Re­gra de re­a­jus­te do mí­ni­mo es­tá man­ti­da até 2019

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Agên­ci­aEs­ta­do /// xi­mo/Agên­ci­aB­ra­sil ///Agên­ci­aEs­ta­do /// Well­ton Má-

A pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff as­si­nou, on­tem à tar­de, a Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) que pror­ro­ga a atu­al po­lí­ti­ca de re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra o pe­río­do en­tre 2016 e 2019. Se­gun­do ela, a po­lí­ti­ca de va­lo­ri­za­ção do mí­ni­mo aju­dou o País a atra­ves­sar a cri­se in­ter­na­ci­o­nal sem que os tra­ba­lha­do­res fos­sem pe­na­li­za­dos. “Em 2011, man­da­mos um pro­je­to (pa­ra o Con­gres­so) que co­bria até 2015, e, ago­ra, o no­vo tex­to tem va­li­da­de até 2019. Por­tan­to, até 2019, es­sa po­lí­ti­ca que re­pre­sen­tou ga­nho re­al do sa­lá­rio dos tra­ba­lha­do­res mais po­bres pas­sa a ser no­va­men­te uma re­a­li­da­de”, afir­mou, em ce­rimô­nia no Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Dil­ma dis­se que nos úl­ti­mos anos hou­ve um re­a­jus­te acu­mu­la­do em tor­no de 70% no sa­lá­rio mí­ni­mo. “Is­so re­pre­sen­tou, cer­ta­men­te, um dos mo­ti­vos pe­los quais nós con­se­gui­mos pas­sar por es­se mo­men­to de di­fi­cul­da­de da cri­se, sem que os efei­tos da re­du­ção do cres­ci­men­to econô­mi­co caís­sem so­bre as cos­tas dos tra­ba­lha­do­res”, com­ple­tou. A pre­si­den­te ci­tou ain­da que, no pas­sa­do, che­gar a US$ 100 o sa­lá­rio mí­ni­mo era o ob­je­ti­vo de uma lu­ta po­lí­ti­ca. “Mas, ago­ra, te­mos uma si­tu­a­ção de sis­temá­tico re­a­jus­te e va­lo­ri­za­ção do sa­lá­rio mí­ni­mo. Creio que es­se é um sus­ten­tá­cu­lo do de­sen­vol­vi­men­to nes­te mo­men­to es­pe­ci­fi­co do Bra­sil”, acres­cen­tou. On­tem, pres­si­o­na­do por se­na­do­res da opo­si­ção e até mes­mo da ba­se go­ver­nis­ta pe­la for­te es­ca­la­da da in­fla­ção, o pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Ale­xan­dre Tom­bi­ni, dei­xou de la­do a dis­cri­ção ha­bi­tu­al e de­sa­ba­fou: a al­ta do IPCA no cur­to pra­zo “não é um hor­ror sem fim”. Acos­tu­ma­do mais a afa­gos do que crí­ti­cas, Tom­bi­ni te­ve que en­fren­tar pro­vo­ca­ções e co­bran­ças dos par­la­men­ta­res, du­ran­te au­di­ên­cia pú­bli­ca no Se­na­do Fe­de­ral, e ex­pli­car re­pe­ti­da­men­te co­mo fa­rá pa­ra vol­tar a do­mar a in­fla­ção, que es­te ano de­ve rom­per o te­to da me­ta de 6,5%. Em qua­tro ho­ras de au­di­ên­cia, fo­ram co­lo­ca­dos em xe­que a al­ta dos pre­ços, a atu­a­ção do BC so­bre os ju­ros an­tes e de­pois da cam­pa­nha pre­si­den­ci­al, a in­ter­ven­ção no mer­ca­do de câm­bio, o cres­ci­men­to­da­e­co­no­mi­a­e­a­au­to­no­mi­a­dains­ti­tui­ção. Uma trans­fe­rên­cia de ati­vos en­tre em­pre­sas, que ren­deu R$ 4,64 bi­lhões em tri­bu­tos re­co­lhi­dos ao Fis­co, im­pe­diu que a ar­re­ca­da­ção fe­de­ral en­cer­ras­se fe­ve­rei­ro com mais um mês de que­da. Se­gun­do nú­me­ros di­vul­ga­dos, on­tem, pe­la Re­cei­ta Fe­de­ral, a ar­re­ca­da­ção so­mou R$ 89,982 bi­lhões, no mês pas­sa­do; va­lor 0,49%, mai­or que o re­co­lhi­do em fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do, des­con­ta­da a in­fla­ção ofi­ci­al pe­lo Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo (IPCA). Nos dois pri­mei­ros me­ses do ano, a ar­re­ca­da­ção fe­de­ral so­ma R$ 215,263 bi­lhões, va­lor 3,07% me­nor que no mes­mo pe­río­do de 2014 tam­bém con­si­de­ran­do a in­fla­ção pe­lo IPCA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.