Si­te co­bra re­a­li­za­ção de jú­ri de ho­mi­cí­dio ocor­ri­do há 15 anos

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Da Re­da­ção re­da­cao@odi­a­rio.com

Pro­tes­to on­tem cla­mou por jus­ti­ça no ca­so da mor­te da pro­fes­so­ra Ma­ria Es­te­la Jul­ga­men­to de Mau­ro Ja­ne­ne já foi adi­a­do cin­co ve­zes por ma­no­bras da de­fe­sa

Um gru­po de ami­gos e fa­mi­li­a­res da pro­fes­so­ra Ma­ria Es­te­la Cor­re­aPa­che­co,mor­tahá15a­nos,re­a­li­zou on­tem um ato de pro­tes­to em fren­te ao Fó­rum de Lon­dri­na, no norte do Es­ta­do, pa­ra mar­car olan­ça­men­to­do­si­te­jus­ti­ca­pa­ra­es­te­la.com.br e o seu ani­ver­sá­rio de50a­nos.

Quan­do o jú­ri po­pu­lar so­bre o as­sas­si­na­to da pro­fes­so­ra foi adi­a­do pe­la quin­ta vez, em de­zem­bro do ano pas­sa­do, a fi­lha de­la, a jor­na­lis­ta e ad­vo­ga­da Lai­la Pa­che­co Me­ne­chi­no, dis­se que ao mes­mo tem­po em que se sen­tiu im­po­ten­te tam­bém ex­pe­ri­men­tou a so­li­da­ri­e­da­de de ami­gos de sua mãe que, por meio das re­des so­ci­ais, or­ga­ni­za­ram-se e cri­a­ram o mo­vi­men­to pe­din­do a re­a­li­za­ção­do­jul­ga­men­to.

Lai­la afir­ma que o si­te, on­de as pes­so­as po­dem ter aces­so às in­for­ma­ções so­bre o pro­ces­so e as­si­nar uma pe­ti­ção pú­bli­ca cla­man­do por jus­ti­ça, é uma for­ma de pres­si­o­nar o Ju­di­ciá­rio a jul­gar o acu­sa­do Mau­ro Ja- ne­ne, pri­mo do ex-de­pu­ta­do fe­de­ral Jo­sé Ja­ne­ne, sus­pei­to de ter pro­ta­go­ni­za­do os es­cân­da­los do Men­sa­lão e do Pe­tro­lão. “As pes­so­as fo­ram so­li­dá­ri­as e me con­vo­ca­ram a fa­zer par­te de al­go no qual eu pu­des­se me ex­pres­sar. Já se pas­sa­ram qua­se 15 anos, es­se cri­me ain­da não foi jul­ga­do e nem exis­te pre­vi­são de quan­do se­rá. A len­ti­dão des­se pro­ces­so e as ma­no­bras fei­tas pe­la de­fe­sa pa­ra que o réu não se­ja jul­ga­do são re­vol­tan­tes”, afir­ma Lai­la.

So­bre o re­cur­so mais re­cen­te, que pro­vo­cou o adi­a­men­to e le­vou o pro­ces­so ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), já re­ce­beu pa­re­cer da sub­pro­cu­ra­do­ra- ge­ral da Re­pú­bli­ca, Cláu­dia Sam­paio Mar­ques. Ela afir­ma que a es­tra­té­gia da de­fe­sa evi­den­cia o in­tui­to de ma­ni­pu­lar a Jus­ti­ça, pos­ter­gan­do o jul­ga­men­to na ten­ta­ti­va de con­du­zir à pres­cri­ção. “Cons­ta nos au­tos que o pa­ci­en­te ti­nha um re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so com a ví­ti­ma e ma­toua sem ra­zão apa­ren­te, jo­gan­do o cor­po do 12º an­dar do edi­fí­cio que re­si­dia pa­ra si­mu­lar um sui­cí­dio. Tra­ta-se de um fa­to gra­vís­si­mo, que de­ve ser jul­ga­do, não sen­do ra­zoá­vel per­mi­tir à de­fe­sa ma­no­bras que im­pe­çam in­de­fi­ni­ti­va­men­te a re­a­li­za­ção do jul­ga­men­to”,es­cre­veuC­láu­dia.

O pro­mo­tor Ro­nal­do Cos­ta Bra­ga sus­ten­ta que a de­mo­ra des­se jul­ga­men­to é in­co­mum e um pés­si­mo exem­plo pa­ra a so­ci­e­da­de. “Se o cri­me fos­se ho­je, cer­ta­men­te te­ría­mos mais vi­gor na apli­ca­ção da lei. É um pa­ra­do­xo que ho­je em dia exis­ta um es­for­ço do Ju­di­ciá­rio em pu­nir cri­mes vi­o­len­tos con­tra mu­lhe­res e exis­ta o exem­plo des­se ca­so em­ble­má­ti­co se ar­ras­tan­do por tan­to tem­po”, co­men­tou, acres­cen­tan­do que a pe­ti­ção é im­por­tan­te por­que per­mi­te a par­ti­ci­pa­ção da so­ci­e­da­de, va­lo­ri­za a me­mó­ria do ca­so e mos­tra que há in­dig­na­ção.

O ad­vo­ga­do do acu­sa­do, Mau­ro Vi­ot­to, foi pro­cu­ra­do, mas es­tá em li­cen­ça mé­di­ca e não se­ma­ni­fes­tou.

—FO­TO: EL­VI­RA ALE­GRE

FI­LHA. Lai­la Me­ne­chi­no em en­tre­vis­ta co­le­ti­va on­tem: “As pes­so­as fo­ram so­li­dá­ri­as.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.