Avião com 150 pes­so­as a bor­do cai no Sul da Fran­ça

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Da Re­da­ção, com Agên­ci­as

Não há so­bre­vi­ven­tes; des­tro­ços fi­ca­ram es­pa­lha­dos por uma área de 100 a 200 me­tros de raio Air­bus A320, en­tre­gue em 1991, fa­zia a ro­ta Bar­ce­lo­na, na Es­pa­nha, Düs­sel­dorf, na Ale­ma­nha

Um avião Air­bus A320, da com­pa­nhia Germanwings, per­ten­cen­te a Lufthan­sa, com 150 pes­so­as a bor­do, caiu, on­tem, no Sul da Fran­ça. A ae­ro­na­ve de­co­lou de Bar­ce­lo­na, na Es­pa­nha, com des­ti­no a Düs­sel­dorf, Ale­ma­nha.Nãohá­so­bre­vi­ven­tes.

De acor­do com o pri­mei­ro-mi­nis­tro fran­cês, Ma­nu­el Valls, os des­tro­ços fo­ram lo­ca­li­za­dos nos Al­pes franceses, em uma re­gião de 2 mil me­tros de al­ti­tu­de e es­tão es­pa­lha­dos por um raio de 100a200­me­tros.

Já o pre­si­den­te do Con­se­lho Ge­ral do De­par­ta­men­to de Al­pes da Al­ta Pro­ven­ça, Gil­bert Sau­van, re­la­tou que es­tá “tu­do es­tá pul­ve­ri­za­do” e os pe­da­ços mai­o­res da fu­se­la­gem têm o ta­ma­nho­deum­car­ro­pe­que­no.

O mi­nis­tro do in­te­ri­or fran­cês, Ber­nard Ca­ze­neu­ve, que se des­lo­cou pa­ra a re­gião do aci­den­te, in­for­mou que o tra­ba­lho de res­ga­te dos cor­pos reú­ne 300 bom­bei­ros, 300 po­li­ci­ais, dez he­li­cóp­te­ros mi­li­ta­res e aviões. Se­gun­do ele, não há pre­vi­são pa­ra o fim do re­co­lhi­men­to do ma­te­ri­al e das ví­ti­mas.

O exe­cu­ti­vo-che­fe da Germanwings, Tho­mas Win­kel­mann, de­cla­rou, em co­le­ti­va de im­pren­sa, que o avião che­gou a uma al­ti­tu­de de 38 mil pés às 10h45 (ho­rá­rio lo­cal), ou 44 mi­nu­to­sa­pó­sa­de­co­la­gem,eum­mi­nu­to­de­pois­co­me­çou­u­ma­des­ci­da de oi­to mi­nu­tos an­tes de cair. Se­gun­do ele, o pi­lo­to do avião ti­nha mais de dez anos de ex­pe­ri­ên­ci­a­na­em­pre­sa­e­naLufthan­sa e o A320 foi en­tre­gue à com­pa­nhi­a­em1991.

Cai­xas-pre­tas

Mais tar­de, tam­bém du­ran­te en­tre­vis­ta co­le­ti­va, Ca­ze­neu­ve, con­fir­mou que uma das cai­xas­pre­tas­doAir­bus­foi­en­con­tra­da.

Ain­da não há in­for­ma­ções so­bre as con­di­ções do ins­tru­men­to, que es­tá sen­do exa­mi­na­do por uma equi­pe es­pe­ci­a­li­za­da. Com o equi­pa­men­to, es­pe­ra-se que as ra­zões do aci­den­te aé­re­o­pos­sam­se­res­cla­re­ci­das.

“A cai­xa-pre­ta se­rá ime­di­a­ta­men­te ana­li­sa­da, nas pró­xi­mas ho­ras,pa­ra­per­mi­tir­que­oinqué­ri­to ju­di­ci­al avan­ce ra­pi­da­men­te”, dis­se o mi­nis­tro.

“Fo­ram to­ma­das me­di­das pa­ra iso­lar a re­gião do aci­den­te pa­ra que a in­ves­ti­ga­ção pos­sa ocor­rer nas me­lho­res con­di­ções. A pre­fei­tu­ra e os ser­vi­ços na­ci­o­nais es­tão se mo­bi­li­zan­do pa­ra aco­lher as fa­mí­li­as que quei­ram vir ao lo­cal”, in­for­mou.

Pe­sar

O pre­si­den­te da Ale­ma­nha, Jo­a­chim Gauck, que es­tá no Pe­ru desde quin­ta-fei­ra pas­sa­da, gra­vou uma men­sa­gem de so­li­da­ri­e­da­de aos pa­ren­tes das 150 ví­ti­mas­do­de­sas­tre.

Gauck­dis­se­que­os­pen­sa­men­tos e sen­ti­men­tos de­le es­tão com as fa­mí­li­as das ví­ti­mas. “Eu es­tou pro­fun­da­men­te tris­te, as­sim co­mo mui­tos na Ale­ma­nha. Eu ape­nas pos­so ima­gi­nar a tris­te­za e a dor que afe­tam es­sas fa­mí­li­as. Eu gos­ta­ria de di­zer que meus pen­sa­men­tos e sen­ti­men­tos es­tão com vo­cês”, de­cla­rou.

Bai­xo­cus­to

A mar­ca Germanwings foi lan­ça­da, em 2013, pe­la Lufthan­sa, a mai­or em­pre­sa do gê­ne­ro da Ale­ma­nha. É uma com­pa­nhia aé­rea de bai­xo cus­to e foi a es­tra­té­gia en­con­tra­da pe­lo gru­po da avi­a­ção co­mer­ci­al ale­mã pa­ra re­con­quis­tar pas­sa­gei­ros das ri­vais, que ameaçam a com­pe­ti­ti­vi­da­de de­le.

—FO­TO: AN­NE-CH­RIS­TI­NE POUJOULAT/AFP

HOR­ROR. Equi­pes de res­ga­te di­zem que fu­se­la­gem “foi pul­ve­ri­za­da” e mai­o­res pe­da­ços têm ta­ma­nho de car­ro pe­que­no.

—FO­TO: MAR­TIN MEIS­S­NER/AP

CONS­TER­NA­ÇÃO. Ami­gos e pa­ren­tes pres­tam sé­rie de ho­me­na­gens às ví­ti­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.