Se­tor pro­du­ti­vo cal­cu­la im­pac­tos so­bre o ICMS

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM - Mu­ri­lo Gat­ti mgat­ti@odi­a­rio.com

Ele­va­ção das alí­quo­tas de 12% pa­ra 18% ou 25% co­me­ça a vi­go­rar em abril Ajus­te fis­cal atin­ge 95 mil itens e in­clui ali­men­tos, re­mé­di­os, rou­pas e pe­ças

A par­tir de 1º de abril co­me­çam a vi­go­rar no Pa­ra­ná as no­vas alí­quo­tas­doIm­pos­toSo­breCir­cu­la­ção de Mer­ca­do­ri­as (ICMS) pa­ra cer­ca de 95 mil itens. A me­di­da, que­e­le­va­o­por­cen­tu­al­de­co­bran­ça de 12% pa­ra 18% ou 25%, em ali­men­tos, ma­te­ri­ais es­co­la­res, me­di­ca­men­tos e pro­du­tos far­ma­cêu­ti­cos e de hi­gi­e­ne pes­so­al, cal­ça­dos e ar­ti­gos de ves­tuá­rio, ar­te­fa­tos de uso do­més­ti­co, ele­trô­ni­cos e ele­tro­do­més­ti­cos, au­to­pe­ças, mó­veis, ma­qui­ná­ri­os e ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, faz par­te do ajus­te fis­cal de­fen­di­do pe­lo go­ver­no es­ta­du­al pa­ra acer­tar as con­tas pú­bli­cas e re­to­mar os in­ves­ti­men­tos.

O se­tor pro­du­ti­vo ain­da aguar­da por uma re­vi­são em ao me­nos par­te do au­men­tos, mas fon­tes do go­ver­no afir­mam que ques­tões pon­tu­ais só vão ser dis­cu­ti­das com de­mons­tra­ções de even­tu­ais pre­juí­zos da no­va po­lí­ti­ca. O Sin­di­ca­to da In­dús­tria de Re­pa­ra­ção de Veí­cu­los e Aces­só­ri­os de Ma­rin­gá (Sin­di­re­pa Ma­rin­gá) co­me­ça a cal­cu­lar o im­pac­to­a­o­con­su­mi­dor­fi­nal.

Se­gun­do o pre­si­den­te da Sin­di­re­pa Ma­rin­gá, Antonio Dal­col­le, en­quan­to as em­pre­sas do se­tor ain­da tra­ba­lha­rem com pe­ças do es­to­que, o au­men­to no ICMS vai ser ab­sor­vi­do mas, pos­te­ri­or­men­te, não vai ser pos­sí­vel evi­tar o re­pas­se ao con­su­mi­dor. Ele exem­pli­fi­ca que um ser­vi­ço com cus­to de R$ 500, por exem­plo, em que R$ 350 se­jam de gas- tos com pe­ças, a al­ta no im­pos­to vai pro­vo­car um cus­to adicional de R$ 38,50. Ao mes­mo tem­po, uma re­vi­são de R$ 2 mil vai su­bir pa­ra R$ 2,154 mil.”Pos­te­ri­or­men­te, o re­a­jus­te se­rá re­pas­sa­do aos con­su­mi­do­res, já que 70% do cus­to de uma ma­nu­ten­ção é for­ma­do por pe­ças”, ava­lia Dal­col­le.

O pre­si­den­te do Sin­di­ca­to do Co­mér­cio Va­re­jis­ta de Ma­rin­gá e Re­gião (Si­va­mar), Ali War­da­ni, ana­li­sa que o au­men­to das alí­quo­tas é uma de­ci­são ime­di­a­tis­ta. “Que­ro ver co­mo vai fi­car de­pois, pois vai pe­na­li­zar o co­mér­cio e, con­se­quen­te­men­te, vai pe­na­li­zar o con­su­mi­dor. O co­mér­cio vai ter que re­pas­sar o au­men­to. Não tem al­ter­na­ti­va”, diz.

O re­pas­se, na ava­li­a­ção do pre­si­den­te, vai acon­te­cer ape­nas num se­gun­do mo­men­to. “Se co­brar mais ca­ro de ime­di­a­to, não vai ven­der e pre­ci­sa­mos pa­gar con­tas, folha de pa­ga­men­to, im­pos­tos, du­pli­ca­tas. Va­mos ter que con­ti­nu­ar a le­van­tar ce­do pa­ra fa­zer o cai­xa e sal­dar dí­vi­das. Do con­trá­rio, vi­ra uma bo­la d ene­ve. É uma equa­ção di­fí­cil de ser ad­mi­nis­tra­da”, con­si­de­ra. A ex­pec­ta­ti­va de War­da­ni é que o se­tor pro­du­ti­vo su­pe­re es­te mo­men­to com tran­qui­li­da­de. “Es­pe­ro que na­da anor­mal acon­te­ça no co­mér­cio e na so­ci­e­da­de de uma­for­ma­ge­ral”,con­si­de­rou.

Na ava­li­a­ção do pre­si­den­te do Sin­di­ca­to das In­dús­tri­as Me­tal­me­câ­ni­cas de Ma­rin­gá (Sin­di­me­tal), Car­los Wal­ter Mar­tins Pe­dro, o se­tor in­dus­tri­al vai en­fren­tar um im­pac­to for­te com as no­vas ta­ri­fas, o que vai ame- açar a com­pe­ti­ti­vi­da­de de vá­ri­os seg­men­tos. “Te­mos uma in­dús­tria trans­ver­sal. En­ten­de­mos que, pa­ra al­gu­mas em­pre­sas, em ra­zão da mar­gem es­trei­ta, a al­ta po­de até in­vi­a­bi­li­zar o pro­du­to no mer­ca­do”, ava­lia. A con­si­de­ra­ção tem co­mo ba­se o fa­to de que ou­tros Es­ta­dos ofe­re­cem re­du­ções de ICMS pa­ra al­guns­dos­pro­du­tos­da­ca­deia.

Pe­dro te­me que as me­di­das te­nham um efei­to con­trá­rio. “En­ten­de­mos o mo­men­to di­fí­cil do País e do Es­ta­do, mas co­lo­car tu­do no pro­du­to, o que vai am­pli­ar a di­fi­cul­da­de de com­pe­ti­ti­vi­da­de da in­dús­tria, po­de ter um efei­to in­ver­so. Com a eco­no­mia em re­tra­ção, au­men­to de cus­tos e que­da nas vendas, o re­sul­ta­do que o go­ver­no es­pe­ra po­de não acon­te­cer”, ob­ser­va.

—FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES

SAL­GA­DO. As ofi­ci­nas es­tão en­tre os se­to­res que se­rão afe­ta­dos com a al­ta na alí­quo­ta do ICMS. Ser­vi­ços que ne­ces­si­tem tro­ca de pe­ças fi­ca­rão mais ca­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.