ge­ral­men­te­com­pos- to­deu­ma­sé­ri­e­deins­tru­ções­pre­li­mi­na­res e su­ges­tões. Ela res­sal­ta que es­ta­do, ou tran­se, hip­nó­ti­co não é uma for­ma de so­no. “Os dois es­ta­dos de cons­ci­ên­cia são dis­tin­tos e a tec­no­lo­gia mo­der­na po­de com­pro­var de inú­me­ras for­mas, in­clu­si­ve pe­los acha­dos ele­tro­en­ce­fa­lo­grá­fi­cos,que­mos­tram on­das ce­re­brais de for­mas, frequên­ci­as e pa­drões dis­tin­tos pa­ra­ca­da­ca­so.”

O pa­ci­en­te que acei­ta a hip­no­se é co­lo­ca­do em uma po­si­ção con­for­tá­vel pa­ra que se­ja hip­no­ti­za­do por meio de téc­ni­cas de in­du­ção, que se­rão tes­ta­das pa­ra sa­ber qual é a que se adap­ta me­lhor ao seu es­ti­lo. Em me­nos de um mi­nu­to o pa­ci­en­te en­tra em tran­se­e­co­me­ça­a­ses­são.“Tra­ba­lha-se­di­re­ta­men­te­na­quei­xa­tra­zi­da pe­lo pa­ci­en­te. O tem­po to­do o pa­ci­en­te fi­ca cons­ci­en­te, par­ti­ci­pa­ti­vo. Mui­tos que têm qua­dros de an­si­e­da­de e es­tres­se pre­ci­sam de um re­la­xa­men­to pas­si­vo pa­ra di­mi­nuir as re­sis­tên­ci­as ea­cei­ta­ras­su­ges­tões.”

Se­gun­do Tâ­nia, a hip­no­se é con­si­de­ra­da uma das fer­ra­men­tas mais rá­pi­das e efi­ca­zes dis­po­ní­veis ho­je. “Uti­li­za-se téc­ni­cas de­re­la­xa­men­to­pro­gres­si­vo,res­pi­ra­ção di­a­frag­má­ti­ca, con­cen- tra­ção­e­a­ten­ção­ple­na­pa­ra­al­can­çar o tran­se hip­nó­ti­co, a fim de su­ges­ti­o­na­re­pro­gra­ma­ro­pen­sa­men­to e a me­mó­ria pa­ra o ob­je­ti­vo do pa­ci­en­te. For­ma­tar a ima­gem, a ce­na do que se de­se­ja al­can­çar, pa­ra con­quis­tar a me­ta, os ob­je­ti­vos e so­lu­ci­o­nar os pro­ble­mas são os pon­tos des­ta­ca­dos du­ran­te a re­so­lu­ção da pro­ble­má­ti­ca”. O fenô­me­no ocor­re con- du­zi­do­pe­lo­pro­fis­si­o­nal,mas,de­pois de trei­na­do, o pró­prio pa­ci­en­te é quem pro­mo­ve uma au­tohip­no­se. Es­sa ca­pa­ci­da­de as­se­gu­ra a ele a pos­si­bi­li­da­de de se­guir no ca­mi­nho do au­to­con­tro­le, equi­lí­brio, ho­me­os­ta­se (es­ta­bi­li­da­de­do­or­ga­nis­mo)equa­li­da­de de vi­da, fí­si­ca, men­tal e social. São es­tes ca­mi­nhos que po­dem tra­zer a tran­qui­li­da­de ne­ces­sá- ri­a­pa­ra­o­can­di­da­to­re­a­li­za­ru­ma pro­va ou se sair bem nu­ma en­tre­vis­ta de em­pre­go. A hip­no­se de­ve ser tra­ba­lha­da jun­to à psi­co­te­ra­pia pa­ra que os re­sul­ta­dos se­jam du­ra­dou­ros. Se­gun­do Tâ­nia, há pa­ci­en­te que con­se­gue re­sol­ver o pro­ble­ma nu­ma só ses­são, ou­tro po­de­e­xi­gir­de­zen­con­tros,de­pen­den­do­da­quei­xa,da­sus­ce­ti­bi­li­da­de­e­em­pe­nho.

DI­VUL­GA­ÇÃO — FO­TO:

Uti­li­za­se téc­ni­cas de re­la­xa­men­to pro­fun­do; há su­ges­ti­o­na­men­to e pro­gra­ma­ção de pen­sa­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.