(Des)afo­ris­mos poé­ti­cos

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Are­de vir­tu­al que nos per­meia, per­mi­te­nos des­co­ber­tas e pro­xi­mi­da­des. Acon­te­ce de tu­do e apa­re­cem-nos to­dos. Den­tre es­ses, um con­vi­te pa­ra que eu re­fle­tis­se so­bre po­e­sia. Na ta­re­fa pa­ra aten­dê-lo, res­ga­tei al­guns de meus co­men­tá­ri­os, pu­bli­ca­dos em tal re­de social, a res­pei­to do as­sun­to, aqui re­to­ma­dos na for­ma de afo­ris­mos. 1. Po­e­sia é uma pri­são que cons­truí­mos pa­ra nós mes­mos. De­pois, pas­sa­mos a vi­da to­da pa­ra es­ca­par de­la. 2. Não há re­cei­ta pa­ra o po­e­ma. Quem o cria, bus­ca uma des­co­ber­ta que ja­mais en­con­tra­rá. 3. Vez e ou­tra sin­to fal­ta do pen­sa­men­to for­te e que nos ilu­mi­ne. Um po­e­ma não nos bas­ta, mes­mo que nos con­for­te. Aí sim, a pa­la­vra mo­ve­rá mon­ta­nhas. 4. Por mais más­ca­ras que o po­e­ta vis­ta, sem­pre ha­ve­rá uma lá­gri­ma ou um sor­ri­so que o de­la­ta­rá. 5. O es­ti­lo é um es­pe­lho. 6. Nem sem­pre o po­e­ta tem a di­men­são da­qui­lo que es­cre­ve. Quan­do um po­e­ma to­ca o ou­tro, es­te po­e­ma pas­sa a ter vi­da pró­pria e a pró­pria vi­da tem sen­ti­do. 7. Quan­do um po­e­ma dei­xa de ser seu?, per­gun­ta­ram-me. Sem­pre o se­rá – res­pon­di. – O que acon­te- ce é que o po­e­ma cres­ce e ga­nha ou­tra ge­o­gra­fia. 8. A po­e­sia tam­bém é res­so­nân­cia e tro­ca de sen­si­bi­li­da­des. 9. O po­e­ma não tem a in­ten­ção de apre­sen­tar úni­ca lei­tu­ra. O po­e­ma é cons­truí­do por di­ver­sos olha­res. 10. Não exis­te po­e­sia de via úni­ca. 11. O po­e­ta é ins­tru­men­to da­qui­lo que sen­te e pen­sa. A pa­la­vra, es­cri­ta, é um pás­sa­ro em ple­no voo. Ca­be a pa­la­vra, li­da, ver o pás­sa­ro. 12. Não é ex­clu­si­vi­da­de de quem es­cre­ve per­ce­ber a pro­fun­di­da­de das coi­sas. 13. O po­e­ma não na­ve­ga so­men­te nas va­gas da noi­te. O po­e­ma, afoi­to, rom­pe fron­tei­ras e ador­me­ce em olhar alheio. 14. A gran­de­za de um po­e­ma es­tá no que ele pro­vo­ca. 15. Ape­sar de a pa­la­vra “al­ma” trans­por­tar-nos à es­pi­ri­tu­a­li­da­de, tam­bém re­me­te tan­to a “pen­sa­men­to” quan­to a “po­e­ma”. Al­go in­tan­gí­vel que se faz pre­sen­te, em­bo­ra o cor­po es­te­ja au­sen­te. Al­ma, pen­sa­men­to, po­e­ma – cer­to mo­do – tor­nam-se sinô­ni­mos. 16. Po­de-se es­cre­ver to­do o ti­po de po­e­ma, po­rém o mer­gu­lho na mais ín­ti­ma cé­lu­la de quem o cria é o que faz des­te po­e­ma, uni­ver­sal. 17. O exer­cí­cio da po­e­sia per­mi­te-nos cons­truir elos, pon­tes pa­ra que pos­sa­mos en­ten­der, em pri­mei­ra ins­tân­cia, a nós mes­mos. To­da­via, a po­e­sia não tem sen­ti­do ex­clu­si­va­men­te e tão so­men­te pe­la es­cri­ta; a po­e­sia com­ple­ta-se na lei­tu­ra. As­sim, mes­mo ca­la­da, a po­e­sia, qual o co­ra­ção, pul­sa e pal­pi­ta, en­tra em sin­to­nia com o si­lên­cio, sen­sa­ções da­que­le que se aven­tu­ra a lê-la, sen­ti-la e com­par­ti­lhá-la. 18. A po­e­sia, em es­sên­cia, é livre, re­bel­de e re­vo­lu­ci­o­ná­ria. 19. A po­e­sia nos per­mi­te não ser e nos dá o atre­vi­men­to de ir pou­co além. 20. Se a vi­da cou­bes­se em um po­e­ma, ofe­re­ce­ria to­do o meu es­for­ço. Mas em um po­e­ma ca­bem pa­la­vras e sen­ti­men­tos que nos pro­vo­cam. 21. O que é Po­e­sia? Se­ria a re­pre­sen­ta­ção do Be­lo por meio da es­cri­ta? Pa­ra que ser­ve a Po­e­sia? Pa­ra al­guns, de ser­ven­tia ne­nhu­ma; pa­ra ou­tros, ra­zão de exis­tir. 22. Pe­ço a sua li­cen­ça pa­ra ofe­re­cer a pos­si­bi­li­da­de da lei­tu­ra e que ca­da um pin­te o seu qua­dro. Dei­xe-me ofe­re­cer a te­la. O qua­dro fi­na­li­za­do por mim dei­xa­ria de ter sen­ti­do e eu, des­sa ma­nei­ra, per­de­ria a opor­tu­ni­da­de de es­cre­ver mais ou­tra pá­gi­na em mi­nha vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.